2019-04-24T10:26:58-03:00
Estadão Conteúdo
simulação

Escalada de tensões comerciais prejudicaria mais EUA que zona do euro, diz BCE

Hipótese parte de uma simulação em que os norte-americanos aumentariam as tarifas e as barreiras não tarifárias sobre importações de todos os seus parceiros comerciais em 10%

24 de abril de 2019
10:24 - atualizado às 10:26
Departamento de comércio dos EUA
No médio prazo o efeito direto sobre o PIB americano poderia reduzir 1,5 ponto porcentual da atividade em relação ao cenário-base após o primeiro ano sob essas condições comerciais - Imagem: shutterstock

O Banco Central Europeu (BCE) divulgou hoje um estudo em que, simulando uma escalada das tensões comerciais emanando dos Estados Unidos, o país governado por Donald Trump veria a sua atividade mais prejudicada do que a zona do euro no médio prazo. Nesse cenário, a China seria até beneficiada.

A hipótese apresentada pelo BCE parte de uma simulação em que os EUA aumentassem as tarifas e as barreiras não tarifárias sobre importações de todos os seus parceiros comerciais em 10% e os outros países retaliassem simetricamente.

No médio prazo, defende a instituição com sede em Frankfurt, o efeito direto sobre o Produto Interno Bruto (PIB) americano poderia reduzir 1,5 ponto porcentual (p.p.) da atividade em relação ao cenário-base após o primeiro ano sob essas condições comerciais.

Isso porque, segundo o BCE, mesmo que os consumidores e empresas nos EUA passassem a consumir mais bens produzidos domesticamente, predominaria o impacto negativo do aumento de preços e da redução de exportações resultante das medidas retaliatórias de parceiros comerciais.

Já na China, a projeção dá conta de que os produtores locais melhorariam sua competitividade em países terceiros em relação a fabricantes americanos, gerando efeitos positivos, com ganho de 0,6 p.p. no PIB.

Enquanto a zona do euro pudesse ter, no cenário analisado, alguns ganhos possíveis em participação nos mercados de exportação, os transbordamentos derivados da deterioração da confiança global provavelmente se sobreporiam aos ganhos de competitividade, causando um decréscimo modesto na atividade.

"Finalmente, o comércio global e a atividade global poderiam cair mais de 2,5 p.p. e 1 p.p., respectivamente, como resultado dos efeitos negativos combinados por meio dos canais comercial e financeiro", conclui o estudo do BCE.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

E A ESTATÍSTICA AUMENTA

A onda de demissões não tem hora para acabar: fintech Hash faz novo corte no quadro de funcionários

Essa é a terceira demissão em massa na startup nos últimos três meses; a Hash ainda não informou quantos colaboradores foram afetados

EXILE ON WALL STREET

Um foguete de previdência: Qual é a melhor filosofia de investimentos para investir para a sua aposentadoria?

Confira o foguete mais seguro, moderno, diversificado e com maior potencial para te lançar nesta jornada de aposentadoria dos sonhos

SEU DINHEIRO EXPLICA

A Petrobras (PETR4) abriu as portas do inferno: último reajuste dos combustíveis provocou a ira de Bolsonaro, que ameaça a estatal; descubra se PETR4 ainda vale a pena nesse cenário

A petroleira virou alvo de ataques com artilharia pesada após último reajuste no preço dos combustíveis, que elevou o valor da gasolina em mais de 5% e o do diesel em 14%; descubra se a estatal é mesmo responsável por esse crime contra o seu bolso

VAGAS DA SEMANA

Nubank está com mais de 30 vagas abertas; confira as principais oportunidades da semana

As vagas de emprego na fintech são para as áreas de finanças, tecnologia e produtos, além dos programas exclusivos para negros e PCDs

Estatal sob investigação

Petrobras (PETR4) é alvo de mais uma investigação: MP-RJ suspeita de improbidade no reajuste dos combustíveis

A estatal já está envolvida em onze processos comandados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies