Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-04T11:29:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
novela das tarifas

China e México mandam recados para os EUA

O país chinês disse acreditar no diálogo, já o vizinho nas Américas disse que há chance de 80% de entendimento com os EUA

4 de junho de 2019
11:18 - atualizado às 11:29
Donald Trump
Imagem: Shutterstock

Os Estados Unidos, que vivem uma tensão comercial com, além da China, agora com o México, recebeu recados dos dois países nesta terça-feira, 4.

O país chinês disse acreditar no diálogo, já o vizinho nas Américas disse que há chance de 80% de entendimento com os EUA.

O Ministério do Comércio da China (MofCom, na sigla em inglês) afirmou, no entanto, que as consultas precisam ser baseadas em princípios e respeito mútuo.

"Se uma parte não respeitar a soberania e os interesses essenciais da outra parte e quiser forçar a outra parte a fazer concessões ao exercer pressão para atingir resultados que são benéficos apenas para ela, tais negociações não serão bem-sucedidas", afirmou o porta-voz.

A manifestação do MofCom é, basicamente, uma tréplica, pois reage ao comunicado divulgado ontem pelo representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer — que foi feito em resposta ao Livro Branco chinês, que veio a público no último domingo cupar Washington pela falha nas negociações comerciais.

"Os EUA estão decepcionados com o fato de os chineses terem escolhido, no 'Livro Branco' e em declarações públicas recentes, perseguir um jogo de culpas que deturpa a natureza e a história das negociações comerciais entre os dois países", diz o texto de Lighthizer.

Já o MofCom afirma hoje esperar que os EUA "abandonem suas práticas erradas".

México, de Whashington

De Washington, o ministro de Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, afirmou que um entendimento com os Estados Unidos para evitar a entrada em vigor de tarifas de 5% é "factível e desejável" e atribuiu chances de "80 a 20", ou seja, 80% a favor de que ele seja alcançado.

"Informo a vocês que avançamos em reuniões com membros do gabinete (do governo americano), think tanks, setor privado, especialistas. Nos esforçaremos para encontrar um entendimento", escreveu o chanceler em sua conta no Twitter.

Na última sexta-feira, o presidente americano, Donald Trump, anunciou que imporia tarifas de 5% a partir de 10 de junho a todos os bens importados do México enquanto o país vizinho não resolvesse a "crise de imigração ilegal" de cidadãos da América Central, principalmente de Guatemala e Honduras, rumando para os EUA.

Ele acrescentou ainda que a alíquota das tarifas subiria cinco pontos porcentuais a cada mês em que Washington não desse a situação por resolvida, podendo chegar a 25% em 1º de outubro.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Juros em alta

Rumo aos 6% + IPCA? Taxas do Tesouro Direto sobem forte após Copom, e títulos atrelados à inflação já pagam mais de 5,5% a.a. de juro real

Com alta da Selic para 7,75%, juros futuros dispararam nesta quinta, fazendo taxas do Tesouro Direto subirem ainda mais

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies