Menu
2021-03-03T19:37:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
pandemia em alta

Alta de casos de covid-19 e restrições em SP derrubam ações de varejistas e shopping centers

Governo paulista decide fechar comércio não essencial após estado bater recorde no número diário de mortes

3 de março de 2021
16:06 - atualizado às 19:37
serviços
Rio de Janeiro, abril de 2020. Lojas de rua fechadas durante a pandemia da covid-19. - Imagem: Shutterstock

Depois de o estado de São Paulo bater recorde na quantidade de mortos por covid-19 nas últimas 24 horas, o governo decidiu endurecer as medidas para combate ao novo coronavírus, o que resultará no fechamento do comércio não essencial.

A decisão, combinada com as notícias do avanço da pandemia pelo país e que outros estados estão tomando medidas semelhantes, pesaram sobre as ações do segmento de varejo e das operadoras de shopping centers nesta quarta-feira (3), além das questões da política e da economia, que afetam a B3 como um todo.

Por volta das 16h, pior momento do dia para as ações desses segmentos, as ações de varejistas como Lojas Renner (LREN3) caíam 3,67%, a R$ 36,00, Centauro (CNTO3) recuava 4,72%, a 21,21 e Cia. Hering (HGTX3) tinha queda de 5,43%, a R$ 14,12.

Além delas, a Via Varejo (VVAR3), que apresentou os resultados do quarto trimestre na noite de terça-feira (2), registrava baixa de 4,16%, a R$ 11,52, enquanto a Lojas Americanas (LAME4) recuava 5,94%, a R$ 22,81.

Entre as operadoras de shopping centers, a Multiplan (MULT3) tinha queda de 3,13%, a R$ 19,17, e a Iguatemi (IGTA3) recuava 4,52%, a R$ 29,59.

Até o fechamento, porém, os papéis reduziram as perdas ou até chegaram, em alguns casos, a registrar alta:

  • LREN3: +0,29%
  • CNTO3: -1,30%
  • HGTX3: -1,34%
  • VVAR3: -0,83%
  • LAME4: -1,40%
  • MULT3: +0,30%
  • IGTA3: -1,45%

Nova fase de restrições

O governo de São Paulo decidiu hoje colocar todo o estado na Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo para conter o avanço do novo coronavírus. A medida entra em vigor no sábado (6) e valerá pelo período de 14 dias, até o dia 19 de março.

“Estamos à beira de um colapso, e isso exige medidas urgentes”, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Nesta fase, a mais restritiva do Plano São Paulo, somente serviços considerados essenciais como farmácias, padarias, postos de combustíveis, transporte, bancos, hotéis e supermercados podem funcionar. Nesta semana, o governo estadual acrescentou igrejas e estabelecimentos religiosos como serviços essenciais.

Fica proibida a abertura de bares, restaurantes, shoppings, academias, eventos e comércio não essencial, entre outros. No caso do comércio, bares e restaurantes, somente serviços de entregas ou de compras pela internet podem funcionar.

As aulas presenciais nas escolas da rede pública ou privada não serão suspensas. A frequência presencial dos alunos, no entanto, não é obrigatória e a capacidade é limitada a 35% do total.

Situação grave da saúde

A decisão do governo de São Paulo foi anunciada um dia após o estado bater recorde de mortes por covid-19 para um dia – 468 óbitos. O estado já soma 60.014 mortes por covid-19.

É a segunda vez, somente neste ano, que o balanço ultrapassou a marca de 400 mortes por dia. Isso já havia ocorrido no dia 9 de fevereiro, com 424 mortes. O recorde, até então, havia ocorrido no dia 13 de agosto, quando foram registradas 455 mortes.

Outro recorde foi batido com o número de pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI), em estado grave. Chegou a 7 mil pessoas, o registro mais alto até agora. O número vem crescendo e batendo recordes dia a dia. As taxas de ocupação dos leitos de UTI estão atualmente em 76,7% na Grande São Paulo e em 75,3% no estado e vêm crescendo também. Há uma semana as taxas estavam em cerca de 68%.

A situação também é grave em outras partes do país. Dezoito estados e o Distrito Federal têm ocupação de leitos de UTI para covid-19 acima de 80%. Desses, 10 estão com lotação acima de 90%. Os dados foram divulgados ontem pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Lojistas preocupados

O endurecimento das restrições em São Paulo foi lamentado pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), que afirmou que o setor já tem sido prejudicado neste último ano, desde o começo da quarentena e que os empregos serão prejudicados com a restrição.

"Serão mais duas semanas de comércio fechado, um desespero a mais para os lojistas que estão vivendo dia após dia nesta incerteza. E isso tudo após a aplicação de protocolos de saúde. Tememos pela aceleração do desemprego, principalmente de pequenos lojistas que representam 70% do total dentro de um shopping”, diz, em nota, o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun. 

* Com informações da Agência Brasil

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Foi ruim mas foi bom

Guedes defende acordo e diz que agora Orçamento ficará “exequível”

O presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para sancionar o Orçamento de 2021, que foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas para acomodar uma quantidade maior de emendas parlamentares

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies