Menu
2019-08-12T15:23:45-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Dominância política

A eleição é na Argentina, mas o problema também é nosso

Prévias eleitorais dão vitória a candidato de Cristina Kirchner e mercado reage de forma bastante negativa. Dólar sobe mais de 30% ante o peso. BC sobe juro a 74%

12 de agosto de 2019
12:45 - atualizado às 15:23
Cristina Kirchner
Cristina Kirchner - ex-presidente da Argentina e atua candidata a vice na chapa com Alberto Fernández - Imagem: Shutterstock

O mercado externo já não estava com viés positivo em função das tensões entre Estados Unidos e China e agora ganhamos um vetor regional a pressionar o preço dos ativos brasileiros. A eleição na Argentina tomou contornos que preocupam o mercado e a resposta é um clássico “vende tudo a qualquer preço", perguntas ficam para depois.

Para dar uma dimensão do que é a preocupação com a volta de um regime tido como populista no país vizinho, algo representado pela candidatura de Alberto Fernández, que tem Cristina Kirchner como vice, o país está valendo 30% menos em dólar em questão de horas. Pois essa é a valorização da moeda americana ante o peso argentino, que está sendo negociado acima dos 60 pesos por dólar. Para dar mais uns parâmetros, o juro básico por lá foi reajustado, há pouco, para 74%, e a inflação projetada para o fim de 2019 é de 49,2%. Também foram anunciados dois leilões de US$ 50 milhões.

Segundo o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, voltamos ao imponderável das questões políticas. Apesar dos avanços que temos em termos de agenda doméstica, é inescapável o Brasil sofrer dentro desse cenário. “Somos uma Argentina no curto prazo”, explica.

O economista-chefe da GO Associados, Eduardo Velho, avalia que o mercado teme uma guinada populista no país vizinho com a eventual saída de Mauricio Macri da presidência. Mas acredita que a mudança de orientação na nossa política econômica pode nos blindar de um eventual contágio ao longo do tempo.

A grande dúvida, externada pelos dois economistas, é o futuro das negociações comerciais que o Brasil vem costurando, no âmbito do Mercosul, com a União Europeia e com os Estados Unidos. Não se sabe se o novo governo argentino adotaria uma postura pragmática ou se voltaríamos a ter birras ideológicas pautando negociações comerciais. Mais cético e direto, meu amigo gringo disse o seguinte: "a estratégia de refundar o Mercosul morreu."

Qual é a capital do Brasil?

A piada é recorrente, mas, de fato, para muitos estrangeiros a capital do Brasil é Buenos Aires. Por isso que não escapamos desses movimentos de “sell-off” regional quando eles acontecem. Brincadeiras à parte, apanhamos no contexto regional de América Latina. Fundos com essa mandato fazem, por vezes, uma redução linear de risco.

Aliás, há poucas semanas o Departamento de Comércio dos EUA cometeu essa gafe ao publicar que o secretário americano falou sobre infraestrutura em Buenos Aires, Argentina. Mas ele estava mesmo em um evento aqui em Brasília.

Uma boa forma de tentarmos medir o quando o evento regional afeta o Brasil em um dia ruim globalmente é olhar que enquanto as bolsas do mundo caem cerca de 1%, nós aqui estamos perdendo 2% ou mais.

Segundo Vieira, da Infinity, a variável que mais preocupa por aqui é o dólar. A cotação abriu bastante pressionada, indo acima dos R$ 4, isso depois de uma semana na qual a moeda americana já tinha avançado 1,26%.

Para ele, os especuladores podem se aproveitar do momento para fazer um tipo de ataque contra o real, já que o juro baixo minou as operações de carry trade (arbitragem de taxas de juros) e o fluxo cambial segue bastante desfavorável.

Mais avaliações

O pregão ruim estava contratado desde a noite de domingo, depois que saíram os resultados de uma prévia eleitoral na Argentina. Os resultados mostraram Alberto Fernándes com cerca de 47% dos votos, contra 32% de Macri. O que assustou foi essa diferença de 15 pontos, que já leva muitos bancos e consultorias a acreditar que uma virada até 27 de outubro, data da eleição, seria impossível.

Só lembrando que na sexta-feira, os mercados argentinados tiveram um dia bastante positivo, com alta de quase 8% da bolsa portenha, justamente com o mercado se posicionando para uma pequena diferença, mesmo que favorável ao oposicionista, nas prévias que aconteceram no fim de semana. Nesta segunda, o Merval, principal índice da bolsa de lá, cai cerca de 30%.

Viera conversou com alguns colegas em Buenos Aires e alguns deles disseram acreditam que esse resultado, aliado ao tranco dos mercados, pode levar Macri a mudar sua estratégia e conseguir uma virada até o dia da eleição.

Em relatório, o BTG Pactual reconhece que as pesquisas de votação, inclusive as feitas pelo próprio banco, tiveram margens de erro nunca vistas na história do país, pois as sondagens mostravam uma diferencia mínima entre os dois candidatos. Fala-se no fenômeno do "voto envergonhado" por lá.

A grande questão, segundo o BTG, é quão rápido Fernández vai anunciar seu programa econômico ou amenos algumas medidas fundamentais para evitar essa forte desvalorização do peso.

Em discurso feito ontem, o candidato apenas disse que não fará nenhuma loucura, mas manteve a retórica de atacar o pagamento de juros aos bancos. O país já tem programa de financiamento junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e segundo o Itaú Unibanco, precisa levantar outros US$ 15 bilhões até o fim de 2020 para a rolagem de compromissos internacionais.

Em seu boletim matinal, a Guide Investimentos resumiu bem a questão: “Dada a situação atual do país, com economia em recessão, inflação forte, dívida externa elevada e um pacote de auxílio do FMI já em curso, a volta de um governo intervencionista não traz boas perspectivas para o mercado, que já deve se preparar para a possibilidade de um default.”

Também em nota a clientes, o Goldman Sachs, avalia que os resultados da eleição primária são praticamente irreversíveis e que o foco deve mesmos e voltar para qual será a agenda economia de um provável governo Fernández-Kirchner.

O GS também avalia que a desvalorização do peso, como reflexo dessa incerteza política, pode reverter a incipiente queda da inflação, que vinha sendo uma das bandeiras de Macri na campanha eleitoral.

Para terminar, o presidente Jair Bolsonaro, apoia abertamente Mauricio Macri e não tem poupado críticas ao possível retorno de Kirchner ao comando do país vizinho, pois a candidata à vice-presidência sempre foi ligada aos ex-presidentes Dilma Rousseff e  Luiz Inácio Lula da Silva, e alinhada a Nicolás Maduro e Hugo Chavéz.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mau começo

Ibovespa abre o mês com o pé esquerdo e cai 2,81%, acompanhando o pessimismo externo

O Ibovespa passou a sessão desta quarta-feira no campo negativo, mas ao menos conseguiu sustentar o nível dos 70 mil pontos. Ações de empresas ligadas ao setor de viagens — como companhias aéreas e de turismo — voltaram a reportar perdas expressivas hoje

Menos exportações e importações

Balança comercial tem superávit de US$ 4,713 bilhões em março

Com queda nas exportações e nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,713 bilhões em março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia

Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

Visão global de carteira

Em carta, gestora de fortunas TAG se mostra construtiva para ações e NTN-B, mas nem tanto para multimercados

Na sua carta do mês de março, TAG Investimentos demonstra visão positiva para a renda variável, sobretudo ações domésticas, bem como para NTN-B de longo prazo; mas se mostra muito mais cautelosa em relação a fundos multimercados e de crédito privado local

Resiliência

Fundos de ações resistem ao choque e captam R$ 7,65 bilhões entre 1º e 27 de março

Fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 19,6 bilhões entre os dias 1º e 27 de março, período que compreende o agravamento da tensão dos mercados em meio à pandemia do coronavírus

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements