Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-15T15:42:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
320% do PIB

Dívida global sobe a US$ 246 trilhões e endividamento de emergentes bate recorde

Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra que quanto menor o juro, maior o endividamento mundial, que está para bater o recorde visto no começo de 2018

15 de julho de 2019
15:42
Ratoeira da dívida
Imagem: Shutterstock

Impulsionado pela queda nas taxas de juros, a dívida global subiu em US$ 3 trilhões no primeiro trimestre do ano, atingindo US$ 246 trilhões, ou 320% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Tal montante está apenas US$ 2 trilhões abaixo da máxima histórica registrada no primeiro trimestre de 2018.

Os dados são do Instituto Internacional de Finanças (IIF), que também captaram elevação no endividamento das economias emergentes para a linha recorde de US$ 69 trilhões, ou 216 do Produto Interno Bruto (PIB).

dívida global

O cenário sugere que o endividamento continuará aumentando, já que as condições financeiras são favoráveis a isso em âmbito mundial. Por outro lado, cresce a preocupação sobre como carregar essa montanha de dívida. No lado corporativo, menores perspectivas de crescimento elevam o risco para as empresas muito alavancadas.

Para as economias emergentes, a preocupação é com as dívidas de curto prazo e o efeito que flutuações no apetite ao risco pode ter sobre os cerca de US$ 3 trilhões em títulos que vão vencer até o fim de 2020.

Estados Unidos

A dívida total dos EUA subiu em US$ 2,9 trilhões desde o primeiro trimestre de 2018, atingindo novo recorde a US$ 69 trilhões. Sem surpresa, diz o IIF, a dívida do governo, de 101% do PIB foi o principal driver desse movimento.

Para o IIF, mesmo com os juros caindo o custo de carregamento não terá grande alívio. A simulação de um corte de 1 ponto percentual no custo do endividamento mostra queda de US$ 20 bilhões a US$ 25 bilhões sobre um gasto anualizado de mais de US$ 830 bilhões com encargos da dívida.

No setor corporativo, a avaliação do IIF é de “luz amarela”, já que a dívida das empresas não financeiras subiu a 75% do PIB. Segundo o IIF, embora a redução no custo do dinheiro dê um alívio às empresas endividadas, esse quadro não teve ter grande impacto sobre a confiança empresarial, em função das preocupações com a guerra comercial e menor crescimento econômico.

China

Na China, diz o IIF, com a dívida total (governo, empresas e famílias) se aproximando de 310% do PIB, ou algo como US$ 40 trilhões, a desalavancagem continua sendo uma preocupação do governo. Neste começo de ano, apesar da redução n endividamento das empresas, a tomada de dívida por outros segmentos seguiu firme, sugerindo maior atuação de governo regionais e bancos no mercado.

Brasil

Quando saiu o relatório fechado sobre o endividamento em 2018, centramos atenção na dívida pública brasileira em comparação com outros pares e o cenário continua o mesmo.

A dívida pública do Brasil, na métrica da IIF, é de 87,6% no primeiro trimestre, contra 84,6% no primeiro trimestre do ano passado. Dívidas maiores apenas com Singapura (112,6%), Egito 915) e Líbano (152,7%). A média dos emergentes é de 50,5% do PIB.

Ainda sobre o Brasil, o IIF mostra que a dívida das famílias equivale a 27,8% do PIB, contra a média emergente de 38,8%. Já a dívida das empresas é pequena se comparada aos pares, totalizando 41,6% do PIB, contra 92,6% do PIB dos emergentes. Já a dívida do setor financeiro se mostra um pouco acima dos demais, ficando em 38,5% do PIB, ante 34,5% da média.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

o melhor do seu dinheiro

Economia mundial: Um drama em dois atos

Os dois principais palcos da economia mundial estão com peças bem distintas em cartaz, mas ambas têm roteiros carregados de dramas que convergem um ao outro. Na maior economia do mundo, o mercado de juros volta a ficar pressionado após alguns meses de quase estabilidade. As últimas indicações do Federal Reserve sobre o rumo da […]

ficou para depois

Com maior aversão ao risco, Bluefit confirma adiamento de IPO

Adiamento é valido por um período de até 60 dias úteis contados a partir de 24 de setembro; empresa citou “condições de volatilidade no mercado de capitais”

estatal do RS

Privatização da Corsan, com IPO na B3, terá assessoria do BNDES

Primeiro serviço prestado pelo banco deve ser o de fornecer metodologia para seleção das instituições financeiras que coordenarão a abertura de capital

diversificação

Westwing compra Zarpo Viagens, ampliando lifestyle

Empresa adquirida trabalha em parceria com hotéis, resorts, pousadas e companhias aéreas; valor da operação não foi revelado

FECHAMENTO DO DIA

China e Estados Unidos aumentam cautela dos mercados globais e Ibovespa amarga queda de 3%; dólar avança

Apesar deva Petrobras ter mais uma vez protagonizado atritos no cenário local, os maiores focos de cautela vieram do exterior, e o Ibovespa acompanhou o ritmo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies