Menu
2019-04-29T22:48:54-03:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
Abaixo das expectativas

Raia Drogasil tem primeiro trimestre desafiador e lucro cai 13%

Balanço mostra que a rede de farmácias apresentou um lucro líquido ajustado de R$ 105,4 milhões

29 de abril de 2019
20:53 - atualizado às 22:48
Drogasil e Droga Raia, redes operadas pela Raia Drogasil
Resultados da RaiaDrogasil ficaram abaixo das expectativasImagem: Montagem Andrei Morais/Estadão Conteúdo/Divulgação

O primeiro trimestre foi desafiador para a Raia Drogasil, com queda no lucro e aumento das despesas, mas o crescimento das vendas sinalizou uma retomada em relação aos trimestres anteriores. A companhia registrou lucro líquido ajustado de R$ 105,4 milhões, queda de 13% ante o mesmo período do ano passado.

Comparando os dois trimestres pela regra contábil IFRS 16, o lucro também encolheu, passando de R$ 109,5 milhões para R$ 93,9 milhões. Segundo a empresa, o padrão de reconhecimento de despesas com arrendamento no IFRS 16 penaliza o lucro líquido no curto prazo, mas este efeito diminuirá com o passar do tempo, conforme os contratos se aproximarem da sua maturação.

O resultado ficou abaixo da projeção média dos analistas, que previam lucro líquido ajustado de R$ 118,5 milhões, segundo a Bloomberg. A receita líquida de vendas e serviços ficou em R$ 3,95 bilhões, alta de 15% ante o ano anterior. A receita bruta consolidada foi de R$ 4,15 bilhões, alta de 15,3% sobre o mesmo período do ano anterior.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado recuou, passando de R$ 272,2 milhões para R$ 270,1 milhões, pressionado por lojas abertas e em processo de abertura no trimestre. Já pela regra IFRS 16, o Ebitda Ajustado foi de R$ 415,5 milhões, ante Ebitda de R$ 391,9 milhões um ano antes.

A margem bruta foi de 28%, abaixo da margem de 28,5% apurada um ano antes. Segundo o balanço, a pressão de margem no varejo reflete a estratégia agressiva de precificação e de mix em genéricos, que foi implementada em 2018 para acelerar ganhos de participação de mercado.

Despesas foram vilão

As despesas tiveram um efeito negativo sobre os resultados. As despesas com vendas somaram R$ 795,1 milhões, enquanto no ano anterior somaram R$ 674,8 milhões no primeiro trimestre. Entre os motivos, a empresa citou despesas pré-operacionais de um centro de distribuição que será aberto em Guarulhos na segunda metade do ano e despesas maiores de frete na operação do Pará. Já as despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 96,5 milhões, ante R$ 79,7 milhões um ano antes.

Dívida também aumentou

A dívida líquida da companhia no final de março era de R$ 937,9 milhões, ante R$ 528,8 milhões no mesmo período do ano passado. A relação entre dívida líquida e Ebitda (alavancagem) aumentou, passando de 0,5 vez para 0,8 vez na mesma comparação. Segundo a empresa, isso ocorreu devido aos elevados investimentos realizados nos últimos doze meses.

Vendas mais aceleradas

Apesar dos desafios, a Raia Drogasil também trouxe dados positivos. O crescimento da venda consolidada subiu, passando de 12,2% no início de 2018 para 15,3% no primeiro trimestre deste ano, o que mostra uma retomada em relação aos trimestres anteriores. O fundo do poço ocorreu no terceiro trimestre, quando este indicador cresceu 10,2%

No critério mesmas lojas, o crescimento passou de 2,7% para 5,6% no primeiro trimestre. Já nas lojas maduras, o primeiro trimestre de 2018 havia sido de queda de 1% nas vendas, enquanto neste ano houve crescimento de 1,9%.

Sobre os preços, a companhia disse que a erosão dos preços dos genéricos no mercado brasileiro está começando a se estabilizar.

A participação de mercado no país foi de 12,7% no primeiro trimestre, avanço de 1,1 ponto porcentual ante o mesmo período do ano anterior. Houve crescimento de participação em todas as regiões, com destaque para São Paulo, onde a companhia passou de 23,4% para 24,4% de market share.

A Raia Drogasil fechou o trimestre com 1.873 lojas em operação, depois da abertura de 62 unidades e o fechamento de 14. A companhia reiterou a previsão de encerrar 2019 com 240 aberturas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para começar o dia bem informado

Quando o coronavírus desembarcou aqui no Brasil, os economistas debatiam qual seria a letra da crise. Seria um ‘W’? Um ‘V’? Talvez um ‘U’… Ou, na pior hipótese, um ‘L’. Se você não está familiarizado com esses termos, pense em um gráfico do PIB. O ‘V’ é o melhor cenário, marcado por um mergulho da […]

EM SITUAÇÃO DELICADA

FMI vê País com a pior dívida entre emergentes

Situação fiscal ruim do Brasil só é superada por países menores, como Angola, Líbia e Omã

ESQUENTA DOS MERCADOS

Coronavírus assusta, mas balanços corporativos tentam injetar otimismo nos mercados

O aumento do número de casos do coronavírus e a novela do pacote de estímulos fiscais americanos continuam como os principais fatores de cautela no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Lá e de volta outra vez: o maior IPO da história e a pandemia em semana de decisão monetária

Hegel costumava afirmar que a história sempre se repete (como disse, se reordena e retrocede sobre si). Ora, não é que nos deparamos com essas duas ideias nessa última semana de outubro?

Balanços

Santander tem recuperação em “V” e lucro sobe para R$ 3,9 bilhões no trimestre

A unidade local do banco espanhol supera expectativas de longe com lucro líquido de R$ 3,902 bilhões, alta de 5,3% em relação ao terceiro trimestre de 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies