Menu
2019-03-14T14:59:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Após veto norte-americano

Boeing suspende temporariamente atividades do modelo 737 MAX

Países como Canadá, Etiópia, Turquia, Reino Unido, Malásia e Estados Unidos já haviam suspendido as atividades do modelo

14 de março de 2019
13:22 - atualizado às 14:59
Boeing 737 Max 8
Boeing 737 Max 8 - Imagem: shutterstock

Nos desdobramentos do acidente aéreo com o modelo 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines, que matou 157 pessoas no último domingo, a Boeing informou que está suspendendo as atividades de toda a frota do modelo.

A decisão foi tomada após consulta ao  Administração Federal Norte-americana (FAA), que havia decidido vetar as atividades do modelo no território americano. Em comunicado, a empresa afirma ter total confiança no modelo e que a segurança é um dos valores fundamentais da companhia, mas aprova a medida como precaução.

Vetos

Os Estados Unidos não foram os primeiros a suspender a utilização das aeronaves. O uso do modelo 737 MAX 8 já havia sido vetado por diversos países como Canadá, Etiópia, Turquia, Reino Unido, Malásia, entre outros. No Brasil, a companhia aérea Gol também já havia suspendido a operação dos sete modelos que fazem parte de sua frota.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies