A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-04-24T19:24:03-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sistema Financeiro do Futuro

BC dá a largada para implantar Open Banking no Brasil

Sistema permite que cliente compartilhe seus dados bancários e seja disputado por instituições financeiras. Bancos grandes serão obrigados a participar

24 de abril de 2019
19:24
Montagem com fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil
Fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil - Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, tem como um dos focos de sua gestão preparar o país para o sistema financeiro do futuro. Um dos passos nessa direção foi dado nesta quarta-feira, com as medidas iniciais para a adoção do chamado Open Banking no Brasil.

Para quem não está familiarizado com o tema, o Open Banking parte do pressuposto de que o cliente é o dono de seus dados bancário e não a instituição financeira. Assim, mediante autorização, seus dados cadastrais, de produtos e serviços bancários seriam compartilhados por todo os bancos, que em tese, poderiam competir para ter você como cliente, oferecendo, por exemplo, juros menores.

Segundo o próprio BC, por meio do Open Banking, clientes bancários poderiam, por exemplo, visualizar em um único aplicativo o extrato consolidado de todas as suas contas bancárias e investimentos. Também será possível, por este mesmo aplicativo, realizar uma transferência de recursos ou realizar um pagamento, sem a necessidade de acessar diretamente o site ou aplicativo do banco. O assunto vem sendo estudado faz alguns anos pelo BC.

O que está sendo feito agora

O intuito do BC é aumentar a eficiência e a competição no mercado financeiro, abrindo espaço para atuação de novas empresas.

Hoje, foi publicado um comunicado estabelecendo as principais diretrizes que vão orientar a proposta de regulamentação que será adotada no Brasil. Estamos no início do processo, que ainda contará com novos atos normativos e um cronograma de implementação.

A expectativa do próprio BC é de que o modelo de Open Banking seja implementado a partir do segundo semestre de 2020.

Os requisitos estabelecidos pelo Banco Central indicam que deverão ser compartilhadas, inicialmente, as seguintes informações e serviços:

  • Produtos e serviços oferecidos pelas instituições participantes, como localização de pontos de atendimento, características de produtos, termos e condições contratuais e custos financeiros.
  • Dados cadastrais dos clientes, aqui entram nome, número do CPF, filiação e endereço
  • Dados relativos a contas de depósito, operações de crédito, demais produtos e serviços contratados pelos clientes.
  • Serviços de pagamento, como transferências de fundos, pagamentos de produtos e serviços.

“Com o Open Banking, o Banco Central busca aumentar a eficiência no Sistema Financeiro Nacional, mediante a promoção de ambiente de negócio mais inclusivo e competitivo, preservando sua segurança e a proteção dos consumidores”, diz o BC.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies