Menu
2019-11-27T11:55:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Câmbio

BC tem que prover liquidez quando há ‘mau funcionamento’ no mercado, diz diretor

Bruno Serra reforça mensagem de que BC atuará no dólar sempre que entender que o mercado está disfuncional, descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez

27 de novembro de 2019
11:55
Bruno Serra Fernandes – diretor de Política Monetária do BC – CAE 260219
Bruno Serra Fernandes, diretor de Política Monetária do BC - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Bruno Serra Fernandes, reforçou a mensagem dada ontem pelo presidente da instituição, Roberto Campos Neto, de que vai atuar no dólar sempre que entender que o mercado ficar disfuncional, descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez.

"É o nosso dever. O BC entende que fez isso em agosto, fez isso com os dois leilões de ontem, foi uma dinâmica parecida, no pior novembro em muitos anos, com o mercado especulando em cima de highlights, declarações, sem fundamento. Então, o BC achou bem por bem intervir, olhando o mau funcionamento, não o nível de câmbio", explicou a participantes de seminário na Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento e Mercado de Capitais (Apimec) em São Paulo.

Na terça-feira, o dólar teve um pregão de forte volatilidade, parte dela atribuída às declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o dólar alto não gerava preocupação. Depois de fazer máxima a R$ 4,2772, o dólar comercial terminou o dia com alta de 0,61%, a R$ 4,24, nova máxima histórica nominal, mesmo após duas vendas no mercado à vista. Nesta quarta-feira, o dólar começou o dia em baixa, mas os compradores voltaram a aparecer, puxando a moeda para a linha dos R$ 4,26 – veja nossa cobertura de mercados.

Ainda de acordo com Fernandes, o objetivo do BC com as operações de troca de swaps por dólar à vista não é zerar a carteira de swaps, mas sim prover liquidez naquilo que for mais adequado pelo mercado naquele momento. “Faremos isso até o ponto em que o mercado der sinais de que não precisa mais”, disse o diretor.

Desde o fim de agosto o BC vem trocando swaps cambiais, que equivalem à venda de dólar no mercado futuro, por dólares à vista, buscando adequar o instrumento de intervenção à demanda, que tem sido mais forte no mercado à vista.

Princípios

Em evento na noite de ontem, Campos Neto também aproveitou para reforçar o princípio da separação, que norteia a atuação do BC. Política monetária é feita com a taxa Selic. O câmbio é flutuante e as intervenções são feitas no sentido de atenuar movimentos que estão fora do padrão normal ou que existe gap de liquidez. E que a política macroprudencial é voltada para a estabilidade financeira.

Campos Neto também explicou, novamente, o princípio que norteia as intervenções cambiais. As atuações do BC não buscam mudar a tendência do mercado ou defender uma linha de preço, mas sim suavizar eventuais movimentos de estresse do mercado. Tal estratégia é conhecida como “leaning against the wind” ou “inclinar-se contra o vento” em tradução literal.

“É importante entender que acreditamos no princípio da separação e entendemos que as intervenções não fazem com que o movimento de longo prazo seja revertido. A intervenção não tem capacidade de fazer com o que o câmbio mude uma tendência natural que é feita por variáveis macroeconômica. Mas sim atenua movimentos”, disse Campos Neto.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Recuou!

Captação da poupança cai pela 1ª vez desde janeiro

Apesar do recuo, a poupança acumula entrada líquida de R$ 145,71 bilhões de janeiro a novembro – melhor desempenho para o período

Retrospectiva da semana

Coquetel anticrise: vacina e dinheiro na veia

Na onda das boas notícias, Ibovespa fechou a sexta-feira, 4, perto das máximas

Pandemia

Covid-19: Bolsonaro diz que governo não terá como socorrer os necessitados se ‘fechar tudo de novo’

Presidente avalia que o país não tem mais condições de se endividar

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

em brasília

Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos

Vice-presidente afirmou nesta sexta-feira que existe “certa incompreensão” no seu relacionamento com o chefe do Executivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies