Menu
2019-12-02T19:29:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Crédito Privado

Índices de debêntures têm queda inédita em novembro

Segundo Anbima, queda reflete movimentação no mercado secundário. Índice ligado às debêntures incentivadas caiu 2,07% e índice ligado ao DI teve primeira queda da história

2 de dezembro de 2019
19:27 - atualizado às 19:29
Seta para baixo
Imagem: Shutterstock

O mercado de crédito privado, notadamente as debêntures, tem deixado alguns investidores bastante preocupados em função de cotas negativas e elevados resgates. Sabemos que o mercado passa por um grande ajuste técnico, depois de uma disparada nas captações e consequente queda nos prêmios de risco, mas agora a Anbima nos dá uma dimensão dessa movimentação.

Pela primeira vez na história, o Índice de Debêntures Anbima – DI, que representa as debêntures remuneradas pela taxa DI, teve variação negativa de 0,07%, em novembro. O indicador é calculado desde 2009. Segundo a Anbima, a queda foi decorrente de ajustes de preços no mercado secundário.

Outros indicadores desse mercado também tiveram desempenho negativo: o mais significativo foi o IDA-IPCA Infraestrutura, formado por debêntures incentivadas, com recuo de 2,07%. Na sequência, está o IDA-IPCA, que representa as debêntures atreladas ao IPCA, com queda de 1,58%. Já o IDA-Geral, que espelha o comportamento de todas as debêntures, caiu 0,65%.

Ajuste

Já tratamos desse assunto nesse texto aqui, mas em resumo, esse mercado passa por um ajuste em função de questões técnicas. Não há problema de quebradeira generalizada de empresas que estão deixando de honrar suas dívidas – tivemos sim um evento com a Rodovias do Tiête.

Alguns fundos de crédito privado, notadamente os que aplicam em debêntures incentivadas, tem o apelo de isenção de Imposto de Renda e vinham atraindo enorme quantidade de investidores em função de retornos bem acima do CDI. Mais de 150 mil pessoas entraram para esses fundos em 12 meses terminados em setembro.

Esse acelerado crescimento levou o mercado a uma dinâmica de “bola de neve positiva”, com rentabilidade e baixa volatilidade chamando mais investidores para o produto. No entanto, chegou um ponto no qual a elevada demanda deprimiu tanto os prêmios de risco que a relação risco/retorno deixou de ser atrativa.

Junto disso, houve firme movimentação de venda de papéis no mercado secundário, com alguns investidores realizando lucros, o que levou fundos a fazer marcação a mercado de seus ativos, o que se refletiu nas cotas dos fundos.

Toda essa movimentação serve de alerta para o investidor para que ele conheça bem o produto no qual está investindo e os riscos associados ao mercado de crédito privado. Fica a recomendação de leitura de outros materiais da equipe do Seu Dinheiro sobre o assunto.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Recuperação da estatal

Lucro da Petrobras salta 55,7% em 2019 e chega a R$ 40,1 bilhões, impulsionado pela venda de ativos

A Petrobras fechou 2019 com o maior lucro líquido anual de sua história, sustentada pelos fortes desinvestimentos e ganhos de eficiência na extração de petróleo — fatores que compensaram os menores preços da commodity no exterior

De olho no balanço

Marfrig reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019

No acumulado do ano, o lucro líquido caiu para R$ 218 milhões, ante R$ 1,4 bilhão no ano anterior

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements