Menu
2019-05-29T16:31:47-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
OFERTA HOSTIL

Centauro parte para briga com Magazine Luiza e ações do Netshoes disparam mais de 40% em Nova York

A Centauro fez uma oferta hostil pela Netshoes — agora, a proposta terá de ser submetida em assembleia de acionistas da Netshoes marcada para votar a venda a empresa ao Magazine Luiza. Reunião será no dia 30.

23 de maio de 2019
8:14 - atualizado às 16:31
Estátua de Centauro e um céu de nevoeiro
Estátua de Centauro - Imagem: Shutterstock

A Centauro está disposta a brigar pela Netshoes. A empresa apresentou, nesta quinta-feira (23), uma proposta para comprar a varejista online de artigos esportivos. E o lance é tentador: o valor é 40% maior que o ofertado pelo Magazine Luiza, no mês passado.

A proposta da Centauro foi de US$ 2,80 por ação da Netshoes, de acordo com fato relevante encaminhado pela empresa à Comissão de Valores Imobiliários (CVM). Ao todo, a operação somaria cerca de US$ 87 milhões. É um valor superior ao oferecido pelo Magazine Luiza, de US$ 2,00 por ação.

Com o anúncio, as ações da Netshoes dispararam na bolsa americana de Nova York. Os papéis da empresa, que terminaram o pregão de quarta-feira (22) valendo US$ 1,96, subiram 43,88% hoje, atingindo US$ 2,82 — ligeiramente acima, portanto, do preço ofertado pela Centauro.

Trata-se de uma oferta hostil, ou seja, quando uma empresa envia uma proposta de compra a outra sem alinhar os termos com a companhia que é alvo de aquisição. Em casos como esse, o conselho de administração pode avaliar a proposta e enviar uma recomendação de voto aos acionistas. A decisão final entre aceitar ou não feita em assembleia de acionistas.

Em meio à disputa, as ações ON da Centauro (CNTO3) terminaram a sessão em queda de 0,44%. Já os papéis ON do Magazine Luiza (MGLU3) avançaram 0,11%.

Disputa acirrada

No mês passado, a Netshoes chegou a fechar um acordo de venda de suas ações para o Magazine Luiza, por US$ 62 milhões. A fusão, no entanto, ainda precisa do aval dos acionistas da Netshoes, que devem se reunir em Assembleia Geral Extraordinária na próxima quinta-feira, 30.

A Centauro diz que se debruçou sobre o acordo da Netshoes com o Magalu e identificou a possibilidade de apresentação de propostas concorrentes. Mas, para isso, a oferta teria de ser superior a feita anteriormente e precisaria ser apresentada antes da reunião dos acionistas que decide sobre a venda da empresa.

"(Fizemos uma) análise pormenorizada da estrutura do "Agreement and Plan of Merger”, identificando mecanismo que regula a possibilidade de apresentação por qualquer terceiro de proposta concorrente ao board of directors da Netshoes, o qual, diante do dever fiduciário de seus membros perante os acionistas daquela sociedade, está obrigado a avaliar proposta de aquisição da totalidade das ações da Netshoes, desde que seja apresentada de boa-fé por terceiros interessados antes da realização da Special Shareholders Meeting da Netshoes (que está
agendada para ocorrer em 30 de maio de 2019) e contemple uma transação que é capaz de ser consumada prontamente e que seja mais favorável aos acionistas da Netshoes sob a ótica financeira, quando comparada aos termos atuais da transação existente", explicou a Centauro, em comunicado.

A empresa disse ainda que vai comunicar a Netshoes que dispõe de financiamento em bancos de primeira linha com potencial para financiar a aquisição de 100% da Netshoes.

Caso desista da fusão anunciada no mês passado, a Netshoes deverá pagar ao Magazine Luiza uma multa de US$ 1,8 milhão, segundo o formulário anual 20-F entregue pela Netshoes à Securities and Exchange Commission (SEC).

O Seu Dinheiro entrou em contato com Magazine Luiza e Netshoes e aguarda posicionamento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

nos bastidores

Em meio a crise, Hamilton Mourão ganha apoio de militares

Vice foi o único dos generais quatro estrelas que despacham no palácio a se dissociar, em público, do discurso do presidente pelo fim da quarentena

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements