Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-21T11:42:12-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Complicou

Dívida bruta do governo geral sobe a 78,4% do PIB em março, revela BC

Porcentual divulgado pelo Banco Centra é superior aos 77,4% do PIB de fevereiro. Este é o maior número da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2006

30 de abril de 2019
12:30 - atualizado às 11:42
Dinheiro real
Imagem: shutterstock

A Dívida Bruta do Governo Geral fechou março aos R$ 5,431 trilhões, o que representa 78,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

O porcentual, divulgado nesta terça-feira, 30, pelo Banco Central, é superior aos 77,4% do PIB de fevereiro.

Este é o maior porcentual da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2006. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País.

Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 54,4% para 54,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em março de 2019. A DLSP atingiu R$ 3,755 trilhões.

INSS na zona da degola

Durante a coletiva de imprensa para apresentação dos dados fiscais, o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, afirmou que o déficit de R$ 22,597 bilhões nas contas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em março é o pior resultado para o mês na séria histórica do BC.

Segundo ele, isso ocorreu porque houve concentração de pagamentos de sentenças judiciais no mês passado, o que elevou déficit do INSS.

Essa concentração tem sido comum nos meses de março nos últimos anos, conforme Rocha.

Ao comentar o déficit primário perto de R$ 100 bilhões nos 12 meses até março - resultado em grande parte motivado pelo rombo de R$ 197,366 bilhões no INSS - Rocha comentou que a cifra "ainda é grande", mas está em trajetória de redução.

Nos 12 meses até fevereiro, o déficit primário estava em R$ 105,818 bilhões.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Coluna do jojo

Bolsa hoje: A boa e velha Super Quarta está de volta

Conclusão da reunião do Fed nos EUA, decisão de política monetária no Brasil, desdobramento dos precatórios e mais; confira todos os destaques que movimenta os mercados

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior mantém fôlego mesmo com ‘Super Quarta’ e bolsa brasileira deve ficar de olho em precatórios e reforma do Imposto de Renda

A divulgação da política monetária do BC americano deve movimentar os negócios, enquanto no cenário local, a autoridade brasileira pode elevar ainda mais a Selic

Portfólio integrado

Vitreo vai permitir importação de investimentos de fundos para aplicativo de consolidação da carteiras e Real Valor

A corretora será a primeira a disponibilizar a integração automática com o aplicativo de sincronização de ativos

NO ÚLTIMO MINUTO

Unidade da Evergrande promete pagar em dia juros devidos para amanhã

Anúncio proporciona alívio em meio a temores de calote, mas ações da incorporadora seguem em queda na bolsa de Hong Kong

AINDA SEM ACORDO COM REPUBLICANOS

Na Câmara, democratas aprovam suspensão de teto de dívida nos EUA

Projeto segue agora para o Senado; aprovação é fundamental para evitar o chamado fechamento do governo, mas impasse coloca medida em risco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies