Menu
2019-06-09T10:23:36-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Conflitos no horizonte

Comunicado oficial do G-20 fala de escalada da tensão comercial

O grupo das 20 economias mais ricas do mundo (G-20) reconhece que a tensão comercial no mundo está maior, e que esse clima pode afetar o crescimento da atividade global

9 de junho de 2019
10:23
Caricatura dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping
Donald Trump e Xi Jinping continuam em rota de conflito — e o G-20 reconhece essa tensão - Imagem: Shutterstock

Junto com a avaliação de que o crescimento global se mostra em um processo de estabilização, com a projeção de uma melhora moderada ao no fim deste ano e em 2020, o grupo das 20 economias mais ricas do mundo (G-20) avaliou que houve uma elevação da tensão comercial.

Apesar de praticamente reforçar o consenso que já existe nos mercados de todo o mundo, a sinalização dada na reunião é mais do que simbólica porque o que é descrito no comunicado é um consenso de todos os seus membros — os americanos vinham relutando com a adoção desta linguagem desde o início do encontro em Fukuoka, no Japão.

"Esta recuperação é apoiada pela continuação das condições financeiras acomodatícias, medidas de estímulos que tiveram efeitos em alguns países e a dissipação de fatores pontuais. No entanto, o crescimento permanece baixo e os riscos se mantêm pendendo para baixo. Mais importante, tensões comerciais e geopolíticas se intensificaram", trouxe o primeiro parágrafo do documento.

O texto ainda explica que o grupo continuará a acompanhar esses riscos e a estar preparado para tomar ações necessárias no futuro, se necessário.

Assim, o fechamento de um acordo entre Estados Unidos e México, anunciado na noite de sexta-feira (7) pelo presidente americano, Donald Trump, não foi um fator determinante para diminuir a percepção de risco em relação à guerra comercial — ao menos, não para o G-20.

Pelo acordo firmado entre os vizinhos, o México se comprometeu a adotar medidas para coibir o fluxo de imigrantes ilegais que parte da América Central em direção ao território americano. Em contrapartida, os Estados Unidos suspenderam por tempo indeterminado a adoção de tarifas de importação aos produtos mexicanos.

Apesar da despressurização das tensões no front Estados Unidos e México, as disputas comerciais entre os governos americano e chinês continuam a todo vapor. É esperado um encontro entre os presidentes dos dois países — Donald Trump e Xi Jinping, respectivamente — numa reunião do G-20, no fim deste mês.

Quer saber como a guerra comercial pode mexer com o seu dinheiro? A Julia Wiltgen te explica:

Histórico

A primeira vez que o G-20 falou sobre as tensões comerciais foi na reunião de cúpula de Buenos Aires, no segundo semestre de 2018. No encontro financeiro realizado em março, também na Argentina, o assunto não foi abordado pelos participantes. O comunicado é sempre divulgado ao final da reunião de dois dias dos membros do grupo.

O documento da rodada do Japão reafirma que os membros do grupo usarão todas as ferramentas disponíveis para fomentar um crescimento sustentável e forte, e que intensificarão o diálogo e as ações para melhorar a confiança.

"Política fiscal tem que ser flexível e alinhada ao crescimento, enquanto este estiver sendo reconstruído", salientou o texto. O documento também fala sobre a necessidade de amortecedores e da necessidade de um caminho sustentável quando comenta sobre a relação entre dívida e Produto Interno Bruto (PIB).

Para os bancos centrais, continuou o recado de que precisam manter a inflação sob controle ou estável, perto da meta. "As decisões dos bancos centrais precisam ser bem comunicadas", reforçou. O G-20 financeiro destacou também que é preciso que países façam suas reformas estruturais para buscar um crescimento potencial.

"Nós reenfatizamos que o comércio internacional e os investimentos são importantes motores do crescimento, produtividade, inovação, criação de empregos e desenvolvimento."

Como adiantou o Broadcast, o grupo repetiu o trecho do documento de Buenos Aires, do ano passado, em que reafirma o compromisso com a taxa cambial, assim como feito em março de 2018. O G-20 financeiro ressaltou a redução dos equilíbrios da conte corrente global vista depois da crise financeira internacional, principalmente em mercados emergentes.

Já mais para o final do comunicado, o grupo enfatizou que um sistema financeiro aberto e resiliente, em linha com padrões internacionais é crucial para apoiar um crescimento sustentável. Em relação a criptoativos, o recado foi o de que continuará a ser um assunto monitorado pelos membros. "Continuaremos vigilantes aos riscos."

* Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies