Menu
2019-12-13T13:45:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
enfim uma trégua

China e EUA fecham ‘fase 1’ de acordo comercial

País presidido por Trump deve retirar tarifas sobre produtos chineses em fases; novas tarifas previstas para entrar em vigor no dia 15 não mais serão levadas adiante

13 de dezembro de 2019
13:42 - atualizado às 13:45
Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping
Imagem: Shutterstock

China e Estados Unidos fecharam a 'fase 1' do acordo comercial, informaram nesta sexta-feira (13) autoridades do país asiático. Desde a noite passada, diversos relatos na imprensa internacional apontavam para a iminência da assinatura do documento - que foi uma das fontes de instabilidade dos mercados na manhã de hoje.

Nesta sexta, durante entrevista coletiva em Pequim, o vice-ministro do Comércio Wang Shouwen afirmou que os dois lados concordaram em fechar "o mais rápido possível" os procedimentos para revisar legalmente o pacto, para que ele então possa ser firmado.

As autoridades chinesas qualificaram o anúncio como um "grande avanço" no diálogo. Segundo elas, os EUA devem retirar tarifas sobre produtos chineses em fases. As novas tarifas previstas para entrar em vigor no dia 15 não mais serão levadas adiante, informaram. Além disso, parte das tarifas americanas existentes já serão retiradas na "fase 1" do acordo.

A China informou que houve concordância em avançar na cooperação comercial, o que será benéfico para os dois países. "Saudamos a entrada de serviços e produtos de qualidade dos EUA", disse uma das autoridades presentes na coletiva.

Pequim prometeu importar mais serviços e produtos americanos, citando especificamente o setor agrícola, onde prometeram "grandes compras" e disseram que há complementaridade entre as duas economias.

Confiança dos mercados

O governo chinês disse que o acordo comercial com os EUA ajudará a impulsionar a confiança nos mercados globais, ressaltando ainda que ele não ameaçará os interesses de outros parceiros comerciais da potência asiática. Além de recuar em tarifas, os americanos aumentarão isenções para produtos chineses, informou Pequim.

As autoridades presentes na coletiva não detalharam os termos do acordo já fechado. Segundo uma delas, o documento terá de passar por procedimentos legais, revisões, traduções e outras etapas, para então ser detalhado e assinado pelos líderes dos dois países.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Abertura

Bolsa abre sem direção definida, sem apoio do exterior e com cenário interno dividido

Confira os principais eventos e indicadores para o dia de hoje

análise dos balanços

Juntos, Santander, Itaú e Bradesco têm salto no lucro, mas saúde financeira não tranquiliza mercado

Um contraste fica visível na comparação entre Santander e Itaú, principalmente: o comportamento da margem financeira das operações com clientes

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies