Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ações recomendadas: quem seria o Roger Federer do Ibovespa em agosto? - Seu Dinheiro
Menu
2019-10-14T16:23:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
As ações favoritas do mercado

Que ação seria o ‘Roger Federer’ do Top 3 das corretoras em agosto?

Dentre os papéis das empresas negociadas no Ibovespa, algumas companhias costumam se destacar com frequência entre as indicações das corretoras. Confira as principais recomendações de ações para agosto

8 de agosto de 2019
5:00 - atualizado às 16:23
Roger Federer
O tenista suíço é sempre favorito em qualquer situação, até mesmo entre aqueles que não acompanham o esporte. Assim como Federer, a Petrobras também é uma aposta inabalável - mas entre os gestores do mercado. Confira - Imagem: Shutterstock

No meu grupo de amigos sou conhecida por sempre citar os fatos e estatísticas mais aleatórios sobre tênis em qualquer situação social. Sou apaixonada pelo esporte das raquetes desde que me entendo por gente. Nomes como Roger Federer, Rafael Nadal e alguns mais complicados como Anastasia Pavlyuchenkova costumam ter lugar nas minhas horas vagas.

O mercado de ações é um interesse mais recente, e desde que vim trabalhar aqui na redação do Seu Dinheiro ele só cresce. Quando me interesso por algo, costumo ir até o fim - é sempre bacana ter aquele fato curioso para contar no happy hour -, e comecei a notar até mesmo semelhanças entre o movimento da bolsa e o meu esporte favorito. Até me peguei pensando 'quem seria o Roger Federer do Ibovespa?', aquele que está sempre entre os favoritos, não importa o momento.

Bem, há quem ache os dois temas uma chatice, coisa de nicho. Mas há quem consiga ver empolgação no sobe e desce da bolinha amarela e dos ativos nos gráficos (se você está lendo esta matéria, é capaz que se encaixe aqui).

Posso até listar as semelhanças que vejo: há estrelas tradicionais que estão na boca do povo e mesmo quem não está por dentro conhece, febres passageiras que vão embora tão rápido quanto chegaram e novidades que ninguém sabem muito bem de onde surgem mas que mostram que vieram pra ficar.

Eu diria até que nossa lista com as principais recomendações das corretoras já é tão tradicional quanto os torneios de tênis. Em agosto não poderia ser diferente: fui atrás das principais corretoras para saber o que elas tinham em mente para este mês.

No Top 3 das corretoras, tem papéis para todos os gostos. Além do nosso pódio, composto por Petrobras, CVC e um empate entre dois bancos - Bradesco e Banco do Brasil, também temos representantes do setor do varejo, energia, telecomunicações e mais. Confira.

Campeão dos campeões

Não, caro leitor, não me confundi e acabei mudando de esporte. A cabeça aqui continua no tênis (embora quando se trata de futebol, o 'campeão dos campeões' é o meu time do coração).

Tem horas que o líder do ranking pode até ser outro, mas quando se pensa em dominância é nele que estamos pensando. Não estou falando da lenda viva do esporte, Roger Federer, mas sim da Petrobras. Devo confessar que para mim, o tenista suíço e a estatal petroleira possuem muito em comum.

Os papéis preferenciais da estatal (PETR4) não costumam decepcionar no ranking - em agosto foram 5 indicações, de Guide Investimentos, Mirae Asset, Necton, Quantitas e XP Investimentos -, e está sempre entre as favoritas das corretoras.

É verdade que quando as coisas não andam muito bem no lado político ela tem os seus momentos de dificuldade. Mas assim como na carreira de Federer, esses momentos parecem ser só percalços passageiros no caminho de um gigante.

Você que acompanha o Seu Dinheiro sabe que a petroleira tem investido forte no seu plano de se desfazer de ativos que não sejam considerados estratégicos aos planos da empresa. E a intensa atividade de venda de subsidiárias e ativos teve um reflexo no balanço do segundo trimestre, divulgado no dia 1º.

A venda da Transportadora Associada de Gás (TAG), ajudou o lucro líquido da companhia a alcançar invejáveis R$ 158,9 bilhões. Mas ao ajustar o resultado, o resultado recorrente teve uma queda de 53% na comparação anual, ficando em R$ 5,157 bilhões, abaixo do que era esperado pelos analistas ouvidos pela Bloomberg.

No primeiro trimestre, o processo de venda de ativos rendeu R$ 21,2 bilhões para a Petrobras. E o balanço do terceiro trimestre já deve trazer o impacto e números relativos ao processo de privatização da BR Distribuidora, que aconteceu via oferta de ações na B3.

Após a divulgação dos resultados, o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, disse que a companhia deve concluir a venda de suas refinarias até 2021. Segundo os analistas da Necton, as expectativas locais em relação à privatização de algumas partes da companhia e processos de desinvestimentos continuam positivas e os planos da nova gestão é focar principalmente no pré-sal.

A escalada da tensão entre Estados Unidos e Irã também mantém a atenção dos investidores no preço do petróleo. Se seguir como está, o barril da commoditie, que sofre uma retomada do preço desde o último trimestre de 2018, pode atingir níveis acima de US$ 60 o barril.

O segundo semestre também guarda outras novidades, como o desfecho da questão onerosa, com o leilão dos campos excedentes. O encerramento da pauta, que caminha desde 2013 é visto com bons olhos por todos. 

Ah, caso você tenha ficado curioso, Roger Federer não é o atual líder do ranking masculino. Atualmente a posição é de Novak Djokovic, mas assim como no Ibovespa, o tênis pode ser uma caixinha de surpresas (e favoritos sempre serão favoritos, até mesmo em cenários que não pareçam tão favoráveis).

Selo Ação do mês

Ace!

A temporada anual de tênis sempre é jogada em diversos pisos e só está completa após passagens pelas quadras de grama, saibro e a quadra rápida, de cimento ou carpete.

Sempre com os os seus lucros bilionários, o setor bancário me lembra a temporada de saibro. O mais duradouro e constante dos pisos. Então, se no nosso jogo os bancos são o saibro, quem seria nosso Rafael Nadal, o 'rei do saibro'?

Ao contrário do tênis, aqui fica difícil cravar na linha uma alternativa concreta. Mas não dá pra negar que os bancões sempre marcam uma presença de peso e exercem uma dominância no Top 3 das ações recomendadas, mesmo que com certa alternância de poder.

Neste mês temos um empate técnico. Entre as ações preferidas das corretoras, os papéis preferenciais do Bradesco (BBDC4) e os ordinários do Banco do Brasil (BBAS3) representaram o setor e anotaram duas indicações cada no placar geral. 

Que o setor bancário é um dos que mais lucra no país pode até não ser novidade, mas os números dessas duas empresas contam muito mais história. 

O Bradesco, atualmente o segundo maior banco privado do Brasil, apresentou os seu resultados no dia 25 de julhoE os últimos números, referentes ao segundo trimestre do ano, continuou animando os especialistas. O lucro superou as projeções iniciais, que já eram bem otimistas, e teve um crescimento de 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado, chegando perto dos R$ 6,5 bilhões.

A rentabilidade do banco também não decepcionou. Mesmo tendo uma desaceleração em vista dos três primeiros meses do ano, o Bradesco atingiu a casa dos 20% de retorno sobre patrimônio - 20,6% para ser mais exata. Vale lembrar que, no ranking da rentabilidade entre os bancões, a instituição atualmente está em uma briga acirrada com o Santander para conseguir a segunda posição.

Segundo a Necton, o Bradesco possui uma atuação mais focada no campo doméstico e uma base forte de clientes que vem de pequenas e médias empresas. Isso ajuda a explicar o desempenho superior aos seus concorrentes quando o assunto é a taxa crescimento do lucro.

Outro player do setor que sempre brilha nas indicações e no top 3 dos analistas é o Banco do Brasil. O banco estatal surfa na onda liberal do governo Bolsonaro desde o começo do ano, uma postura que agrada e muito o mercado.

Mas antes de analisarmos o BB sob o olhar da nova gestão e governo, vamos falar de números. Os resultados do segundo trimestre ainda não chegaram - serão divulgados hoje. Mas as expectativas já estão altas.

Enquanto os analistas ouvidos pela Bloomberg esperam um resultado de R$ 4,2 bilhões, Mario Roberto Mariante, analista da Planner, projeta um lucro líquido recorrente de R$ 4,4 bilhões. O número seria "reflexo do incremento de margem financeira, da redução de PDD, crescimento das rendas de tarifas, aliado ao forte controle dos custos". Atualmente, o banco segue focado no crescimento de suas operações e no incremento de rentabilidade.

Voltando rapidamente para as atividades da nova gestão, a venda da participação indireta do banco no capital do IRB-Brasil RE, via BB Seguridade, também impactará positivamente os números. Mas somente no terceiro trimestre.

Seguindo a linha de outras estatais, o BB também planeja reduzir o seu gasto com pessoal. Com o Programa de Adequação de Quadros (PAQ), funcionários que se adequem às regras poderão aderir a um plano de desligamento incentivado. A medida deve gerar aumento de despesas no segundo semestre. Mas o resultado deve ter um impacto positivo no balanço por conta da redução de gastos já em 2020. Tudo isso tem grande potencial de impulsionar os papéis na bolsa.

Terceiro set

Tenho que confessar que no meio de tantos favoritos, sempre tem aquele que chama a nossa atenção e ganha a nossa simpatia. Nem sempre se trata do maior ou o melhor. No meu caso, quando o assunto é tênis, Andy Murray será sempre o meu queridinho, mesmo sendo o número 4 do Big 4, a quarta opção entre as opções.

Entre as favoritas das corretoras, a terceira posição do ranking de ações costuma ser a que mais varia. Mês a mês sempre espero ansiosa para ver qual será a grande novidade. Em agosto, foi a vez das ações ordinárias da CVC (CVCB3) se destacarem entre as indicações, sendo a escolha da Necton e da Planner Investimentos.

Hoje, a CVC é a maior companhia de turismo da América Latina e, segundo a Necton, vem apresentando um forte crescimento em seu número de reservas. Em 2018, o número total chegou a mais de R$ 16 bilhões em 2018.

Os resultados apresentados pela companhia no ano passado e no primeiro trimestre de 2019 têm sido consistentes e isso, claro, anima os especialistas. Só nos primeiros três meses do ano, a empresa apresentou um aumento de 13,8% no número de reservas com relação ao mesmo período do ano passado. Isso ajuda a explicar o ânimo dos analistas com o papel.

Nesta quinta-feira (8) a empresa divulga os seus resultados referente ao segundo trimestre de 2019. O analista Mario Roberto Mariante (Planner) diz que a corretora acredita que será mais um trimestre com um bom resultado líquido. " A receita líquida no Brasil somou R$ 440,3 milhões, aumento de 14,4% e o Ebitda do período cresceu 15,1% totalizando R$ 203,4 milhões no primeiro trimestre. O resultado líquido atingiu R$ 108,2 milhões, evolução de 17,5%".

Além dos bons resultados, que podem ajudar a explicar a valorização de 13% das ações nos últimos 12 meses, a CVC também tem investido em novos rumos, ampliando a sua empreitada internacional. 

No ano passado, a companhia anunciou a aquisição da Ola Transatlántica Turismo. Para a Necton, essa é a principal estratégia de crescimento: aquisições de empresas com grande participação de mercado em suas regiões específicas. Essa jogada ajuda a companhia a atingir novos públicos e chegar a novas localidades, aumentando a sua capilaridade no continente por meio das lojas físicas. 

E não é só por terra que isso acontece. No universo online, hoje a maior concorrência do turismo, a CVC também quer ir mais longe. No primeiro trimestre, ante o do ano anterior, o crescimento foi de 124%. Em sua carteira mensal, a Necton destaca: "Com o cenário de recuperação econômica, acreditamos que a CVC apresenta fortes vantagens competitivas para capturar o crescimento do segmento de turismo no Brasil e América Latina". 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

crise sanitária

Hospital de campanha inaugurado por Bolsonaro é entregue com 1 mês de atraso

Hospital de campanha em Águas Linda é o primeiro montado pelo governo federal para atender exclusivamente pacientes de covid-19.

Consequências drásticas

50% das empresas alemãs relatam adiamento de investimentos, diz instituto Ifo

A pandemia de coronavírus está tendo consequências drásticas para o investimento de empresas na Alemanha, afirma o instituto Ifo

recuperação à vista?

Pence comemora dado de emprego dos EUA e diz que Casa Branca discute estímulos

“Payroll de hoje indica que recuperação econômica já começou”, declarou Pence, elogiando, em seguida, as medidas de apoio às famílias e empresas tomadas pelo governo ao longo dos últimos meses

obituário

Morre aos 83 anos o economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES

Nascido no Rio em 1936, Lessa era um dos expoentes, no meio acadêmico, da linha teórica “desenvolvimentista” nos estudos sobre economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu