Menu
2019-06-04T11:29:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
novela das tarifas

China e México mandam recados para os EUA

O país chinês disse acreditar no diálogo, já o vizinho nas Américas disse que há chance de 80% de entendimento com os EUA

4 de junho de 2019
11:18 - atualizado às 11:29
Donald Trump
Imagem: Shutterstock

Os Estados Unidos, que vivem uma tensão comercial com, além da China, agora com o México, recebeu recados dos dois países nesta terça-feira, 4.

O país chinês disse acreditar no diálogo, já o vizinho nas Américas disse que há chance de 80% de entendimento com os EUA.

O Ministério do Comércio da China (MofCom, na sigla em inglês) afirmou, no entanto, que as consultas precisam ser baseadas em princípios e respeito mútuo.

"Se uma parte não respeitar a soberania e os interesses essenciais da outra parte e quiser forçar a outra parte a fazer concessões ao exercer pressão para atingir resultados que são benéficos apenas para ela, tais negociações não serão bem-sucedidas", afirmou o porta-voz.

A manifestação do MofCom é, basicamente, uma tréplica, pois reage ao comunicado divulgado ontem pelo representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer — que foi feito em resposta ao Livro Branco chinês, que veio a público no último domingo cupar Washington pela falha nas negociações comerciais.

"Os EUA estão decepcionados com o fato de os chineses terem escolhido, no 'Livro Branco' e em declarações públicas recentes, perseguir um jogo de culpas que deturpa a natureza e a história das negociações comerciais entre os dois países", diz o texto de Lighthizer.

Já o MofCom afirma hoje esperar que os EUA "abandonem suas práticas erradas".

México, de Whashington

De Washington, o ministro de Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, afirmou que um entendimento com os Estados Unidos para evitar a entrada em vigor de tarifas de 5% é "factível e desejável" e atribuiu chances de "80 a 20", ou seja, 80% a favor de que ele seja alcançado.

"Informo a vocês que avançamos em reuniões com membros do gabinete (do governo americano), think tanks, setor privado, especialistas. Nos esforçaremos para encontrar um entendimento", escreveu o chanceler em sua conta no Twitter.

Na última sexta-feira, o presidente americano, Donald Trump, anunciou que imporia tarifas de 5% a partir de 10 de junho a todos os bens importados do México enquanto o país vizinho não resolvesse a "crise de imigração ilegal" de cidadãos da América Central, principalmente de Guatemala e Honduras, rumando para os EUA.

Ele acrescentou ainda que a alíquota das tarifas subiria cinco pontos porcentuais a cada mês em que Washington não desse a situação por resolvida, podendo chegar a 25% em 1º de outubro.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Milionários na mira

Biden quer dobrar impostos sobre ganhos de capital dos mais ricos para financiar educação infantil

O presidente dos EUA aposta no aumento das taxas para investidores que ganham acima de US$ 1 milhão para financiar sua nova proposta

Oferta de ações

Caixa Seguridade (CXSE3): reservas para o IPO terminam no dia 26; veja os detalhes e se vale a pena investir

Banco público pretende captar até R$ 6,5 bilhões com a venda de parte de suas ações na empresa que reúne suas participações em seguros

Fechando o bolso

Republicanos contrariam Biden e propõem pacote alternativo de US$ 568 bilhões para infraestrutura

O valor defendido pela oposição é muito inferior aos mais de US$ 2 trilhões propostos pelo presidente democrata

Aceno a Biden

Na Cúpula do Clima, Bolsonaro promete zerar emissões de gases de efeito estufa até 2050

No encontro, organizado por Joe Biden, o presidente do Brasil também se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal até 2030

Nem o agro se salva

Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) engrossa a lista de IPOs adiados em 2021

A empresa, que já havia interrompido a oferta por alguns dias em janeiro, citou a “deterioração” do mercado em seu segundo adiamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies