Menu
2019-02-22T16:58:26-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Banco Central americano

Mudanças importantes a caminho? Vice-presidente do FED diz que instituição está revendo maneira como conduz política monetária

Outra coisa que deve ser discutida é a definição da meta da inflação, de 2% ao ano, segundo Clarida. Para o especialista, o órgão continua a ter como objetivo os 2% ao ano, mesmo que tenha acontecido algo fora do comum no ano anterior. Na opinião do vice-presidente, o BC deve reagir se a inflação ficar abaixo da meta

22 de fevereiro de 2019
16:58
Federal Reserve
Federal Reserve - Imagem: shutterstock

Depois de um período de muitas polêmicas envolvendo o FED e o possível aumento dos juros nos Estados Unidos, o vice-presidente do órgão, Richard Clarida, sinalizou hoje (22) algumas mudanças importantes na conduta do órgão em discurso em Nova Iorque, promovido pela Universidade de Chicago. Segundo ele, o Federal Reserve está fazendo uma revisão da maneira como conduz a política monetária, diante dos desafios enfrentados pelos bancos centrais mundo afora para que as taxas de juros permaneçam abaixo do que eram no passado.

Em sua fala, o vice-presidente destacou que o FED vai organizar audiências para ouvir a sociedade, desde de empresários até acadêmicos. A primeira da série de eventos será feita já na próxima segunda-feira (25), em Dallas. Já a segunda deve ocorrer em abril.

Outra coisa que deve ser discutida é a definição da meta da inflação, de 2% ao ano, segundo Clarida. Para o especialista, o órgão continua a ter como objetivo os 2% ao ano, mesmo que tenha acontecido algo fora do comum no ano anterior. Na opinião do vice-presidente, o BC deve reagir se a inflação ficar abaixo da meta.

Outro ponto é a revisão de ferramentas que possam ser utilizadas quando houver ciclos de contração previstos para os próximos anos, e que a instituição não se veja em condições de cortar os juros tanto quanto deseja. Uma das opções, nesse caso, seria semelhante a utilizada pelo Banco do Japão, que estabeleceu um teto temporário para os juros de longo prazo, referenciado nos bônus de dez anos com promessas de recompra deles a um preço definido antes.

Segundo o vice-presidente do FED, essa foi uma das ferramentas pensadas depois da crise que abalou o mundo em 2018, mas ela acabou não indo para frente.

A comunicação também é outro ponto de atenção e que deve ser revisto em breve. De acordo com Clarida, o FED deve começar a ver isso na próxima semana e as conclusões sobre o tema devem ser apresentadas no primeiro semestre do ano que vem.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies