Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-24T14:50:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
fala bc

Setor externo tem superávit de US$ 662 milhões em maio, diz BC; saldo é sazonal

Estimativa para a dívida externa brasileira em maio é de US$ 322,476 bilhões, segundo a instituição; ano de 2018 terminou com uma dívida de US$ 320,612 bilhões

24 de junho de 2019
11:43 - atualizado às 14:50
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

Após o déficit de US$ 62 milhões em abril, o resultado das transações correntes ficou positivo em maio deste ano, em US$ 662 milhões, informou nesta segunda-feira, 24, o Banco Central. A instituição projetava para o mês passado superávit de US$ 400,0 milhões na conta corrente.

O número do mês passado ficou abaixo da mediana das estimativas do mercado financeiro no levantamento Projeções Broadcast, calculada em US$ 750 milhões, e dentro do intervalo das previsões, que ia de superávit de US$ 310,0 milhões a US$ 2,000 bilhões.

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, afirmou que o superávit de US$ 662 milhões na conta corrente do Brasil em maio é sazonal. Segundo ele, é de se esperar superávits ou déficits menores no mês, em função da safra agrícola.

"Os produtos agrícolas têm sazonalidade mais favorável, por conta da exportação a outros países, que ajuda a conta corrente", explicou Rocha.

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 5,686 bilhões em maio, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,989 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 2,484 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou positivo em US$ 1,206 bilhão.

No acumulado do ano até maio, o rombo nas contas externas soma US$ 7,576 bilhões. A estimativa do BC, atualizada no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março, é de déficit em conta corrente de US$ 30,8 bilhões em 2019.

Já nos 12 meses até maio deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 13,923 bilhões, o que representa 0,75% do Produto Interno Bruto (PIB). Este porcentual de déficit ante o PIB é o maior desde janeiro (0,79%).

Lucros e dividendos

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 1,702 bilhão em maio, informou o Banco Central. A saída líquida representa um volume maior que os US$ 1,091 bilhão que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado do ano até maio, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 8,472 bilhões. A expectativa do BC é a de que a remessa de lucros e dividendos de 2019 some US$ 20,5 bilhões.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 775 milhões em maio, ante US$ 1,102 bilhão em igual mês do ano passado.

No acumulado do ano, essas despesas alcançaram US$ 8,429 bilhões. Para este ano, o BC projeta pagamento de juros no valor de US$ 17,0 bilhões.

Viagens internacionais

A conta de viagens internacionais voltou a registrar déficit em maio, informou o Banco Central. No mês passado, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil foi de um saldo negativo de US$ 1,053 bilhão. Em igual mês de 2018, o déficit nessa conta foi de US$ 1,187 bilhão.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,471 bilhão em maio. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 418 milhões no mês passado.

No ano até maio, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 4,579 bilhões. Para 2019, o BC estima um déficit de US$ 15,0 bilhões.

Dívida externa

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em maio é de US$ 322,476 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2018 terminou com uma dívida de US$ 320,612 bilhões.

A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 252,895 bilhões em maio, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 69,582 bilhões no fim do mês passado.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

o melhor do seu dinheiro

Economia mundial: Um drama em dois atos

Os dois principais palcos da economia mundial estão com peças bem distintas em cartaz, mas ambas têm roteiros carregados de dramas que convergem um ao outro. Na maior economia do mundo, o mercado de juros volta a ficar pressionado após alguns meses de quase estabilidade. As últimas indicações do Federal Reserve sobre o rumo da […]

ficou para depois

Com maior aversão ao risco, Bluefit confirma adiamento de IPO

Adiamento é valido por um período de até 60 dias úteis contados a partir de 24 de setembro; empresa citou “condições de volatilidade no mercado de capitais”

estatal do RS

Privatização da Corsan, com IPO na B3, terá assessoria do BNDES

Primeiro serviço prestado pelo banco deve ser o de fornecer metodologia para seleção das instituições financeiras que coordenarão a abertura de capital

diversificação

Westwing compra Zarpo Viagens, ampliando lifestyle

Empresa adquirida trabalha em parceria com hotéis, resorts, pousadas e companhias aéreas; valor da operação não foi revelado

FECHAMENTO DO DIA

China e Estados Unidos aumentam cautela dos mercados globais e Ibovespa amarga queda de 3%; dólar avança

Apesar da Petrobras ter mais uma vez protagonizado atritos no cenário local, os maiores focos de cautela vieram do exterior e o Ibovespa acompanhou o ritmo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies