Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-01T15:18:24-03:00
Estadão Conteúdo
Com bons olhos

Secretário de Comércio dos EUA elogia planos de infraestrutura do Brasil

Wilbur Ross afirmou que o governo brasileiro está começando a se mover e tentou dar sinal de calmaria para os investidores

1 de agosto de 2019
15:18
Marcos Corrêa/Presidência da República
Secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross -

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, disse que o governo brasileiro está "começando a se mover" e que os investidores podem ficar menos nervosos.

"Este é um governo que está começando a se mover, isso é muito importante. Para vocês que estavam nervosos em investir, eu estaria menos nervoso aqui no Brasil do que em alguns outros lugares", disse, em seminário sobre infraestrutura em Brasília.

Depois de se reunir com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Godoy, Ross elogiou os planos do brasileiro para a área. "Fiquei muito impressionado com o nível de detalhe do plano do ministro Tarcísio e com o fato de que ele tem planos de muito curto prazo vindo por aí", acrescentou.

Em um momento de aproximação entre os governos do Brasil e do Mercosul com os Estados Unidos, Ross disse que os EUA querem ser o "parceiro preferencial" para a região. Ele citou negociações em curso para questões como padronização técnicas e de regras aduaneiras. "Estamos tratando de facilitação de comércio para apressas a movimentação e liberação de bens", acrescentou.

Ele afirmou que a América Latina tem cerca de 1.700 projetos de grande escala e que os governos da região estão cada vez mais buscando o setor privado para investimentos. "A participação dos EUA na infraestrutura foi limitada no passado, apesar do papel do país na região. Há uma desconexão."

Entre os fatores que afastam as companhias norte-americanas da América Latina está a burocracia e a corrupção.

Memorando

Após a fala de Ross, EUA e Brasil assinaram um memorando de entendimento para facilitar negócios e investimentos. A assinatura, pelo lado norte-americano, coube à Overseas Private Investment Corporation (OPIC), agência de fomento de investimentos em mercados emergentes, e, pelo lado brasileiro, de representantes da secretaria especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

A intenção do memorando é facilitar e estimular negócios e investimentos dos Estados Unidos em projetos brasileiros.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ENTROU NO JOGO

Previsão de US$ 1 trilhão da Greyscale ficou pequena: Goldman Sachs acredita que metaverso é oportunidade de US$ 8 trilhões

De acordo com cálculos do analista da instituição financeira, as previsões mais otimistas dão conta de um valor potencial de até US$ 12 trilhões

De volta ao lar

Embraer (EMBR3) reintegra o setor de aviação comercial após o fiasco com a Boeing. E agora, como ficam as ações?

Para a Embraer (EMBR3), a parceria com a Boeing em aviação comercial é passado; mas será que o mercado precifica corretamente suas ações?

Disposta a competir com as gigantes, Infracommerce (IFCM3) pode ver salto de mais de 70% nas suas ações, diz BofA; papéis sobem mais de 4%

Banco iniciou a cobertura dos papéis da fornecedora de infraestrutura de e-commerce para outras empresas com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 25 por ação

AMPLIANDO A BASE

Em busca do pequeno investidor, BR Partners (BRBI11) fecha preço de oferta de ações; papéis sobem

Banco havia realizado IPO em junho do ano passado em operação que permitia a compra dos papéis nos primeiros 18 meses apenas por investidores que tivessem mais de R$ 1 milhão em aplicações, os chamados investidores qualificados

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 38 mil antes da decisão de política monetária do Fed, mas semana ainda é difícil para mercado de criptomoedas

Investidores aguardam maiores informações sobre a retirada de estímulos e alta nos juros por parte do Banco Central americano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies