Menu
2019-06-02T09:12:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
tensão cresce

China vai investigar FedEx por desvios de encomendas da Huawei

Entregas perdidas chamaram a atenção por causa da especulação de que eles estão relacionados à crescente tensão entre os EUA e a China e às sanções à Huawei

2 de junho de 2019
9:12
FedEx / entrega/ encomenda
Entregadores da FedEx em Nova York, EUA. - Imagem: Shutterstock

A China vai investigar a companhia norte-americana de entregas e fretes FedEx. A medida foi anunciada após extravio de pacotes enviados pela gigante chinesa de tecnologia Huawei.

Segundo a agência oficial de notícias chinesa Xinhua, que divulgou a informação no sábado, 1, a FedEx "prejudicou gravemente os direitos e interesses legítimos dos clientes" e violou os regulamentos da indústria de entrega da China.

Quatro pacotes contendo documentos enviados pela Huawei foram encontrados desviados para a sede da FedEx em Memphis, Tennessee, em vez de serem entregue aos escritórios da Huawei na Ásia.

O Ministério do Comércio disse na sexta-feira, 31, que redigirá uma lista de empresas e indivíduos estrangeiros "não confiáveis" que prejudicam os interesses das empresas chinesas, mas não adiantou nomes.

Outro lado

A FedEx pediu desculpas e disse que os pacotes foram extraviados acidentalmente. Acrescentou que a empresa não foi orientada por ninguém para desviar os pacotes.

As entregas perdidas chamaram a atenção incomum por causa da especulação de que eles estão relacionados à crescente tensão entre os EUA e a China e às sanções dos EUA à Huawei.

'Ameaça potencial'

Washington acredita que a fabricante de equipamentos de rede de telecomunicações é uma ameaça potencial de espionagem por causa de seus laços estreitos com o governo chinês. A Huawei já negou que seja controlada pelo governo chinês, serviços militares ou de inteligência.

A questão se tornou um ponto crítico em uma crescente batalha comercial entre as duas maiores economias do mundo. No mês passado, Washington impôs tarifas adicionais de até 25% sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses, acusando Pequim de renegar suas promessas anteriores de fazer mudanças estruturais em suas práticas econômicas.

Isso levou Pequim a reagir com mais impostos sobre a maioria das importações norte-americanas. As tarifas chinesas entraram em vigor no sábado.

*Com informações da agência Reuters e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Realização brusca?

Com uma alta de mais de 800% no ano, ações da Fertilizantes Heringer recuam 40% em um único dia

A companhia, que se encontra em recuperação judicial, já subiu mais de 800% só neste ano

Oscar do jornalismo

Victor Aguiar, repórter do Seu Dinheiro, é indicado ao prêmio Comunique-se; saiba como votar

O repórter Victor Aguiar, do Seu Dinheiro, é um dos dez indicados na categoria “Economia- mídia escrita” do prêmio Comunique-se

Nova rodada

Auxílio emergencial será prorrogado por mais três meses, afirma Guedes

O benefício será estendido até outubro nos mesmos valores atuais, com parcelas de R$ 150 a R$ 375 que contemplam cerca de 39 milhões de brasileiros

MERCADOS HOJE

De olho na vacinação, Ibovespa reduz alta e perde os 130 mil pontos, mas dólar segue em queda de 1%

Aceleração da vacinação é bem recebida pelo mercado, que aposta em uma recuperação econômica mais robusta

Ajudanda externa

Banco Centroamericano de Integração Econômica irá ajudar El Salvador a implementar bitcoin

Em entrevista coletiva, Mossi acrescentou que o banco também trabalhará com o ministério das finanças e o banco central de El Salvador para selecionar uma equipe para trabalhar na implementação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies