🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2019-03-07T15:48:45-03:00
Estadão Conteúdo
Dados da Iata

Tráfego aéreo de passageiros do mundo cresce 6,5% em janeiro, maior alta em 6 meses

Oferta de assentos também aumentou, fazendo com que a taxa de ocupação dos voos registrasse avanço de 0,1 ponto porcentual

7 de março de 2019
14:52 - atualizado às 15:48
Passagem de avião
Imagem: Shutterstock

A demanda aérea mundial (medida em número de passageiros por quilômetro voado, ou RPK) expandiu 6,5% em janeiro ante igual mês de 2018, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). Segundo informe mensal da associação, esse foi o maior crescimento em seis meses.

Em nota, o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac, destaca que "2019 começou positivo, com uma demanda saudável em linha com a tendência para os próximos 10 anos. No entanto, os sinais do mercado são mistos, com indícios de enfraquecimento na confiança dos negócios nas economias desenvolvidas e um quadro mais sutil nos países em desenvolvimento".

Ainda em janeiro, a oferta de assentos (assentos-quilômetros ofertados, ou ASK) aumentou 6,4% ante igual mês de 2018. Com isso, a taxa de ocupação dos voos registrou leve avanço de 0,1 ponto porcentual (p.p.), para 79,6%.

O tráfego de passageiros em rotas internacionais subiu 6% em janeiro, acelerando em relação ao acréscimo de 5,3% observado no comparativo anual de dezembro.

Na abertura por regiões, Europa e Ásia-Pacífico mostraram os maiores avanços no indicador (7,7% e 7,1%, nessa ordem), enquanto América Latina, África, América do Norte e Oriente Médio reportaram crescimentos de 5,8%, 5,1%, 4,7% e 1,5%, respectivamente, ante o informado um ano antes.

Já nos mercados domésticos, o fluxo aéreo subiu 7,3% no comparativo anual, ritmo mais rápido desde agosto e superior ao crescimento de 5,6% registrado em dezembro. No Brasil, a Iata calcula que no primeiro mês do ano a demanda cresceu 0,3% e a oferta aumentou 0,7% ante o mesmo mês do ano anterior.

Já no setor de cargas...

Os dados da Iata mostram uma realidade diferente. A demanda mundial por transporte aéreo de cargas, medida em toneladas-quilômetro (FTK, na sigla em inglês), caiu 1,8% em janeiro ante igual mês de 2018, marcando a pior performance dos últimos três anos.

Por outro lado, a oferta global por transporte aéreo de cargas, apurada em toneladas-quilômetro disponíveis (AFTK, na sigla em inglês), subiu 4,0% em relação a janeiro de 2018. Em nota, a Iata destaca que esse é o décimo primeiro mês consecutivo em que a expansão da capacidade é superior à demanda.

Segundo a associação, o transporte aéreo de cargas continua a enfrentar desafios consideráveis, com o enfraquecimento tanto da atividade econômica global como dos indicadores de confiança do consumidor.

"O mercado de transporte de carga contraiu em janeiro. Isso representa a piora de uma tendência de enfraquecimento que teve início em meados de 2018. A menos que haja uma redução nas medidas protecionistas e uma diminuição nas tensões comerciais os prospectos de uma rápida recuperação são pequenos", alerta em nota o diretor-geral e CEO Iata, Alexandre de Juniac.

Conforme a Iata, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) tem indicado uma retração nas exportações desde setembro de 2018.

América do Norte e África empurram demanda

Na abertura por regiões, apenas América do Norte (+3,3%) e África (+1,7%) apresentaram crescimento na demanda por transporte aéreo de carga em janeiro em relação a um ano antes. A oferta nas duas regiões também cresceu 5% e 8,2%, respectivamente.

Entre as regiões que apontaram retração no período o destaque foi o Oriente Médio, com queda de 4,5% na demanda, seguida por Ásia-Pacífico (-3,6%) e Europa (-3,1%). Já as ofertas nessas regiões aumentaram 4,1%, 4,1% e 2,8%, respectivamente, na mesma base de comparação.

Na América Latina, o indicador de demanda ficou estável no primeiro mês do ano, enquanto a capacidade caiu 0,7%, ambas em relação ao informado um ano antes. De acordo com a Iata, apesar das incertezas sobre a economia na região, alguns mercados-chave estão registrando desempenho forte. "O transporte de cargas dentro da América do Sul e entre as Américas Central e do Sul cresceu a uma taxa de dois dígitos em janeiro. E a demanda em rotas entre as Américas do Norte do Sul também tem evoluído bem", acrescenta a associação.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

OPERAÇÃO BILIONÁRIA

Por que a BR Properties (BRPR3) quer reduzir o capital em mais de R$ 1,1 bilhão e distribuir o dinheiro para os acionistas?

6 de julho de 2022

A empresa calcula que, sem novos investimentos relevantes no curto prazo após a venda de parte do portfólio para a Brookfield, seu capital social se tornará excessivo e optou restituir os investidores

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) ignora recado do Fed e opera em alta, nos US$ 20 mil; confira cotações

6 de julho de 2022

O Federal Reserve não foi tão claro sobre uma possível recessão norte-americana, mas seus membros evidenciaram que a atual política monetária agressiva vai provocar a desaceleração dos EUA; entenda por que isso mexe com o BTC

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ata do Fed sem surpresas, retorno de 6% + IPCA e mais uma falência no universo cripto; confira os destaques do dia

6 de julho de 2022

A ata do Federal Reserve, divulgada nesta tarde (06), confirmou todas as desconfianças do mercado. Os juros americanos vão continuar subindo de forma acelerada na próxima reunião, as expectativas de inflação no longo prazo seguem crescendo e não há como descartar que a reação da economia ao aperto monetário será uma desaceleração.  A resposta das […]

FECHAMENTO DO DIA

Sem novidades, ata do Fed impulsiona Ibovespa; dólar tem mais um dia de alta e vai a R$ 5,42

6 de julho de 2022

Apesar de a ata mostrar que a situação segue complicada, não houve nenhuma mudança no posicionamento do Federal Reserve

Ranking

Carteira recomendada de ações do Itaú foi a única, entre as maiores corretoras do país, a fechar o semestre com desempenho positivo

6 de julho de 2022

Levantamento da Grana Capital mostra carteira recomendada do Itaú com o melhor desempenho no ano, com alta de mais de 5%, enquanto o Ibovespa recua 6%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies