2019-01-30T19:09:26-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Banco Central anuncia rolagem de swaps cambiais que vencem em março

Vencimento no montante de US$ 9,811 bilhões será rolado para os meses de maio, agosto e dezembro

30 de janeiro de 2019
19:09
Imagem: Shutterstock

O Banco Central (BC) anunciou a rolagem dos contratos de swap cambial que vencerão em março. Os leilões têm início na sexta-feira, dia 1º de fevereiro, e mantido o ritmo de 10.330 contratos por dia útil, todo o lote de US$ 9,811 bilhões será rolado.

O swap é um derivativo que relaciona a variação cambial com a taxa de juros em determinado período de tempo. Ele é engenhoso pois é capaz de prover proteção cambial aos agentes de mercado com toda sua liquidação acontecendo em reais. Não se gasta um centavo das reservas internacionais, que servem de “lastro” para a operação.

Quando o BC promove a rolagem integral dos contratos de swaps ele se mantém “neutro” no mercado, sem alterar o atual estoque total de US$ 68,8 bilhões. Se a opção fosse por não realizar a rolagem ou mesmo pela rolagem parcial, o efeito líquido no mercado seria de compra de dólares no mercado futuro.

Atuação no mercado à vista

Nesta quarta-feira o Banco Central deu início à rolagem dos leilões de linha com compromisso de recompra que venceriam no dia 4 de fevereiro. Hoje, US$ 3,2 bilhões foram rolados para os meses de abril e junho. Amanhã, quinta-feira, o BC faz nova operação de US$ 3 bilhões.

Nessa modalidade de atuação, o BC oferta uma espécie de financiamento ao mercado, “emprestando” os dólares das reservas internacionais que posteriormente serão devolvidos à autoridade monetária.

Esses dólares foram “emprestados” no fim do ano passado, quando a demanda por moeda subiu em função da demanda de empresas e outros agentes para fechamento de balanços e posterior remessa para fora do país.

Em março, outros US$ 6,05 bilhões em linhas vão vencer. Portanto, no fim de fevereiro o BC deve comunicar ao mercado se fará rolagem ou não desse vencimento. Ao todo, as linhas ofertadas entre novembro e dezembro do ano passado somaram US$ 12,25 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas