Menu
2019-07-24T13:50:15-03:00
Estadão Conteúdo
buscando onde investir

Engie quer fazer empresas do País economizar energia

Francesa comprou no Brasil seis empresas de atividades diferentes; ideia é oferecer soluções como monitoramento do consumo de energia elétrica

24 de julho de 2019
13:50
Engie
Engie - Imagem: Shutterstock

Eficiência energética deixou de ser um conceito para se tornar negócio. No caso da francesa Engie, que faturou € 60,6 bilhões no ano passado, uma frente de trabalho com tendência a se tornar sua maior área no mundo nos próximos anos. “Depois de energia verde e infraestrutura de gás, nosso terceiro negócio já é a eficiência energética”, diz Isabelle Kocher, presidente global da companhia, em entrevista exclusiva ao ‘Estadão/Broadcast’, durante evento para lideranças da empresa no Rio de Janeiro.

Segundo Isabelle, a expectativa é que a área atinja um terço da receita total da Engie no médio prazo, ao lado de segmentos já consagrados como geração de energia renovável e gás.

No Brasil, a área também vem ganhando força. Alvo recente do maior investimento da empresa no mundo nos últimos quatro anos - com a compra da Transportadora Associada de Gás (TAG), da Petrobrás, por US$ 8,6 bilhões -, o País está na linha de frente da francesa. Anualmente, a Engie destina de € 300 milhões a € 400 milhões ao Brasil, fora aquisições.

“Se a economia (brasileira) crescer, para evitar um ‘boom’ do preço da energia é preciso fazer com que as pessoas consumam menos, e de forma eficiente”, afirmou Isabelle, desde 2016 à frente da empresa e responsável pela mudança de rumo para a energia renovável.

Hoje, o carvão representa menos de 5% da geração da Engie, após a venda nos últimos anos de € 9 bilhões de ativos dessa matriz energética. No Brasil, as duas últimas térmicas a carvão também serão vendidas.

Aquisições

Para aumentar a área de eficiência energética no País, a Engie comprou no Brasil seis empresas de atividades diferentes, como serviços, consultoria e geração solar distribuída. A ideia é oferecer soluções como monitoramento do consumo de energia elétrica. No banco Santander, por exemplo, a Engie monitora 1,5 mil agências. Identifica em quais momentos o ar condicionado deve ser ligado ou quando as luzem devem ser apagadas.

Já em um prédio da Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio, a solução foi dada com a instalação de aparelhos de ar condicionado no telhado do prédio e a venda de energia renovável. Para a GE, foi desenvolvido monitoramento para impedir o consumo de energia além do esperado, proporcionado economia de 20% nos custos.

No Brasil, a Engie tem 2,7 mil funcionários, dos quais 1,7 mil trabalham com eficiência energética. Para o coordenador do grupo de estudos do setor elétrico do Instituto de Economia da UFRJ, Nivalde de Castro, é natural que a Engie invista no segmento de eficiência energética. “Ela vende energia e, por isso, sabe o perfil de consumo dos seus clientes e pode apresentar alternativas à redução de custo”, disse. Segundo ele, o foco da empresa deve ser o setor industrial, que não tem tradição de investir nisso no Brasil.

Já para o setor de gás, os planos da Engie são de continuar avaliando as vendas da Petrobrás. Em primeiro lugar, porém, a empresa irá se
dedicar à TAG. “O momento agora é de fazer a integração da TAG”, disse Maurício Bahr, presidente da Engie Brasil. “Vamos fazer a adaptação da nova cultura da empresa - tem funcionários que são da Petrobrás e é preciso fazer a transição.”

Planos

Bahr descartou participar da disputa pelo Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol), mas disse que outras oportunidades poderão ser avaliadas. “Na Europa, a gente opera 30 mil quilômetros de gasodutos, então o potencial do Brasil tem para explorar essa imensa quantidade de gás que vem pelo pré-sal é enorme”, afirmou.

No médio prazo, a Engie estuda trazer ao Brasil a estocagem de gás, bem como em produção de biogás. “Estudamos um projeto de biogás no Rio Grande do Sul, fizemos uma proposta para a Sulgás e está começando agora”, disse Bahr. “São tendências e a gente está olhando mercado com muito carinho.”

Para Isabelle, o gás natural vai ter um papel mais importante no Brasil, à medida que aumente a geração intermitente da energia eólica e da solar. “O governo tomou decisões claras em relação ao mercado de gás o que, para o investidor, é um cenário promissor”, disse ela.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies