Menu
2019-06-21T11:49:58-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
em documento

China sinaliza intenção de retomar diálogo e responsabiliza EUA pela guerra comercial

O governo chinês divulgou comunicado neste domingo, 2, em que reiterou três pré-condições para um acordo

2 de junho de 2019
17:00 - atualizado às 11:49
China
China - Imagem: Shutterstock

O governo chinês divulgou neste domingo, 2, um comunicado sinalizando disposição para retomar o diálogo com os EUA, apesar de não deixar claro quais serão os próximos passos e de responsabilizar os norte-americanos pela guerra comercial.

O documento reitera três pré-condições para um acordo comercial. Pede que os EUA removam "todas as tarifas adicionais" cobradas das exportações chinesas; que compras chinesas de produtos americanos para reduzir o déficit comercial dos EUA "devem ser realistas"; e que o texto de um acordo final seja "equilibrado".

O vice-ministro de Comércio e representante internacional para a área da China, Wang Shouwen, declarou que Pequim está disposta a adotar uma abordagem cooperativa para encontrar uma solução.

O vice-ministro diz no documento que seu país poderia publicar em breve informações mais detalhadas sobre uma lista de entidades não confiáveis, mas adiantou que ela deve ter como alvos empresas que violaram "princípios de mercado" e reduziram o suprimento de componentes para empresas chinesas por razões não comerciais.

Ele reforça também a possibilidade de a China restringir suas exportações de minerais conhecidos como terras raras, amplamente usados em carros elétricos e telefones celulares. O principal deles é o lítio, mais importante componente de baterias.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ficará de licença

Após internação, novo exame de Toffoli dá negativo para covid-19

De acordo com o boletim, Toffoli apresentou “melhora considerável” em seu quadro respiratório, depois de ter sido internado no sábado (23) com sintomas

Forte alívio

Ibovespa sobe forte e dólar cai a R$ 5,49, refletindo o alívio no risco político

O Ibovespa já se aproxima dos 85 mil pontos e o dólar fica abaixo de R$ 5,50. O mercado reage positivamente ao vídeo da reunião ministerial e aproveita o feriado nos EUA para ter um dia tranquilo

Exile On wall street

Ganha-ganha ou tango à beira do precipício?

Na eventualidade de uma surpresa negativa, o mercado vai desafiar o BCB, questionando sua capacidade de conter uma disparada de câmbio, até o limite de sofrermos um ataque especulativo

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

13 notícias para começar o dia bem informado

A semana começa com um feriado lá fora e um “feriadinho” meia boca no estado de São Paulo. Enquanto Wall Street permanece fechado, a bolsa brasileira opera normalmente. O feriado antecipado pelo governo de São Paulo não colou no mercado financeiro. Recebi inúmeros comunicados de empresas e bancos informando que terão expediente normal. Os investidores […]

efeito coronavírus

Confiança do comércio sobe 6,2 pontos em maio, afirma FGV

Nos dois meses anteriores, o índice tinha acumulado uma perda de 38,6 pontos e descido ao menor nível da série histórica

tensão entre potências

China exige que EUA retirem sanções a fornecedores de tecnologia

Ministério de Relações Exteriores chinês acusou o governo americano de interferir em assuntos do país

Aumento nas tarifas

Emendas de deputados elevariam conta de luz

Embora possam parecer bem-intencionadas, emendas que propõem o aumento do grupo de beneficiários do programa ou estendem o tempo de isenção das tarifas aumentam, indiretamente, a conta de luz da maioria da população

focus

Mercado prevê queda de 5,89% do PIB em 2020

Estimativa anterior registrada em edição do Focus era de redução de 5,12% do PIB; dólar deve terminar 2020 a R$ 5,40

efeitos da crise

Ativos de bancos somam R$ 7,4 trilhões

Com o aumento da oferta de crédito, os cinco maiores bancos brasileiros têm em mãos recursos equivalentes à toda a economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements