Menu
2019-04-25T17:30:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mapa da migração

Milionários abandonam Brasil, China e Índia enquanto Austrália cai nas graças dos endinheirados

Estudo analisa o movimento das pessoas mais ricas ao redor do mundo e constata: os membros do chamado BRICS são os que mais perdem milionários

17 de abril de 2019
6:02 - atualizado às 17:30
Milionário
Proporcionalmente, parcela rica da população é a que mais deixa seu país de origem - Imagem: Shutterstock

Diante de tantos casos de migração ao redor do mundo, seja por questões econômicas ou políticas, a impressão que fica é que as parcelas mais pobres da população de cada país são as que mais buscam novos horizontes, certo? Errado!

Em termos proporcionais, as pessoas mais ricas do mundo também são as que mais deixam seus países de origem para buscar uma vida melhor em outros lugares.

Um relatório sobre a Migração Global de Riqueza, divulgado nesta semana pela consultoria sul-africana NWWealth, mostram que é intenso o fluxo de pessoas milionárias e bilionárias ao redor do mundo.

E na viagem dos chamados "indivíduos com alto patrimônio líquido" vale de tudo: desde mudar para países com leis tributárias mais favoráveis, até a busca por menos poluição e criminalidade.

Quem mais produziu milionários?

A potência da economia chinesa não poderia deixar o país asiático em outro lugar senão o primeiro entre as nações que mais produziram riquezas nos últimos dez anos. Por lá, o crescimento foi de 130% no período.

Na segunda posição aparecem as Ilhas Maurício, com crescimento de 124% na riqueza da população. Surpreendentemente, a Etiópia aparece na terceira posição do ranking, com crescimento de 102% na riqueza local.

Quem mais perde milionários?

Produzir riqueza não significa ter a capacidade de retê-la. O que poderia ser a fala de um sociólogo ou economista na realidade é o reflexo real da toda poderosa China, que lidera o ranking dos países com maior emigração de milionários e bilionários.

O estudo mostra que, em 2018, mais de 15 mil chineses deixaram seu país natal para tentar a vida em outro lugar.

E nesse quesito o Brasil também não está bem na fita. Nosso país ocupa a sétima colocação do ranking de países que mais perdem milionários, com a saída de 2 mil pessoas nessas condições ao longo do ano passado.

Aliás, o grupo de países denominado BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está mal representado no ranking de migração das pessoas mais ricas do mundo.

No Top 9 das nações com maior número de emigrações estão quatro dos cinco países dos BRICS. Logo atrás da China, Rússia aparece na segunda posição com perde de 7 mil milionários e bilionários ao longo de 2018. Índia aparece em terceiro, com perda de 5 mil.

É interessante observar que esses países, embora percam mais cidadãos ricos em números absolutos, estão em melhores condições em relação a algumas nações que enfrentam graves crises financeiras, como a Turquia e sua instabilidade política e inflação de dos dígitos no último ano. A pesquisa mostra que cerca de 10% da população mais rica da Turquia tenha abandonado o país ao longo do ano passado.

A outra face da moeda

Enquanto uns perdem, outros ganham. E esse é o caso de países como Austrália, Estados Unidos e Canadá, o Top 3 das nações com maiores índices absolutos de imigrantes milionários.

Somente na Austrália, foram 12 mil pessoas com muito dinheiro que ingressaram no país ao longo do ano passado.

E esse "boom" tem justificativa. Além de possuir uma economia mais estável e robusta na comparação com o resto do mundo, a Austrália conta com facilidades para os milionários, como a falta de impostos sobre herança e custos menores com saúde.

Vale observar também que, em 2018, a Austrália passou o Canadá e a França no ranking de mercado de fortunas, e agora ocupa a sétima posição.

E o futuro promete...

A NW Wealth também fez um levantamento sobre as grandes promessas em termos de produção de milionários ao redor do mundo nos próximos anos. Se as previsões se concretizarem, países da Ásia devem puxar o ranking das nações que mais produzem riqueza.

E dentro desse grupo o Vietnã é a principal aposta da consultoria. Com uma indústria manufatureira pulsante, o país promete um forte crescimento, com expectativa de que a riqueza local cresça 200% na próxima década.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Outlet aberto

Privalia é mais uma na lista de empresas que devem abrir capital em breve

Depois de fazer uma primeira tentativa em abril, companhia agora tenta aproveitar melhor momento tanto da economia quanto do mercado de ações

Exile on Wall Street

O fim do superciclo que mal começou?

“O senhor sabe: eu careço de que o bom seja bom e o rúim ruim, que dum lado esteja o preto e do outro o branco, que o feio fique bem apartado do bonito e a alegria longe da tristeza! Quero os todos pastos demarcados… Como é que posso com este mundo? A vida é […]

MERCADOS HOJE

De olho na MP da Eletrobras, Ibovespa começa a semana instável; dólar recua

Enquanto o exterior busca uma recuperação, por aqui os investidores estão de olho na Eletrobras e no recuo das commodities metálicas

Boletim focus semanal

Mercado eleva projeção para Selic em 2021

A taxa de juros que estava projetada em 6,25% agora vai para 6,50% até o final do ano. Para 2022, 2023 e 2024 a Selic permaneceu em 6,50%

O melhor do seu dinheiro

A B3 terá uma rival? Oportunidades no segmento de tecnologia, energia solar ganhando força e outras notícias do dia

Todo grande herói precisa de um antagonista à altura, nem que seja apenas para realçar seus feitos. Podemos até admitir que Gotham City seria uma cidade muito mais segura sem o Coringa, mas o que o Batman faria se não tivesse o grande inimigo? O mesmo acontece nos esportes. Michael Schumacher venceu sete campeonatos da […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies