Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-03T10:42:49-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho na China

“O aplicativo de tudo” que está mudando a China e que é a fonte de inspiração da Rappi

Apesar de ser pouco conhecida no Brasil, a companhia terminou o ano passado com mais de 6 milhões de comerciantes ativos e mais de 400 milhões de usuários na plataforma

3 de agosto de 2019
6:00 - atualizado às 10:42
shutterstock_1064634848
Imagem: shutterstock

Se tivesse que enumerar um dos meus desenhos preferidos quando era menor, com certeza, "Os Jetsons" estariam na lista. Mas se a Bruna do passado tivesse me perguntado se um dia seríamos capazes de ter a famosa robô Rosie, além das incríveis videochamadas e dos relógios inteligentes do desenho, eu provavelmente não acreditaria.

Agora imagina só ter um único aplicativo capaz de oferecer mais de 200 tipos de serviços, como o aluguel de bikes e carros, aquisição de ingressos de cinema, reserva de viagens e de hotéis, assim como a administração das vendas e do estoque do seu restaurante. Pois bem, ele existe e eu estou falando do app da gigante chinesa Meituan Dianping.

Apesar de ser pouco conhecida aqui no Brasil, a plataforma tecnológica é líder na China e atende mais de 2800 cidades ao redor de todo o país. Apenas para se ter uma ideia, em 2018, a média diária de pedidos de entrega de comida foi de 17,5 milhões.

Por ser uma das maiores fontes de inspiração para fazer com que a brasileira Rappi cresça ainda mais na América Latina, fui atrás do modelo de negócios da Meituan para entender melhor o que há por trás do seu sucesso.

Entendendo como ela funciona

Com sede em Pequim, a Meituan, que se assemelhava à plataforma de desconto norte-americana, foi fundada em 2010. Cinco depois, a companhia se fundiu com sua principal rival, a Dianping, que funcionava de forma semelhante à empresa de avaliação on-line Yelp.

Desde então, a companhia - que surgiu da fusão de duas gigantes - vem fazendo barulho com os quase 6 milhões de comerciantes ativos e mais de 400 milhões de usuários na plataforma.

Apenas para ter uma ideia, em 2018, o montante arrecado com o total de transações feitos pela companhia foi de 515,6 bilhões de renminbi (RMB), o que seria equivalente a aproximadamente R$ 288,79 bilhões, levando em conta a cotação da última sexta-feira (2).

De tudo um pouco

Quem entra no aplicativo, leva um susto de primeira. Isso porque o app está em chinês e mudar o idioma não é tarefa fácil, digo por experiência própria. Nem mesmo o site da empresa é tão intuitivo e oferece muitas respostas.

Apesar de parecer uma empresa muito complexa, talvez a melhor definição para explicar o seu funcionamento é que ela seria um mix entre companhias como Groupon, Rappi, Amazon e Yelp!.

Em outras palavras, ela é uma plataforma em que é possível encontrar diferentes lojas anunciando praticamente de tudo. E quando eu falo tudo, quero dizer desde de cursos on-line até mesmo serviços de casamento, salão, renovação da sua casa, entre outras coisas.

Essa é justamente a estratégia da companhia, como explicou Xia Huaxia, cientista-chefe da Meituan Dianping, à revista Fast Company, em fevereiro deste ano, ao ser eleita a empresa mais inovadora do mundo.

Na ocasião, ele ressaltou que "a nossa estratégia ao integrar os diferentes negócios é atrair o maior volume de usuários possível aos serviços de maior frequência e depois impulsionar alguns serviços de pequena ou média frequência como cortes de cabelo e serviços de casamento".

O tesouro da Meituan

E o segredo para ser esse superaplicativo capaz de fornecer tudo de forma rápida e inteligente tem dois nomes: Super Brain (super cérebro, na tradução para o português).

Ele funciona como um serviço de inteligência em tempo real capaz de calcular 2,9 bilhões de planos de rota a cada hora e que consegue otimizar o cálculo dos melhores caminhos em uma média de 0,00055 segundos. O que faz com que a média de entregas no aplicativo consiga ser reduzida em 30% e com isso, os entregadores conseguem completar cerca de 30 ordens por dia.

Mas não é só isso. O superaplicativo chinês não está focado apenas nos clientes. Entre os serviços oferecidos pela companhia estão opções voltadas para comerciantes. Por exemplo, por lá, o dono de um estabelecimento comercial consegue controlar o seu estoque, fazer um inventário da loja e ainda receber uma ajuda na hora de administrar o negócio e de fazer iniciativas de marketing.

Com isso, a empresa oferece soluções voltadas para o consumidor no modelo conhecido como B2C (business to consumer) como em um modelo estilo B2B (business to business).

Outro ponto interessante e que a companhia pode explorar é a sua capacidade de oferecer dados sobre hábitos de compra on-line, comportamentos e preferências de consumo. Ou seja, se fizer isso de fato, ela poderá começar a ganhar com propagandas, além das comissões de vendas feitas pela plataforma.

Olha o IPO

De olho na expansão e na possibilidade de testar a disposição dos investidores em comprar os papéis da companhia, a Meituan Dianping abriu capital em setembro do ano passado na bolsa de valores de Hong Kong.

Na ocasião, a empresa arrecadou US$ 4,2 bilhões em uma das maiores ofertas iniciais de ações do segmento de internet do mundo.

A empresa conseguiu uma precificação perto do topo da faixa indicativa ao fazer o IPO (sigla para oferta inicial de ações em inglês).

A ideia da abertura de capital era para ajudar a empresa a se posicionar no mercado e bater de frente com a sua principal concorrente, Ele.me, que tem apoio do Alibaba.

Na última sexta-feira (2), as ações da companhia terminaram o pregão cotadas em 63,90 HKD (por volta de R$ 31,73), uma queda de 3,84%.

No vermelho

Mas apesar da grande variedade de serviços ter atraído usuários e investidores para a bolsa, a empresa não saiu do vermelho.

Segundo dados do último balanço da companhia divulgados em março deste ano, a Meituan Dianping terminou o período com um prejuízo líquido de 1,43 bilhões renminbi (RMB), o que seria equivalente a R$ 800 milhões. Ainda que seja negativo, o valor é menor do que o montante apresentado no ano anterior que foi de 21,06 bilhões renminbi (RMB).

A receita, por sua vez, também deu uma boa melhorada com um aumento de 70,1% e alcançou a cifra de 19,17 bilhões renminbi (RMB), equivalente a R$ 10,74 bilhões.

Ainda que tenha melhorado alguns aspectos, como o aumento na base de usuários, o balanço da companhia trouxe um ponto interessante. Por conta do crescimento no volume de pedidos, a empresa também gastou mais com questões trabalhistas.

Durante o período, os custos operacionais da Meituan Dianping expandiram cerca de 75% e fecharam o primeiro trimestre deste ano em 14,10 bilhões renminbi (RMB), ou seja, R$ 7,90 bilhões.

Fonte de inspiração

Ainda que não sejam capazes de dar lucro por agora, isso não parece importar muito, pelo menos não para a Rappi.

A pergunta que fica é: até quando os acionistas estarão dispostos a esperar para que a empresa se torne rentável?

Sempre de olho nas tendências que a Meituan Dianping vem trazendo em termos de serviços, a Rappi vem se inspirando na chinesa para se tornar uma gigante na América Latina.

Um exemplo disso está no oferecimento de opções como compra de passagens aéreas, reserva em hotéis e restaurantes, e até mesmo o oferecimento de cursos on-line.

Nesse quesito, a ideia da Rappi se assemelha muito com a estratégia da Meituan Dianping em atrair o maior volume de usuários possível com os seus serviços de maior frequência, sem se esquecer de impulsionar também alguns serviços de pequena ou média frequência.

Mesmo sem possuir o chamado Super Brain, capaz de oferecer rotas em questão de milissegundos, a startup colombiana parece estar fazendo um bom trabalho. E pelo visto se continuar assim poderá tentar obter a coroa na América Latina, assim como faz a Meituan na China.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

RIQUEZA DIGITAL

Dancinha milionária: estrelas do TikTok já ganham mais do que grandes executivos nos Estados Unidos; veja quanto elas faturam

Os milhões de seguidores de alguns tiktokers são irresistíveis para as marcas, que acabam gastando muito dinheiro não só em anúncios como em suas linhas de produtos

DA REALIDADE PARA O NOVO DIGITAL

Walmart no metaverso: gigante do varejo dos EUA vai fabricar e vender no mundo virtual; entenda

Para ter um pé nesse universo, Nike e marcas de vestuário como Urban Outfitters, Ralph Lauren e Abercrombie & Fitch também entram com pedidos de marca registrada

PEGA LADRÃO!

Fechada na economia e aberta ao cibercrime: Coreia do Norte desvia milhões de dólares com ataques a plataformas de criptomoedas em 2021

Norte-coreano Lazarus ganhou notoriedade com invasões cibernéticas à Sony Pictures e à WannaCry. Grupo já foi sancionado pelos Estados Unidos e pela ONU

EFEITOS DO CLIMA

Usiminas (USIM5) retoma gradualmente atividades de mineração afetadas por chuvas em Minas Gerais

Segundo o grupo, os problemas ainda afetam empresas responsáveis pela cadeia de escoamento de minério

Conteúdo Empiricus

Dos R$2 mil aos R$100 mil em 12 meses com esta criptomoeda? Criptoativo criado por sócio de Steve Jobs faz parte do segmento que pode decolar e deixar o Bitcoin no chinelo após evento do dia 24 de janeiro

Ele fundou a Apple junto de Steve Jobs e agora criou uma nova criptomoeda que custa centavos e pertence ao ecossistema que pode saltar 5.000% em 2022 e enriquecer os seus investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies