Menu
2019-09-09T12:50:39-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
cara nova no banco suíço

Ex-presidente do BC, Ilan Goldfajn vai para o Credit Suisse

Economista atuará com clientes corporativos e pessoas físicas de alta e altíssima renda da instituição; ele assume o cargo no próximo dia 16

5 de setembro de 2019
10:52 - atualizado às 12:50
Ilan Goldfajn
Ex-presidente do BC, Ilan Goldfajn - Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

O ex-presidente do Banco Central Ilan Goldfajn será o novo presidente do conselho do Credit Suisse no Brasil. Ele ingressará no banco no próximo dia 16.

Segundo a própria instituição, o conselho auxilia nas decisões estratégicas e presta suporte aos projetos da administração local para expandir negócios e manter um crescimento sustentável.

"Ilan desempenhará o papel estratégico de promover uma colaboração cada vez mais forte entre todas as divisões do Credit Suisse no Brasil", diz o banco.

O Credit Suisse ainda explica que, entre as funções do economista, estão a análise de oportunidades de investimento, desenvolvimento de produtos e serviços e ajuda nas estratégias de aportes.

Ele atuará com clientes corporativos e pessoas físicas de alta e altíssima renda.

"Em virtude de sua posição anterior no Banco Central do Brasil e de seu notável histórico acadêmico e profissional, Ilan é uma figura altamente respeitada na comunidade financeira internacional, diz Tidjane Thiam, CEO do Credit Suisse.

Currículo

Ilan foi presidente do Banco Central de junho de 2016 até março de 2019. Em 2018, foi eleito "Central Banker of the Year" pela revista The Banker.

Ele também foi economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco, sócio-fundador da Ciano Investimentos e sócio da Gávea Investimentos. Além disso, foi professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) e da Brandeis University (EUA).

Em sua nova função, Goldfajn auxiliará Jim Amine, Brian Chin e Philipp Wehle no desenvolvimento de franquia integrada de Wealth Management e Investment Banking na região.

Os outros integrantes do grupo são José Olympio Pereira (CEO do Credit Suisse Brasil), Marco Abrahão (CEO da divisão de International Wealth Management no Brasil) e Sávio Barros (vice-chairman da divisão de International Wealth Management no Brasil).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements