Menu
2019-01-29T19:26:00-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Débito ou crédito?

‘Voltamos, e voltamos forte para o jogo’, afirma presidente da Cielo

O recado de Paulo Caffarelli, novo presidente da empresa de maquininhas de cartão, não podia ser mais claro: entre manter as margens de lucro e a liderança no mercado que enfrenta uma forte competição, a Cielo optou pela segunda

29 de janeiro de 2019
10:02 - atualizado às 19:26
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo
Paulo Caffarelli, novo presidente da Cielo - Imagem: Beto Barata/PR

Quem chega atrasado a uma entrevista coletiva com Paulo Caffarelli corre o risco de perder a notícia. O novo presidente da Cielo se tornou conhecido por ir direto ao ponto, e não foi diferente em sua primeira fala aos jornalistas desde que assumiu o comando da empresa de maquininhas, em novembro passado.

“Nós voltamos, e voltamos forte para o jogo. Não há empresa melhor preparada para o combate do que a Cielo”, ele disse aos jornalistas na manhã de hoje.

O recado não podia ser mais claro. Entre manter as margens de lucro e a liderança no mercado que enfrenta uma forte competição, a Cielo optou pela segunda.

"Temos que fazer escolha entre margem e market share, e optamos estrategicamente pelo market share", afirmou o presidente da Cielo, que possui aproximadamente 45% do mercado de maquininhas de cartão.

Entre as medidas adotadas para “voltar ao jogo”, a Cielo promoveu reduziu os preços cobrados dos lojistas. Uma das fontes de receita das empresas de maquininhas de cartão vem de um percentual cobrado sobre cada compra realizada nos cartões de débito e crédito.

A companhia também contratou 1.000 novos vendedores, chamados de “hunters”. Eles têm como meta obter 2 mil novos credenciamentos por dia. “Nosso desempenho já é 2,5 vezes maior do que antes das contratações”, disse Caffarelli.

A primeira reação do mercado à escolha da Cielo não foi boa. As ações da empresa abriram o dia em queda de 3,40%, mas foram melhorando ao longo do dia e fecharam em forte alta de 4,87%. Ou seja, o mercado aparentemente decidiu dar pelo menos o benefício da dúvida à gestão Caffarelli.

Lucro menor em 2019

Essa estratégia de mais gastos e redução de preços vai levar a uma queda nos resultados. A empresa projeta para este ano um lucro líquido entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões. Ou seja, na melhor das hipóteses, a Cielo espera uma redução de 21% do resultado.

A empresa espera, porém, manter a política de pagamento de dividendos e espera distribuir entre 70% e 100% do lucro aos acionistas neste ano.

Questionado sobre quando o resultado deve voltar a crescer, Caffarelli disse que os números de 2020 já devem mostrar uma melhora, a partir de ganhos de escala.

Todos juntos

A Cielo é controlada por Banco do Brasil e Bradesco, mas tem ações listadas na B3. No ano passado, os papéis da companhia caíram quase 60% diante do aumento da concorrência no setor.

O presidente da Cielo disse que a estratégia de abrir mão das margens para não perder ainda mais mercado está alinhada com os bancos controladores e também com os minoritários.

Um dos temores de parte do mercado é que os bancos "entreguem os anéis" – no caso, a Cielo – para ficar os dedos, que seria o relacionamento com os varejistas em outros produtos.

Caffarelli disse que a parceria com os bancos acionistas, além da Caixa, proporciona uma vantagem competitiva para a Cielo.

Cliente definirá bônus

Em um mercado que se tornou uma "commodity", o jogo será ganho por quem agregar valor ao cliente, segundo Caffarelli.

"O compromisso com a melhora dos serviços terá um peso considerável na remuneração variável dos executivos, inclusive a minha", afirmou o presidente da Cielo.

A satisfação dos clientes com serviços definirá até 30% dos bônus a serem pagos pela companhia, afirmou Caffarelli.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

insatisfação

Empresários pressionam por vacinas, oferecem ajuda e criticam governo

Eles cobram do presidente Bolsonaro pressa na imunização, criticam a politização por causa das eleições de 2022, se colocam à disposição para ajudar e pedem ação do governo

esg

Ambev fecha compra de mil veículos elétricos

Produção será feita em área exclusiva na fábrica da Agrale em Caxias do Sul (RS), com quem a empresa tem contrato de cooperação técnica

Exile on Wall Street

Tempo: o investimento mais importante da sua vida

Tempo é o recurso mais valioso e escasso do mundo, cada pessoa tem uma quantidade limitada, mas indeterminada, dele. Como você tem usado o seu?

Recuperando lentamente

Volkswagen prevê lucro operacional ajustado mais baixo em 2020

A montadora projeta fluxo de caixa líquido de cerca de 6 bilhões de euros.

“HBRE3”

Segmento imobiliário da B3 vai ganhar mais um nome, a HBR Realty

Do mesmo fundador da Helbor, companhia chega à bolsa após levantar R$ 729,6 milhões em oferta restrita de ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies