Menu
2019-10-27T18:08:14-03:00
Estadão Conteúdo
Processo em espera

Embraer diz que joint venture com Boeing permitirá trabalhar oportunidades

Vice-presidente para América Latina e Caribe da empresa afirmou que o negócio com a norte-americana Boeing continua de pé

27 de outubro de 2019
18:08
Embraer
Imagem: Wikpedia

O vice-presidente para América Latina e Caribe da Embraer, Reinaldo Krugner, afirmou neste domingo que o processo de formação da joint venture com a norte-americana Boeing continua, com as empresas buscando aprovação das autoridades do setor.

"Nós estamos trabalhando de maneira separada - por força de lei, inclusive - e estamos absolutamente respeitando este processo", afirmou Krugner, durante evento em Brasília neste domingo, dia 27. "Estamos aguardando. No início do ano (de 2020), em algum momento, será aprovada esta joint venture", acrescentou. De acordo com Krugner, a partir da aprovação será possível começar a trabalhar "oportunidades conjuntas".

O acordo entre as duas companhias, anunciado em julho de 2018, prevê a criação de uma joint venture que englobará o braço de aviação comercial da Embraer. A Boeing deterá 80% da nova empresa, denominada Boeing Brasil Commercial, enquanto a Embraer terá os 20% restantes. As companhias também trabalham em uma segunda joint venture, com participação de 51% da Embraer, destinada a promover e desenvolver mercados para o avião militar KC-390.

A conclusão do acordo, no entanto, ainda dependerá do cumprimento de uma série de etapas. No início de outubro, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) foi notificado pela Embraer e pela Boeing sobre o ato de concentração pelo qual as empresas pretendem fechar a parceria estratégica nos setores de aeronaves comerciais e militares. Com a notificação, o Cade começou a analisar a operação.

Já a União Europeia abriu, também neste mês de outubro, uma investigação para avaliar o acordo da Embraer com a Boeing. A Comissão disse estar preocupada com a possibilidade de a transação reduzir a competição no mercado de aeronaves comerciais.

Durante o evento deste domingo, Reinaldo Krugner também destacou o potencial das aeronaves da nova família E2 da Embraer. O E2 já tem como clientes oito companhias aéreas: Air Astana (Casaquistão), Air Kiribati (Kiribati), Fuzhou (China), Binter (Espanha), Helvetic (Suíça), Air Peace (Nigéria), Wideroe (Noruega) e Azul (Brasil). De acordo com Krugner, a fabricante de aeronaves também negocia com outras companhias.

Krugner participou neste domingo de um evento da Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (ALTA), o "16º ALTA Airline Leaders Forum", em Brasília. O evento vai até 29 de outubro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies