Menu
2019-11-13T09:42:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
É bom, mas pode melhorar

Autonomia do BC avança no Senado, mas projeto preferido segue na Câmara

CAE aprovou projeto que prevê mandato para presidente e diretores, mas BC teria preferência por proposta mais ampla

13 de novembro de 2019
9:26 - atualizado às 9:42
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC)
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) - Imagem: Pedro França/Agência Senado

Em política, nem tudo que parece realmente é. E o projeto de autonomia do Banco Central (BC) aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, ontem, cai nessa categoria.

Antes de explicar os detalhes da coisa, um BC com autonomia em lei é bom sinal para nossos investimentos. Quanto menor a possibilidade de influência política em um órgão que tem de garantir o poder de compra da moeda, menor a inflação projetada e o prêmio de risco pedido pelo mercado. BC autônomo ajuda no cenário de Selic baixa por mais tempo.

O ponto principal do projeto aprovado pelos senadores e que agora poderá ser debatido no plenário do Senado é a alternância do mandato do presidente da República com os do presidente do BC e seus diretores.

Como já dissemos outras vezes, a ideia de dar autonomia a uma agência ou autarquia como o BC parte do pressuposto de blindar a instituição de interferência política e das diferenças temporais entre benesses eleitorais e sacrifícios necessários à estabilidade de longo prazo.

Aos detalhes

O PLP 19 de 2019 atende à questão dos mandatos, fixando que o mandato do presidente do BC começará no primeiro dia útil do terceiro ano do mandato do presidente da República e cria uma escala para troca dos diretores.

Até aí, tudo dentro do que o próprio BC defende. No entanto, esse PLP é menos abrangente que outra proposta que também trata da autonomia do BC, mas que tramita na Câmara dos Deputados.

Além dos mandatos intercalados, o PLP 112/2019 também trata de outros assuntos caros ao BC, como sua autonomia operacional e administrativa, além de dar uma nova ferramenta de gestão da liquidez, o chamado depósito voluntário, que deve reduzir o estoque das operações compromissadas.

Também há outra questão envolvida. Apenas o poder Executivo tem prerrogativa para propor essa alteração na lei que rege o Banco Central. Assim, o projeto do Senado, que é de autoria de Plínio Valério (PSDB-AM) sofreria de “vício de iniciativa” e teria sua validade contestada.

Ainda não é possível afirmar qual projeto vai prosperar, mas podemos ver toda essa movimentação de forma positiva. Há uma clara sinalização de maturidade com relação tema, que foi completamente distorcido nas eleições de 2014.

Na campanha de 2014, os marqueteiros de Dilma Rousseff fizeram uma campanha virulenta contra a proposta de Marina Silva sobre o tema. No filme de campanha, enquanto engravatados discutiam, a comida sumia do prato de uma família. E o narrador dizia que os banqueiros teriam poder sobre a vida das pessoas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies