Menu
2019-08-30T12:05:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
alívio

Gasto com juro da dívida é o menor desde 2014

Redução no pagamento de juro acontece mesmo com dívida beirando 80% do PIB. Selic e inflação explicam

30 de agosto de 2019
11:49 - atualizado às 12:05
nota de dinheiro de 100 reais na mesa
Imagem: shutterstock

Ontem, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, chamou atenção para a expressiva redução nos gastos do governo com o pagamento de juros, mesmo com uma dívida que não para de crescer. Hoje, os dados do Banco Central (BC) ajudam a ilustrar essa história.

Vamos olhar os dados em 12 meses, que reduzem oscilações pontuais. Considerando o período encerrado em julho, o pagamento de juros equivale a 5,12% do Produto Interno Bruto (PIB), ou R$ 360 bilhões. Menor gasto desde novembro de 2014, quando o pagamento foi de 5% do produto.

Agora vamos aos números da dívida bruta. Em julho deste ano, a dívida foi equivalente a 79% do PIB, ou R$ 5,54 trilhões, contra 56% em novembro de 2014. O endividamento bruto não é ainda maior em função das devoluções dos empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os pagamentos feitos até maio de 2019 somam R$ 339 bilhões.

O que explica um pagamento de juro semelhante para um estoque de dívida que subiu em impressionantes 23 pontos do PIB ou R$ 2,4 trilhões é o comportamento da inflação e da taxa de juros no período. Esses são os principais indexadores da dívida. Temos inflação abaixo de 4% e juro na mínima histórica de 6%.

Vale a pena dar uma olhada nos números entre novembro de 2014 e julho de 2019. Chegamos a gastar 9% do PIB com juros, algo como R$ 540 bilhões, patamar de gastos visto apenas em países em guerra ou com graves problemas estruturais. Naquele período vínhamos de uma inflação de dois dígitos e Selic de 14,25%. Também tivemos um gasto elevado com swaps, que foi revertido nos anos posteriores.

Para dar uma ideia, vejamos a sensibilidade da dívida bruta à inflação e Selic, atualizadas hoje pelo BC. A cada variação de 1 ponto percentual da Selic, mantida por 12 meses, o impacto é de 0,43 ponto do PIB, ou R$ 30,4 bilhões. Já cada variação de 1 ponto percentual dos índices de preços, mantidos por 12 meses, tem impacto de 0,14 ponto do PIB, ou R$ 10,1 bilhões.

Taxas implícitas

Outra forma de olhar para esse custo de carregar uma montanha crescente de dívida é acompanhar as taxas de juros implícitas da dívida bruta e da dívida líquida. A taxa implícita é um agregado dos diferentes ativos e passivos que incidem sobre o estoque do que devemos na praça.

A taxa implícita da dívida bruta fechou julho em 7,9%, menor da série histórica disponibilizada pelo BC, que começa em 2007. Esse custo chegou a 13,6% em meados de 2016.

Já a taxa implícita da dívida líquida (que desconta as reservas internacionais) fechou julho em 10,2%, também menor leitura da série iniciada em 2002. Para dar uma dimensão do alívio dos últimos anos, em janeiro de 2016, essa taxa estava em 32%.

Sem superávit, sem grau de investimento

Basicamente, a dívida cresce pois não conseguimos fazer superávit primário, que são as receitas menos as despesas, sem considerar a conta de juros. Vamos fechar o sexto ano consecutivo com um buraco nas contas e as projeções do Tesouro são de que isso vai continuar acontecendo até 2022.

Não por acaso, as projeções também são de elevação da relação dívida bruta sobre o PIB para cima dos 80% até 2022, isso já considerando o impacto da reforma da Previdência.

Embora as condições financeiras e indicadores de risco sugiram que o Brasil “tem preço” de um país com grau de investimento é essa trajetória do endividamento público que pode impedir o país de retomar o selo de bom pagador perdido em 2015

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Rede 5G

“Estamos sendo usados na disputa entre superpotências”, diz diretor da Huawei

Segundo ele, muitos países podem reavaliar seu posicionamento em razão da mudança no governo dos Estados Unidos, com a vitória do democrata Joe Biden.

recuperação judicial

Oi: Piemonte vence leilão de data centers com proposta de R$ 325 milhões

Representada pelo fundo Titan Venture Capital, a empresa foi a única proponente no certame envolvendo o ativo da tele em recuperação judicial

volta da atividade

Para Guedes, Brasil pode terminar ano com perda zero de emprego com carteira

Ministro não deu projeções para os próximos meses para explicar a estimativa de saldo zero. Historicamente, dezembro registra fechamento de vagas

retomada

Azul volta a operar no Galeão em janeiro e lança três voos no Rio

Somadas, as operações nos três aeroportos fluminenses resultarão em uma oferta semanal de 32 voos

Revolucionário

Elon Musk afirma que seu caminhão Tesla pode andar 1.000 km por carga

Na conferência, Musk afirmou: “Achamos que isso será extremamente competitivo e atraente para as empresas de transporte rodoviário”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies