2019-05-14T20:22:46-03:00
Estadão Conteúdo
VIAGEM MARCADA PARA A CHINA

Mourão sugere cautela na avaliação sobre guerra comercial entre EUA e China

Ele destacou que os Estados Unidos e a China possuem economias complementares. “Os Estados Unidos importam muito da China, enquanto a China possui grande parcela dos títulos da dívida pública americana, do Tesouro americano, e, por isso, são complementares. Então a gente tem que ter cautela nisso aí”, continuou.

14 de maio de 2019
20:22
Hamilton Mourão
Vice-presidente Hamilton Mourão - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Em meio à tensão gerada pela guerra comercial entre China e Estados Unidos, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu cautela por parte do Brasil. "A gente tem que olhar essa disputa comercial de forma crítica e cautelosa, não achando que isso vai ser algo definitivo, porque são movimentações de negociações", disse o vice a jornalistas.

Ele destacou que os Estados Unidos e a China possuem economias complementares. "Os Estados Unidos importam muito da China, enquanto a China possui grande parcela dos títulos da dívida pública americana, do Tesouro americano, e, por isso, são complementares. Então a gente tem que ter cautela nisso aí", continuou.

Poucos dias antes de iniciar viagem à China, onde ficará por cerca de dez dias, o vice afirmou que o governo está em clima de expectativa sobre a proposta que os chineses irão apresentar sobre a chamada Nova Rota da Seda ("One Belt, One Road", ou Iniciativa do Cinturão e Rota), projeto mundial de investimentos em infraestrutura.

A decisão, no entanto, só será tomada após visita oficial do presidente Jair Bolsonaro ao país, em agosto.

Uma das condicionantes do governo brasileiro, segundo ele, é a contratação de brasileiros para a realização das obras. "O investimento tem que vir aonde nós queremos. Tem que ser um investimento que contrate brasileiros e não chineses. Em linhas gerais é isso aí", explicou.

Mourão destacou a importância de "iniciar um relacionamento de confiança" para retomar diálogo com a China. "Que os chineses entendam que nós os temos como parceiros estratégicos. É o nosso maior fluxo comercial. Sabemos da importância da China, que hoje tem mais de um terço do produto interno do mundo. No curto, médio prazo pode chegar a ter mais da metade, e a gente tem que se colocar bem nisso aí", declarou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Carros voadores?

Mobilidade aérea: acordo entre Eve (EVEX), da Embraer (EMBR3), e Kenya Airways faz “carros voadores” avançarem na região africana

Acordo entre empresas do ramo de tecnologia e aviação visa plano de mobilidade aérea otimizada na região do Quênia.

VEM AÍ?

Mercado Pago está a um passo de se tornar carteira de criptomoedas; aplicativo já permite receber em bitcoin (BTC), ethereum (ETH) e stablecoin em dólar

O Mercado Pago lançou sua carteira há menos de um ano e a atualização deve injetar um novo ânimo nos investidores

HORIZONTE RELEVANTE

O Seu Dinheiro pergunta, Roberto Campos Neto responde: Banco Central está pronto para organizar o mercado de criptomoedas no Brasil

Roberto Campos Neto também falou sobre real digital, greve dos servidores do Banco Central e, claro, política monetária

VISÃO ALÉM DO ALCANCE?

Como Warren Buffett foi convencido a “pagar caro” e aumentar a aposta em ações de energia para US$ 8,5 bilhões

Apesar da disparada das ações do setor de petróleo, o bilionário investiu mais US$ 529 milhões em papéis da Occidental Petroleum, elevando a participação da Berkshire Hathaway na empresa para mais de 16%

IH, QUEBROU?

Cuidado com o mico! Conheça a mais nova ação que virou “meme stock” após entrar com pedido de falência

Apesar de caírem 7% hoje, ações da Revlon dispararam mais de 544% desde as mínimas e 286% desde o pedido de falência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies