Menu
2019-03-25T06:25:40-03:00
Estadão Conteúdo
CENÁRIO PARA ECONOMIA AMERICANA

Evans, do Fed, diz não prever aumento de juros até o 2º semestre de 2020

Presidente da distrital de Chicago também avaliou que a economia americana permanece em uma posição forte, mencionando uma estimativa de crescimento entre 1,75% e 2% para 2019,

25 de março de 2019
6:18 - atualizado às 6:25
Estados Unidos
Imagem: Shutterstock

O presidente da distrital de Chicago do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Charles Evans, afirmou que não espera elevação dos juros nos EUA até o segundo semestre de 2020. Em conferência do Credit Suisse em Hong Kong, o dirigente disse que gostaria de ver maiores evidências de inflação mais alta antes de ajustar os juros para cima.

Evans também avaliou que a economia americana permanece em uma posição forte, mencionando uma estimativa de crescimento entre 1,75% e 2% para 2019, e observou que a meta para a taxa dos Fed funds, na faixa entre 2,25% e 2,50%, é indiscutivelmente "quase neutra".

"É um bom momento para parar, pausar, ver como as coisas vão progredir e ser cauteloso", disse.

Curva de juros mostra chance um pouco maior de recessão

O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) em Chicago, Charles Evans, disse que a inversão da curva de juros no fim da semana passada - quando o spread entre a T-bill de três meses e a T-note de 10 anos ficou negativo pela primeira vez em mais de uma década - indica probabilidade ligeiramente maior de a economia americana entrar em recessão.

Evans ressaltou, porém, que a tendência de achatamento da curva de juros não é uma surpresa.

Em entrevista à TV Bloomberg exibida nesta madrugada, Evans também comentou que o crescimento dos EUA deverá ser mais fraco neste primeiro trimestre, mas previu uma recuperação da atividade já no trimestre seguinte.

Evans disse ainda que a política monetária do Fed está quase no nível neutro, em que as taxas de juros nem estimulam nem prejudicam o crescimento econômico.

Evans, que vota nas reuniões do Fed este ano, também citou a desaceleração da China e a questão do Brexit - como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia - como fatores de incertezas para a futura direção da política do BC americano.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies