Menu
2019-04-05T15:46:12-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Dia de cão

Ibovespa cai 5,45% na semana após turbilhão político; dólar vai a R$ 3,90

A crise política ganhou um novo episódio e trouxe mais pessimismo ao mercado. E o exterior piorou ainda mais um dia que já era ruim

22 de março de 2019
10:26 - atualizado às 15:46
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

O início e o fim da semana nos mercados:

Segunda-feira, 18 de março: o mercado comemora a chegada do Ibovespa ao nível inédito dos 100 mil pontos, no auge da empolgação com a reforma da Previdência.

Sexta-feira, 22 de março: angustiado com a (falta de) articulação política, o mercado assume um tom de extrema cautela e o Ibovespa despenca mais de 3%, ao nível dos 93 mil pontos.

Esses dois cenários, aparentemente contraditórios, dão uma boa ideia do que foi a semana. Do êxtase dos 100 mil pontos à perplexidade com o noticiário político, o mercado precisou rever seu plano de voo. E a correção na trajetória foi brusca.

O Ibovespa fechou o pregão desta sexta-feira em forte queda de 3,1%, aos 93.735,16 pontos, a maior baixa percentual desde 6 de fevereiro, quando caiu 3,74%. Com a perda de hoje, o principal índice da bolsa brasileira amargou um recuo de 5,45% no acumulado da semana — uma diferença de quase 7 mil pontos em relação à máxima intradiária histórica, aos 100.438,87 pontos, registrada na terça-feira (19).

O dólar à vista não ficou para trás: encerrou o dia em alta de 2,65%, a R$ 3,9016, avançando 2,12% desde segunda-feira.

E como o mercado sofreu essa reviravolta?

Tudo começou na quarta-feira, quando o tom "ameno" da proposta de revisão da previdência dos militares trouxe desconforto ao mercado e aumentou a percepção de que a reforma como um todo poderia ser enfraquecida. Em Brasília, o texto também não foi bem recebido: as críticas à articulação política do governo começaram a ganhar volume.

Na quinta-feira, a prisão do ex-presidente Michel Temer trouxe mais um foco de apreensão: a tramitação da reforma seria afetada pelo evento? E, hoje, a tensão chegou ao ápice, com as ameaças do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o tom também muito negativo dos mercados globais.

De acordo com o jornal "O Estado de S. Paulo", Maia estaria ameaçando deixar a articulação política da Previdência, em meio aos desentendimentos com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e desgastes com o filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

O presidente da Câmara até chegou a afirmar, via Twitter, que nunca deixaria de defender a reforma, o que trouxe um leve alívio aos mercados no fim desta manhã. Mas, no início da tarde, ele voltou a dar declarações fortes à imprensa — e o dia, que já estava ruim, ficou ainda pior.

"Não acho que essa crise vai chegar ao ponto de o Maia realmente largar tudo, mas essa situação, essa ameaça, incomoda bastante", diz um operador, classificando o presidente da Câmara como "o grande articulador da Previdência". Para ele, o papel de Maia é particularmente importante num contexto em que o próprio presidente, Jair Bolsonaro, hesita em defender a pauta da Previdência de maneira mais enfática.

"O mercado questiona as condições para o avanço das reformas. A articulação política está demorando demais", diz Ari Santos, gerente da mesa de operações da H. Commcor.

O dia também foi de ajustes expressivos nos DIs: as curvas com vencimento em janeiro de 2020 avançaram de 6,355% para 6,48%, e as com vencimento em janeiro de 2021 sobem de 6,871% para 7,14%. Entre os DIs longos, as correções foram ainda maiores: as curvas para janeiro de 2023 tiveram alta de 7,942% para 8,29%.

Exterior muito ruim

E, como se esse quadro não bastasse, os ventos vindos de fora também foram desfavoráveis nesta sexta-feira, em meio aos temores crescentes de fraqueza no ritmo de crescimento da economia mundial — a Alemanha e os Estados Unidos divulgaram hoje dados decepcionantes de atividade em março.

O Dow Jones caiu 1,77%, o S&P 500 recuou 1,9% e o Nasdaq teve perda de 2,5%. Na Europa, o Stoxx 600 fechou em queda de 1,22%.

"Se não tivesse nada acontecendo no Brasil, o dia já seria negativo por causa do exterior. Mas veio toda essa nuvem negra na política, essa falta de capacidade de articulação, e o mercado aproveita para vender", diz Álvaro Frasson, analista da Necton Investimentos.

Petróleo vai mal... e a Petrobras também

Esse turbilhão político afetou negativamente quase todas as ações do Ibovespa, mas alguns papéis foram particularmente mal. É o caso das ações ON da Petrobras, que caíram 4,77%, enquanto as PNs recuaram 5,46%. Além do noticiário local negativo, os ativos da estatal foram afetados pela queda de mais de 1,5% do petróleo WTI.

Bancos? Nem pensar

Os bancos também sofreram com esse movimento de aversão ao risco. As ações PN do Bradesco recuaram 3,53% e os ativos PN do Itaú Unibanco tiveram perda de 2,95% — na semana, esses papéis acumularam queda de mais de 8%.

Para Frasson, da Necton, o setor bancário é particularmente afetado por sua grande importância na composição do Ibovespa. "Se alguém quer vender Brasil, vende banco", diz ele, destacando que a falta de drivers positivos mais evidentes para o segmento bancário faz com que eles estejam particularmente expostos neste momento.

"A Petrobras ainda tem questões próprias, como a cessão onerosa e o plano de desinvestimentos", diz ele — no acumulado da semana, as ações da Petrobras tiveram perdas de 2% a 5%, desempenho bem melhor que o dos bancos.

Altas isoladas

Somente duas duas ações do Ibovespa fecharam em alta hoje: Kroton ON (+0,37%) e Suzano ON (+1,19%). Operadores e analistas destacam que o viés exportador da Suzano faz com que ela se beneficie do dólar na faixa de R$ 3,90. "Nesses momentos de incerteza local e dólar forte, as exportadoras são um hedge natural", diz um operador.

Natura conversa com Avon — e despenca

As ações ON da Natura ampliaram as perdas na reta final do pregão e fecharam em queda de 7,78%, após a empresa confirmar que está em discussões com a Avon Products a respeito de uma possível transação envolvendo as companhias.

CCR cai após balanço

As ações ON da CCR aparecem entre os piores desempenhos do Ibovespa, em queda de 4,96%, após apresentar resultados trimestrais que ficaram abaixo do esperado pelos analistas ouvidos pela Bloomberg. A companhia registrou queda de 56,5% no lucro líquido no ano de 2018 e fechou em R$ 782,7 milhões. No quarto trimestre, a empresa registrou prejuízo líquido de R$ 307,1 milhões e, com isso, reverteu lucro de R$ 329,1 milhões apresentado no mesmo período de 2017.

Lojas Americanas e B2W seguem em baixa

As ações PN da Lojas Americanas (-8,1%) e as ON da B2W (-9,09%) sofreram pelo segundo dia, após divulgarem seus balanços trimestrais na noite de quarta-feira — analistas destacaram que os resultados trouxeram pontos decepcionantes. O Itaú BBA, por exemplo, cortou ainda ontem as recomendações de ambos os papéis para "market perform", classificação semelhante à neutro.

Frasson ressalta que o setor de varejo como um todo reage mais rapidamente às expectativas do mercado em relação à atividade econômica — mais cedo, o ministério da Economia revisou para baixo a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 2,5% para 2,2%. "E Lojas Americanas e B2W, como divulgaram balanços não tão bons recentemente, acabam sofrendo mais".

 

 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

em brasília

Guedes condiciona auxílio de R$ 600 a aprovação da PEC emergencial e cria atrito com Maia

Presidente da Câmara falou em chamou de “transferência de responsabilidade” por parte do economista

momento de crise

Não adianta abrir comercio e as pessoas não irem às compras, diz Luiza Trajano

Para presidente do Conselho do Magazine Luiza, é preciso garantir que as medidas do governo cheguem a quem realmente precisa

Ursos à solta

Sim, você já sabe, a bolsa está em ‘bear market’. Mas o que a crise do coronavírus tem de diferente?

Eu preparei um histórico das crises que fizeram a bolsa sofrer e falei com especialistas para saber quanto tempo pode levar para as ações se recuperarem do tombo

IR 2020

Como declarar previdência privada no imposto de renda

Aprenda a declarar no imposto de renda as contribuições feitas a PGBL, VGBL e fundos de pensão, bem como os rendimentos recebidos dos planos de previdência privada

Números atualizados

País tem 201 mortes por coronavírus e 5.717 casos

Casos confirmados chegam a 5.717, segundo boletim

Novo pronunciamento

Bolsonaro muda o tom em novo pronunciamento, mas é alvo de panelaços

Presidente reconheceu a falta de um medicamento com eficácia confirmada para o combate à covid-19, citou a OMS e não pediu mais o fim do isolamento

Plano de negócios

Eletrobras prevê investimento de R$ 32,4 bilhões de 2020 a 2024

Segundo o documento, para 2020 está previsto um investimento de R$ 5,285 bilhões. Para o ano que vem, está prevista a cifra de R$ 6,7 bilhões

Sem tensão

Bolsonaro indica que Mandetta está mantido no cargo e não assina voucher nesta 3ª

O presidente Jair Bolsonaro amenizou o clima de tensão vivido nos últimos dias com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Renúncia

Petrobras informa renúncia de membro do Conselho de Administração

Segundo a estatal, a eleição de todo o Conselho de Administração para um novo mandato será deliberada na Assembleia Geral Ordinária da companhia prevista para 27 de abril.

Seu Dinheiro na sua noite

O 7 a 1 da bolsa no trimestre

No dia 2 de janeiro, primeiro pregão da bolsa em 2020, o Ibovespa marcou uma alta de 2,53% e atingiu a maior pontuação de fechamento até então, aos 118.573 pontos. Era um começo promissor para um ano que tinha tudo para marcar o processo de retomada da economia (ainda que em ritmo de carro com […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements