Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-05T09:41:42-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
seu dinheiro no domingo

China está no fundo do poço. Pode comemorar!

Percepção de que no fundo do poço não tem um alçapão vem da leitura de relatórios de casas especializadas no mercado chinês que vou apresentar ao longo desta conversa

3 de novembro de 2019
11:22 - atualizado às 9:41
chinaslowdown

O título da nossa conversa parece contra intuitivo, mas o ponto é que a economia chinesa dá sinais de que chegou ao fim de seu ciclo e, agora, teria espaço para voltar a se recuperar. O que é boa notícia para o Brasil e para o conjunto de economias emergentes.

A percepção de que no fundo do poço não tem um alçapão, ao contrário do que já vivenciamos aqui no Brasil, vem da leitura de relatórios de casas especializadas no mercado chinês que vou apresentar ao longo desta conversa de domingo.

Alpine Macro e GaveKal têm algumas diferenças nas avaliações, mas o ponto comum é que a China e os demais emergentes têm chance de surpreender positivamente ao longo da próxima década. Mais importante ainda e para sorte dos investidores, esse cenário que se mostra cada vez mais provável está longe de ser precificado nos mercados de títulos, commodities ou mesmo pelos mercados de ações.

China estabilizando

Depois de um giro pela Ásia, o estrategista-chefe da Alpine Macro, Chen Zhao, escreveu um relatório falando que está convencido de que a economia chinesa está se estabilizando depois de um período de menor crescimento e que há espaço para retomada. Segundo Zhao, o pessimismo com o mercado financeiro chinês se mostrou exagerado.

Além das questões conjunturais chinesas, o analista avalia que o ambiente global de reflação, com os BCs dando estímulos de forma coordenada, é outro vetor-chave para o desempenho dos ativos de risco.

Zhao alerta para o fato de que o governo chinês não quer uma retomada rápida do crescimento. As autoridades chinesas estão fazendo um ajuste fino para garantir um patamar constante de crescimento anual na casa dos 6%.

O que temos é uma combinação de estímulo fiscal, cortes de juros, injeções de liquidez e um câmbio desvalorizado. Todos vetores vão trabalhar para reverter o momento deflacionário, levando a uma recuperação no crescimento chinês já no começo de 2020.

Guerra Comercial

Zhao também nos traz uma interessante avaliação sobre como as autoridades chinesas, ou parte delas, encaram o presidente americano Donald Trump.

Em Beijing é consenso que os EUA vão se tornar cada vez mais hostis às aspirações chinesas e o temor é com um confronto mais amplo e aberto. Mas Zhao se disse surpreso com a avaliação prevalente em alguns círculos políticos de que Trump é a melhor aposta para a China evitar um confronto ainda maior com os EUA.

No cálculo chinês, Trump é um comerciante, um negociador, portanto pode ser “comprado” com dinheiro e acordos comerciais. Já outros políticos americanos, como Marco Rubio, Nancy Pelosi ou Chuck Schumer, são mais ideológicos e encaram a China como uma ameaça à segurança nacional e ao “american way of life”.

Fica a dúvida levantada pelo especialista: ao aceitar os termos de um acordo comercial em fases e deixar que Trump se prepare para declarar “vitória” na guerra comercial, estaria Xi Jinping tentando ajudar a reeleição de Trump?

Não é só a China

A GaveKal é uma casa de análises que se mudou de Londres para Hong Kong em 2003 dada à convicção de que o crescimento do mundo viria de lá. De fato, desde então, a própria casa se diz surpreendida com a economia chinesa. Mas acredita que os dias nos quais a China conseguia sozinha mudar o eixo de crescimento global estão chegando ao fim.

Assim, para responder à pergunta da clientela sobre de onde virá o crescimento, a GaveKal responde: “mercados emergentes”.

Vamos à tese de Louis-Vincent Gave. Primeiro ele cita uma mudança no panorama político, com o avanço do acordo EUA-China e do Brexit. São eventos que reduzem a incerteza e o risco, tirando força do dólar e dos títulos americanos como ativos de proteção. Dólar fraco, geralmente, é boa notícia para emergentes.

O segundo ponto é a mudança na política monetária. O Fed já cortou e pode fazer nova redução de juros. Além disso, também voltou a usar seu balanço para compra de títulos e fazer injeção de liquidez. Essa é mais uma indicação de dólar fraco. Tratamos um pouco dessa tese nesta matéria aqui.

Terceiro, a própria China está injetando liquidez no seu sistema financeiro e afrouxando a política monetária. A GaveKal fala que os dias dos enormes pacotes de estímulo ficaram para trás, mas que as autoridades chinesas não vão deixar a economia ir para o buraco. Os emergentes são os grandes beneficiados por esses ciclos de estímulos da China.

Tem algo mais acontecendo

Segundo a GaveKal, a combinação de um fim de ciclo de dólar alto e estímulos na China já seria suficiente para uma boa retomada cíclica de emergentes. Mas tem algo mais acontecendo. Para quase todo emergente que olhamos, encontramos reformas fiscais significativas, como Brasil e Índia, importantes mudanças regulatórias (Brasil, Índia e Indonésia) ou ajustes de juros relevantes. Em suma: ajustes no lado fiscal, regulatório e monetário.

O exemplo prático dado pela casa de análises é o seguinte: Cortar juros de -0,4% para -0,5% tem pouco impacto sobre a atividade, em referência ao mundo desenvolvido. Mas um corte de juro de 7% para 5%, caso brasileiro, estimula o consumo, o investimento e a tomada de risco.

Falta empolgação

Considerando essas premissas todas, o que falta para os investidores se animarem com esse caso de retomada cíclica de emergentes?

Para a GaveKal, uma possível explicação é que os investidores se acostumaram a encarar os emergentes sob o prisma da China. Assim, como a perspectiva para a China parece modesta em termos históricos, grande parte dos investidores pode chegar à conclusão de que os demais emergentes também são pouco atrativos.

Mas isso também é boa notícia. Essa conclusão "precipitada e simplista", segundo a GaveKal, é sinal de que o investidor ainda pode se posicionar pagando preços relativamente baratos para ganhar dinheiro nessa retomada dos mercados emergentes. Em um mundo de dólar perdendo força, os emergentes ganham espaço para fazer políticas estimulativas e é isso que está acontecendo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Arrumando a mala

Locaweb (LWSA3) vai deixar a B3? Empresa estuda listagem nos Estados Unidos, afirma portal

Avaliada em R$ 13,5 bilhões, a empresa estreou na B3 em fevereiro do ano passado, mas pode estar prestes a abrir capital em outro país

FECHAMENTO DO DIA

Getnet (GETT11) e Lojas Americanas (LAME4) sobem forte, mas Ibovespa derrapa e dólar avança 1%

Nos Estados Unidos, a indústria também decepcionou com uma queda de 1,3%. Sinais de desaceleração nas principais economias do mundo é ruim para países como o Brasil, que dependem da exportação de commodities.

Três vezes sem juros

CPFL Energia (CPFE3) parcela pagamento de R$ 1,7 bilhão em dividendos; primeira fatia cai na conta dos acionista ainda neste mês

O pagamento das primeiras duas prestações está marcado para os dias 22 de outubro e 16 de novembro, enquanto a terceira e última fatia cairá na conta dos acionistas até 31 de dezembro

MagaLu fora das urnas

Luiza Trajano confirma que não disputará as eleições, mas reforça que é uma ‘pessoa política’; entenda o posicionamento da empresária

A presidente do conselho de administração do MagaLu pretende assumir uma posição política apartidária ‘para defender causas que sejam boas para o Brasil’

Novidades da maçã

Apple apresenta novos modelos de MacBook Pro e AirPods; computador vai custar até R$ 45 mil no Brasil

Disponíveis agora em modelos de 14 e 16 polegadas, os dispositivos prometem um processamento ainda mais potente do que os antecessores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies