Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-05T08:35:42-03:00
Estadão Conteúdo
temporada de números

Os segredos nas entrelinhas dos balanços

Professora da Fundação Dom Cabral, Virginia de Oliveira fala sobre números para se prestar a atenção nos balanços financeiros das empresas

5 de agosto de 2019
8:35
Balanço/ análise/ relatórios
Imagem: Shutterstock

Entrevista: Virginia de Oliveira, professora da Fundação Dom Cabral

Em que o investidor deve prestar mais atenção nesse período?
As pessoas em geral olham a receita e o lucro, mas é preciso saber de onde veio essa receita. Se é operacional ou se veio da venda de algum ativo da empresa. Quando é venda de ativos, não é recorrente, não tem sustentação para o futuro. O investidor também precisa comparar como a empresa estava antes e como está agora. Ela pode ter lucro e não ser capaz de pagar o capital empregado no negócio.

Como isso pode acontecer?

Para funcionar, a empresa assume dívidas com acionistas, bancos e outras instituições. Nem sempre o lucro é suficiente para remunerar esse capital e o investidor precisa ver qual é a estratégia do futuro. A dívida é boa até certo ponto, mas não acima do que o mercado assimila.

O que é uma dívida acima do que o mercado assimila?

Com mais de 70% de dívida em relação à receita, o mercado já olha a empresa mais receoso. Talvez a empresa esteja habituada àquele nível de endividamento. De qualquer modo, é preciso avaliar se o endividamento cresceu rapidamente.

Como selecionar as empresas para fazer esse acompanhamento mais detalhado?
É importante olhar o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). Às vezes o Ebitda é alto e o lucro é baixo porque a parte financeira não está bem ajustada. Mas isso o gestor pode melhorar, analisar a parte tributária, trocar financiamentos. A operação (comprar, vender, pagar) é o que gira o negócio. Uma boa saída é comparar esses números com o mesmo trimestre de anos anteriores.

Que setores a sra. Destaca?

Setores como o de equipamentos das empresas dependem muito do aquecimento da economia. Enquanto não tiver essa expectativa fica patinando. Os ligados ao consumo conseguem ajustar mais a oferta, têm mais controle para estocar, comprar menos e trabalhar prazo de pagamento. Setores que conseguem decisões de curto prazo com mais efeito são sempre bons.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fechamento Hoje

Ibovespa novamente contraria exterior, sobe mais de 1% e fecha acima dos 108 mil pontos; dólar cai abaixo de R$ 5,50

Mesmo com dia negativo em Nova York, Ibovespa é impulsionado pelas commodities; varejistas e techs se recuperam com alívio nos juros futuros

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de Bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

RADIOCASH

Investidor superestima a China no curto prazo e subestima no longo prazo, diz Rodrigo Zeidan, professor da New York University Shangai

Em bate-papo com Jojo Washman, sócio-fundador da Vitreo, e com a jornalista Roberta Scrivano, ele também classifica a China como capitalista e fala do poder das fintechs no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies