Menu
2019-05-07T14:55:55-03:00
Estadão Conteúdo
em seminário

Banco chinês diz que grande flutuação do real prejudica negociações com Brasil

Uma das sugestões do presidente do escritório de representação do China Development Bank no Rio de Janeiro, Song Lei, é de que seja criada uma moeda entre os dois países

7 de maio de 2019
14:54 - atualizado às 14:55
china-brasil
China Brasil - Imagem: Shutterstock

O presidente do escritório de representação do China Development Bank no Rio de Janeiro, Song Lei, observou em uma palestra no III Seminário Brasil China, na Fundação Getúlio Vargas (FGV), que os investimentos chineses no País enfrentam alguns desafios, como modelos de compartilhamento de riscos incompletos, a grande flutuação da moeda e a falta de recursos do governo brasileiro para dar contrapartidas.

Uma das sugestões de Lei é de que seja criada uma moeda entre os dois países para facilitar as negociações, e que haja mais participação do governo nos projetos.

"Queremos que o governo seja um garantidor das políticas públicas e que entre com investimentos", disse durante palestra no seminário "Um cinturão, uma rota e um rio", promovido pela FGV em referência à política chinesa "Um cinturão e rota", promovido pela China.

Inaugurado no Brasil em 2103, o banco de desenvolvimento econômico da China participa do financiamento de 50 projetos de infraestrutura no Brasil, informou Lei, totalizando uma carteira de US$ 60 bilhões. "O Brasil é a maior economia da América Latina, mas com infraestrutura atrasada. O Brasil investe só 2% do PIB em infraestrutura e a China 7%, isso prejudica o desenvolvimento econômico Brasileiro", disse.

De acordo com o presidente do Conselho Empresarial de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Mauro Viegas Filho, os projetos no País se desenvolvam porque ficam vinculados aos períodos do governo eleito. "No Brasil os projetos não vão para frente porque mudam a cada governo, tem que colocar legislação consistente, que permita o planejamento de longo prazo, tem quem ter continuidade", afirmou.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies