A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-05-05T13:00:47-03:00
Estadão Conteúdo
Setor amargo?

Uma empresa aérea quebra a cada dois anos no país

Casos de falência ou de recuperação judicial na aviação não são exclusividade do Brasil; neste ano, outras nove empresas aéreas endividadas deixaram de voar no mundo

5 de maio de 2019
13:00
Avião Avianca
Avião da Avianca: “É uma indústria muito difícil no mundo todo”Imagem: shutterstock

Um leilão marcado para ocorrer na terça-feira, em um edifício próximo à Avenida Paulista, em São Paulo, colocará fim a mais uma companhia aérea brasileira. A Avianca Brasil será a 11.ª empresa do setor a encerrar as operações desde 2001 no País, que tem taxa de mortalidade de uma empresa a cada dois anos.

Os casos de falência ou de recuperação judicial na aviação não são exclusividade do Brasil. Neste ano, outras nove empresas aéreas endividadas deixaram de voar no mundo, desde pequenas, como a sul-coreana AirPhilip, até companhias mais relevantes, como a Jet Airways, que chegou a ser uma das maiores da Índia.

Nos EUA, American Airlines, Delta e United já tiveram de recorrer ao Chapter 11, o equivalente à recuperação judicial brasileira, mas acabaram sobrevivendo.

Margens baixas, necessidade de injeções volumosas de capital, contratos de longo prazo com arrendadoras de aeronaves e vulnerabilidade ao preço do combustível - e ao dólar, no caso brasileiro - estão entre os fatores que explicam a elevada taxa de mortalidade.

“É uma indústria muito difícil no mundo todo”, diz Jerome Cadier, presidente da Latam no Brasil. “Temos incerteza de curto prazo em relação à demanda e necessidade de tomar decisões de longo prazo, como o tamanho da frota. São decisões caras e difíceis de tomar.”

Foram basicamente duas dessas decisões que tornaram a situação da Avianca insustentável nos últimos anos, segundo analistas. Uma delas foi a de não enxugar a frota em 2015 e 2016, período mais delicado da aviação brasileira desde os anos 2000.

Foram nesses anos que a crise econômica derrubou a demanda por transporte aéreo e os custos foram pressionados pela alta do dólar e do petróleo.

Nessa época, muitos apostaram que a Gol seria a primeira a sucumbir - dado seu nível de endividamento -, mas uma renegociação com credores, aliada a um plano de devolução de aeronaves, garantiu a virada do jogo.

Latam e Azul fizeram movimentos semelhantes em suas frotas e contaram ainda com novos recursos - a primeira vendeu uma participação para a Qatar e a segunda abriu capital. A Avianca, porém, não recuou no número de aeronaves, em uma tentativa de ganhar participação de mercado.

Outra decisão equivocada foi a entrada no mercado internacional, em 2017. Um voo para o exterior tem um custo médio dez vezes superior ao de um doméstico.

Se o avião não sai lotado, portanto, o prejuízo é grande. A operação internacional da Avianca queimou rapidamente o caixa da companhia, que já não tinha boa performance.

Os resultados da empresa nunca foram dos melhores devido, em parte, ao fato de ela voar principalmente em rotas disputadas por Latam e Gol.

A Gol foi a primeira companhia nacional a adotar um modelo de negócio de custo baixo, obrigando a Latam a ir por um caminho semelhante.

Com aviões novos, mais eficientes e alta utilização da frota (em média voando 12 horas por dia, quando a média nacional era de 7 horas), a Gol estreou no mercado com um custo 40% inferior ao da Varig e da então TAM (hoje Latam). A Varig quebrou ao resistir ao corte de custos. A TAM se salvou justamente por fazê-lo - eliminou, mais recentemente, até a tradicional balinha de boas-vindas.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

AUTOMÓVEIS

Tá difícil comprar carro? 10 dicas que podem ajudar a ter um zero-km (ou quase isso) na garagem

13 de agosto de 2022 - 9:55

Cenário macroeconômico não ajuda, mas há formas de aproveitar o momento e garantir um carro mais novo ou até mesmo zero

TEMPORADA DE BALANÇOS

Lucro líquido da Eletrobras (ELET3) chega a R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre, queda de 45%

13 de agosto de 2022 - 9:00

Segundo o balanço da Eletrobras (ELET3), resultado foi impactado negativamente pela provisão para perdas em investimentos no total de R$ 890 milhões

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

PAPO CRIPTO #025

Vai, Brasil! Mercado brasileiro de criptomoedas é o 11º maior do mundo — e diretor de associação aposta em tokenização; entenda

13 de agosto de 2022 - 7:30

Bernardo Srur, diretor da ABCripto, associação criada para fomentar os negócios em criptoeconomia no Brasil, é o convidado do Papo Cripto desta semana

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sobe, mas perde o protagonismo para o ethereum (ETH); entenda

12 de agosto de 2022 - 20:29

Além de aproveitar a inflação dos EUA mais branda, o que ajudou as criptomoedas em geral, o ETH se beneficiou dos progressos na direção do The Merge

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies