Menu
2019-12-02T19:29:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Crédito Privado

Índices de debêntures têm queda inédita em novembro

Segundo Anbima, queda reflete movimentação no mercado secundário. Índice ligado às debêntures incentivadas caiu 2,07% e índice ligado ao DI teve primeira queda da história

2 de dezembro de 2019
19:27 - atualizado às 19:29
Seta para baixo
Imagem: Shutterstock

O mercado de crédito privado, notadamente as debêntures, tem deixado alguns investidores bastante preocupados em função de cotas negativas e elevados resgates. Sabemos que o mercado passa por um grande ajuste técnico, depois de uma disparada nas captações e consequente queda nos prêmios de risco, mas agora a Anbima nos dá uma dimensão dessa movimentação.

Pela primeira vez na história, o Índice de Debêntures Anbima – DI, que representa as debêntures remuneradas pela taxa DI, teve variação negativa de 0,07%, em novembro. O indicador é calculado desde 2009. Segundo a Anbima, a queda foi decorrente de ajustes de preços no mercado secundário.

Outros indicadores desse mercado também tiveram desempenho negativo: o mais significativo foi o IDA-IPCA Infraestrutura, formado por debêntures incentivadas, com recuo de 2,07%. Na sequência, está o IDA-IPCA, que representa as debêntures atreladas ao IPCA, com queda de 1,58%. Já o IDA-Geral, que espelha o comportamento de todas as debêntures, caiu 0,65%.

Ajuste

Já tratamos desse assunto nesse texto aqui, mas em resumo, esse mercado passa por um ajuste em função de questões técnicas. Não há problema de quebradeira generalizada de empresas que estão deixando de honrar suas dívidas – tivemos sim um evento com a Rodovias do Tiête.

Alguns fundos de crédito privado, notadamente os que aplicam em debêntures incentivadas, tem o apelo de isenção de Imposto de Renda e vinham atraindo enorme quantidade de investidores em função de retornos bem acima do CDI. Mais de 150 mil pessoas entraram para esses fundos em 12 meses terminados em setembro.

Esse acelerado crescimento levou o mercado a uma dinâmica de “bola de neve positiva”, com rentabilidade e baixa volatilidade chamando mais investidores para o produto. No entanto, chegou um ponto no qual a elevada demanda deprimiu tanto os prêmios de risco que a relação risco/retorno deixou de ser atrativa.

Junto disso, houve firme movimentação de venda de papéis no mercado secundário, com alguns investidores realizando lucros, o que levou fundos a fazer marcação a mercado de seus ativos, o que se refletiu nas cotas dos fundos.

Toda essa movimentação serve de alerta para o investidor para que ele conheça bem o produto no qual está investindo e os riscos associados ao mercado de crédito privado. Fica a recomendação de leitura de outros materiais da equipe do Seu Dinheiro sobre o assunto.

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies