Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-08T16:39:32-03:00
Estadão Conteúdo
Falando em números

Lucro da Caixa Seguridade cresce 22% e atinge R$ 437,1 milhões no 3º trimestre

Balanço também mostra que o faturamento bruto foi de R$ 9,0 bilhões, 35,2% maior em relação ao terceiro trimestre de 2018

8 de novembro de 2019
16:39
Fachada da Caixa Econômica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Seguridade Participações fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 437,1 milhões, 22% acima do mesmo período do ano passado. Em nove meses atingiu R$ 1,2 bilhão, crescimento de 16% sobre os nove meses de 2018, puxado por Seguro Prestamista e Previdência Privada, destaca a empresa em nota à imprensa.

O faturamento bruto foi de R$ 9,0 bilhões, 35,2% maior em relação ao terceiro trimestre de 2018. No acumulado do ano, somou R$ 25,2 bilhões, 23,2% maior do que no mesmo período do ano anterior, com destaque para produtos de seguridade (seguro, previdência e capitalização), com alta de 25,5%; prêmios emitidos da Caixa Seguradora de Seguro Prestamista, 26,2%; e Previdência Privada, 33,6%.

A receita foi de R$ 519,5 milhões, 22% superior em um ano, e em nove meses, de R$ 1,5 bilhão, 14% maior. "Contribuíram para este desempenho as receitas de investimentos em participações societárias ("MEP"), que subiram 19,7% se comparado ao 3T18, e a receita de acesso à rede de distribuição e uso da marca ("BDF"), que foi a maior em todas as comparações com períodos anteriores e cujo crescimento está ligado diretamente ao aumento da produção. Os destaques do período foram o seguro prestamista e os planos de previdência privada vendidos no balcão Caixa", segundo a nota.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) cresceu de 33,7% ao ano para 35,3% no terceiro trimestre, "em decorrência da agregação dos lucros apurados ao longo de 2019 e da distribuição antecipada de dividendos no montante de R$ 210 milhões."

A participação de mercado da Caixa Seguridade ficou em 11,92%, 1,7 ponto porcentual maior do que em setembro de 2018, "em razão do aumento da venda de planos de previdência no balcão CAIXA, atingindo 15,7% na participação de mercado no produto, comportamento também apresentado na produção do seguro prestamista, com 22,5% na participação de mercado, influenciado pelo crescimento da concessão de crédito na Caixa."

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

o melhor do seu dinheiro

Mercados na semana: mais imposto, indefinição sobre dívidas e desaceleração na China

O Ibovespa acumulou uma perda de 2,5% na semana que termina e o dólar à vista avançou 0,28%, para R$ 5,28.  Foram três os principais fatores que impactaram os mercados: o anúncio de aumento de impostos, a indefinição sobre os precatórios — dívidas do governo com sentença judicial definitiva — e uma possível desaceleração da […]

Podcast Mesa Pra Quatro

De corretor de investimentos a árbitro e comentarista de futebol: conheça a trajetória de Arnaldo Cézar Coelho

O ex-árbitro e ex-comentarista de futebol é o convidado do podcast Mesa Pra Quatro. Ele conta como sua mãe influenciou a investir em imóveis e fala sobre a sua trajetória no mercado financeiro, um lado que poucos conhecem – confira agora

nome limpo na praça

Boa Vista (BOAS3): Itaú BBA inicia cobertura com ‘compra’ e potencial de alta de 27%

Preço-alvo para 2022 foi estabelecido em R$ 15,50, apoiado na tese de crescimento da companhia e do mercado de serviço de informações de crédito

de olho na inovação

Bitcoin é ineficiente como moeda e bom apenas para especulação, diz ‘Papa’ do valuation

Damodaran disse que a importância que tem sido dada ao bitcoin é desproporcional em relação ao seu papel na economia e minimizou a adoção da criptomoeda por El Salvador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies