Menu
2019-06-02T15:38:22-03:00
Estadão Conteúdo
mandando um alerta

Guerra comercial intensifica riscos para o setor de transporte de carga aérea

A demanda por tráfego de passageiros, entretanto, tem se mantido, mas a instabilidade política gerada pelo agravamento das relações comerciais ainda pode ter repercussões negativas, alerta a Associação Internacional de Transporte Aéreo

2 de junho de 2019
15:37 - atualizado às 15:38
China - Estados Unidos
Imagem: shutterstock

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) avalia que os riscos para a indústria de carga aérea aumentaram com a proliferação de medidas protecionistas e a escalada das guerras comerciais dos Estados Unidos envolvendo a China e mais recentemente o México. Os riscos desse acirramento das disputas comerciais para uma indústria que, na visão da associação, já se encontra sitiada, são imediatos.

A demanda por tráfego de passageiros, entretanto, tem se mantido, mas a instabilidade política gerada pelo agravamento das relações comerciais ainda pode ter repercussões negativas, alerta a associação. Para o diretor geral da Iata, Alexandre de Juniac, a aviação precisa de fronteiras abertas às pessoas e ao comércio. "Ninguém ganha com guerras comerciais, políticas protecionistas ou agendas isolacionistas", acrescentou.

Fluxo de caixa

Segundo a Iata, o fluxo de caixa livre, que possibilita as empresas pagar os investidores e reduzir sua dívida, deverá desaparecer no nível da indústria porque o caixa das operações será reduzido pelo crescimento mais lento da demanda e pela alta nos custos. Já os índices de dívida/lucro, que caíram consideravelmente, estão começando a subir novamente, observa a associação.

Os índices médios de dívida/lucro para companhias aéreas na Europa e na América do Norte não estão muito acima dos níveis classificados como grau de investimento pelas agências de classificação de crédito.

Na África, Oriente Médio e América Latina as companhias aéreas ainda apresentam altos níveis de endividamento, o que os deixa mais vulneráveis a choques de fluxo de caixa (cada vez mais prováveis) ou taxas de juros crescentes.

*A jornalista viaja a convite da Associação Internacional de Transporte Aéreo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Temperatura subindo

Febraban: carteira de crédito continua em expansão e deve registrar melhor índice desde 2013

As concessões de empréstimos devem apresentar crescimento de 4,7% em maio, acumulando aumento de 6,9% nos últimos 12 meses

Fim de papo

Bolsonaro se irrita com questão de frete e termina conversa na saída do Alvorada

Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o “maior problema de vocês (caminhoneiros)” é o preço dos combustíveis e os tributos

Nova realidade?

UBS prevê queda nos preços de minério de ferro e rebaixa Rio Tinto

Para os analistas, problemas com oferta no Brasil, intensificados pela pandemia, e atuação do governo chinês devem pressionar cotação do insumo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies