Menu
2019-04-24T10:26:58-03:00
Estadão Conteúdo
simulação

Escalada de tensões comerciais prejudicaria mais EUA que zona do euro, diz BCE

Hipótese parte de uma simulação em que os norte-americanos aumentariam as tarifas e as barreiras não tarifárias sobre importações de todos os seus parceiros comerciais em 10%

24 de abril de 2019
10:24 - atualizado às 10:26
Departamento de comércio dos EUA
No médio prazo o efeito direto sobre o PIB americano poderia reduzir 1,5 ponto porcentual da atividade em relação ao cenário-base após o primeiro ano sob essas condições comerciais - Imagem: shutterstock

O Banco Central Europeu (BCE) divulgou hoje um estudo em que, simulando uma escalada das tensões comerciais emanando dos Estados Unidos, o país governado por Donald Trump veria a sua atividade mais prejudicada do que a zona do euro no médio prazo. Nesse cenário, a China seria até beneficiada.

A hipótese apresentada pelo BCE parte de uma simulação em que os EUA aumentassem as tarifas e as barreiras não tarifárias sobre importações de todos os seus parceiros comerciais em 10% e os outros países retaliassem simetricamente.

No médio prazo, defende a instituição com sede em Frankfurt, o efeito direto sobre o Produto Interno Bruto (PIB) americano poderia reduzir 1,5 ponto porcentual (p.p.) da atividade em relação ao cenário-base após o primeiro ano sob essas condições comerciais.

Isso porque, segundo o BCE, mesmo que os consumidores e empresas nos EUA passassem a consumir mais bens produzidos domesticamente, predominaria o impacto negativo do aumento de preços e da redução de exportações resultante das medidas retaliatórias de parceiros comerciais.

Já na China, a projeção dá conta de que os produtores locais melhorariam sua competitividade em países terceiros em relação a fabricantes americanos, gerando efeitos positivos, com ganho de 0,6 p.p. no PIB.

Enquanto a zona do euro pudesse ter, no cenário analisado, alguns ganhos possíveis em participação nos mercados de exportação, os transbordamentos derivados da deterioração da confiança global provavelmente se sobreporiam aos ganhos de competitividade, causando um decréscimo modesto na atividade.

"Finalmente, o comércio global e a atividade global poderiam cair mais de 2,5 p.p. e 1 p.p., respectivamente, como resultado dos efeitos negativos combinados por meio dos canais comercial e financeiro", conclui o estudo do BCE.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Análise do presidente

Para Bolsonaro, derrubada ou perda da validade da MP da Eletrobras provocará caos

A MP não tem consenso entre líderes e corre o risco de ser derrubada ou ter a votação adiada

Banco mais verde

Itaú anuncia investimento de R$ 400 bilhões em iniciativas ESG até 2025

O Itaú destaca no comunicado que esses títulos têm sido bastante demandados pelo mercado e fazem parte de um segmento em que o Itaú se tornou referência em 2021

MP da eletrobras

Aeel protocola denúncia no TCU contra venda da Eletrobras por ferir Constituição

Em 28 páginas, a Aeel explica ao TCU cada artigo da Constituição que estaria sendo afrontado, e questiona a falta de transparência do processo

Exile on Wall Street

Invista enquanto essas ações estão solteiras: seis empresas que podem ser alvo de fusões e aquisições na bolsa

Durmo muito mal. Cada hora é uma coisa. Quando não é a preocupação com a Covid, é o medo da inflação. Primeiro é a incerteza sobre o deal, depois o autoquestionamento sobre a capacidade de entregar o que me foi confiado. Como é duro conviver consigo mesmo. Nas últimas semanas, vivo uma mistura de empolgação […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies