🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O top 3 das gestoras

Randon acelera e é novidade entre as principais ações recomendadas para junho

Após fortes emoções da bolsa em maio, as gestoras resolveram sair um pouco do main-stream e apostar em uma novidade. Confira as principais recomendações para o mês de junho

Jasmine Olga
Jasmine Olga
8 de junho de 2019
7:00 - atualizado às 15:20
Selo Ação do mês
Randon é a novidade entre as indicações para o mês de junho - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Uma eletrizante viagem de montanha-russa, uma emocionante corrida de fórmula 1 ou uma série de tsunamis?

Você pode escolher a analogia de sua preferência, mas o fato é que maio passou pelo mercado financeiro deixando muita história para contar. Foram acontecimentos e reviravoltas para todos os gostos, com um roteiro digno de ficção. Mas, no fim das contas, a maldição de maio foi quebrada, com o Ibovespa recuperando as perdas acumuladas no mês e avançando 0,7% .

Será que junho nos reserva emoções no mesmo nível? Difícil prever. Mas, para ajudar você a se preparar para o que pode vir por aí, conversei com importantes gestoras do mercado financeiro e fiz um levantamento com as principais indicações para o mês.

Dessa vez, o nosso ranking de recomendações conta com uma nova estrela na liderança: o Banco do Brasil, indicado por cinco gestoras. Logo em seguida vem a sempre preferida Petrobras, com duas indicações, empatando com a novata de pódio, a Randon.

Além das empresas do nosso top 3, outros setores também merecem atenção. A lista completa conta com outros bancões, varejistas e empresas do setor de energia — este último marcou forte presença entre as indicações, sendo representado por Eletrobras, AES Tietê, Companhia Energética de São Paulo (CESP) e a Companhia Paranaense de Energia (Copel).

Pole Position

Para quem acompanha a nossa lista mensal de recomendações, a presença do Banco do Brasil (BBAS3) por aqui não é nenhuma novidade.

Mês sim e outro também, a estatal figura entre os papéis preferidos dos analistas. Mas dessa vez, mais do que marcar presença, o bancão foi o líder disparado de recomendações — e os motivos não são mais segredo para ninguém.

Desde o início do ano, a postura da nova gestão tem agradado ao mercado e a moral do BB não para de crescer. Sua nova diretoria surfa na onda liberal e defende uma extensa pauta de privatização, com a venda de participações consideradas não estratégicas já programadas.

A lista de desinvestimentos do Banco do Brasil inclui ativos como a Neoenergia, a BB DTVM, a área de gestão de fundos e da participação no banco de investimentos. A continuidade das medidas voltadas para o controle de custos e despesas, somados aos rumores de venda de subsidiárias do banco, devem impulsionar o lucro da companhia em 2019.

“O novo governo já sinalizou que não há interesse em privatizar o banco, mas pretende alentar ativos em sua estrutura para torná-lo mais competitivo no setor. Entendemos que esse será o principal gatilho para o preço da ação ao longo deste ano”, explica um analista da Planner.

O bom momento do setor bancário continua dando força às ações do BB. No mês passado, eu cheguei a comentar que o resultado anual de 2018 havia enchido os olhos dos investidores. E, de lá pra cá, as coisas só melhoraram.

Recentemente, o banco divulgou o balanço do primeiro trimestre e os números vieram fortes, agradando os analistas e superando as expectativas do mercado. O BB apresentou um lucro líquido de R$ 4,247 bilhões, um aumento de 40,3% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. A rentabilidade atingiu 16,8%, um salto de 4,2%.

A Guide Investimentos ressaltou, em seu relatório de recomendações, a crescente recuperação do crédito, que vem surpreendendo os investidores e deve seguir o ritmo de crescimento nos próximos resultados . “Os números têm mostrado uma contínua recuperação da qualidade da carteira de crédito, além do eficiente controle das despesas administrativas e crescimento das rendas de tarifa”, completa.

Ou vai, ou racha

Mesmo diante de tanta turbulência no noticiário político, os papéis preferenciais da Petrobras (PETR4) seguem muito bem colocados no top 3 das corretoras. O intenso plano de desinvestimentos da estatal continua nos holofotes — o programa já garantiu US$ 10,3 bilhões aos cofres da empresa e anima o mercado.

Recentemente, o conselho de administração da Petrobras aprovou a venda de parte do controle da BR Distribuidora, o que diminuirá a participação da petroleira para menos de 50%. A fatia exata a ser vendida ainda não foi definida, mas a operação será feita por meio de uma oferta pública secundária de ações (follow on).

Em sua carteira de recomendações para junho, a Necton cita a retomada do preço do petróleo desde o último trimestre de 2018 como um fator positivo para os negócios da empresa e uma demonstração de que eventos microeconômicos podem ditar o ganho de valor da companhia durante o ano.

Mas o mês de maio também apresentou alguns reveses para a empresa.  Após bater o martelo sobre a venda de 90% de sua participação na Transportadora Associada de Gás (TAG) no início de abril, a petroleira teve uma surpresa desagradável.

O Supremo Tribunal Federal (STF) questionou novamente a forma como as privatizações vinham sendo feitas, e o ministro Edson Fachin suspendeu o negócio, estabelecendo que a transação só poderia ocorrer por meio de licitação. A medida impactou não só o processo de venda da TAG, mas também resultou na suspensão de liminar de venda de duas outras subsidiárias da Petrobras.

Mas, após o entrave, o Supremo liberou a venda de ativos e subsidiárias sem a necessidade de licitação, destravando a negociação da TAG e permitindo que a petroleira siga com o seu plano de desinvestimento. No entanto, o STF decidiu que, no caso de venda das estatais, o governo precisa sim de aprovação do Legislativo.

Deu zebra

Dentre os nomes já consolidados, uma nova queridinha chamou a atenção entre as principais recomendações de junho. São as ações preferenciais da Randon (RAPT4).

Vale a pena ficar de olho na empresa, que atua com implementos rodoviários e autopeças e assume a posição de liderança em diversas categorias deste setor. E as indicações dos gestores têm fundamentos muito bons.

Nos últimos meses, os papéis da companhia sofreram forte desvalorização, com a pressão dos rumores de uma nova greve de caminhoneiros e do impacto da crise argentina no setor automobilístico. Por outro lado, a Randon apresentou bons resultados no primeiro trimestre, com aumentos na receita e na margem bruta.

O motivo? O forte crescimento na demanda por autopeças e implementos rodoviários. Com o início de ano aquecido, a Randon apresentou uma receita líquida de R$ 1,1 bilhão, um aumento de 23% em relação ao mesmo período de 2018. E para o restante do ano de 2019 e para 2020, as perspectivas continuam positivas.

Pelo cenário em que atua, a companhia é bem dependente do que acontece no ambiente macroeconômico do país, já que a maior fatia do seu faturamento bruto é obtida no mercado interno. Então, é aquela história: se a agenda de reformas do governo continuar firme e forte e as perspectivas de crescimento melhorarem, a Randon terá tudo para avançar ainda mais.

Segundo a Planner, a empresa está concluindo sua expansão de 30% na capacidade de produção de implementos rodoviários, o que deve ampliar as vendas deste segmento para o restante do ano. "Em abril, a receita líquida consolidada da Randon atingiu R$ 426 milhões, valor 15,4% maior que no mesmo mês do ano passado.  Com isso, o faturamento nos primeiros quatro meses de 2019 somou R$ 1,56 bilhão, 20,8% acima daquele auferido em 2018".

Ao que tudo indica, a empresa estará preparada para quando o mercado voltar a acelerar. Durante o período de crise, a Randon fez o seu dever de casa e investiu fortemente em reestruturação organizacional e operacional, diminuindo o número de diretorias, gerentes e enxugando todos a sua estrutura, se transformando em um negócio ainda mais eficiente.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies