Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-25T20:51:59-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Gigante de papel e celulose

Suzano registra prejuízo líquido de R$ 107,6 milhões no 3º trimestre

Dólar mais forte fez com que as despesas da empresa subissem, levando o desempenho da companhia para baixo

25 de outubro de 2018
20:13 - atualizado às 20:51
Suzano Papel e Celulose
Suzano Papel e Celulose - Imagem: Amanda Oliveira/Governo da Bahia

A Suzano registrou prejuízo líquido de R$ 107,6 milhões no 3º trimestre, revertendo lucro de R$ 801 milhões registrado no mesmo período do ano passado. Apesar de o rombo ser inferior ao prejuízo líquido de R$ 1,8 bilhão do 2º trimestre, o número é ruim se compararmos as expectativas do mercado, que projetavam um lucro de R$ 524 milhões, segundo a Bloomberg.

Confira um resumo do desempenho da Suzano:

  • Prejuízo líquido de R$ 107,6 milhões, revertendo o lucro de R$ 801 milhões no 3º trimestre de 2017
  • Ebitda de R$ 2,1 bilhões, recorde e alta de 78,6% em relação ao mesmo período do ano passado
  • Receita líquida: R$ 4,0 bilhões, alta de 54,4% na comparação anual

O dólar mais forte, que a um primeiro momento impulsionaria o preço do papel e da celulose e traria mais caixa para a Suzano, acabou se tornando também um problema. Isso porque, segundo a companhia, as despesas financeiras subiram 50,8% em relação ao 3º trimestre de 2018 e foram influenciadas pela variação cambial que tornou mais caras as dívidas e financiamentos em dólar feitos pela Suzano para a fusão com a Fibria.

A dívida líquida da empresa atingiu R$ 10,8 bilhões ao final de setembro, alta de 16,9% em relação ao 3º trimestre do ano passado.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, termômetro do mercado para mensurar a capacidade operacional das empresas, bateu recorde ao crescer 78,6% no comparativo anual e atingir R$ 2,1 bilhões. O número ficou acima das previsões de analistas consultados pela Bloomberg que projetavam Ebitda de R$ 1,96 bilhões.

A receita líquida da empresa somou R$ 4,006 bilhões, alta de 54,4% em relação ao mesmo período de 2017 e expansão de 25% em relação ao segundo trimestre de 2018. Parte desse desempenho foi ajudado pelo aumento de 8,7% no volume total de vendas de papel e celulose no trimestre, que totalizou 1.238,8 mil toneladas. No acumulado de janeiro a setembro de 2018, são 3.484,2 mil toneladas de papel e celulose comercializadas.

Já a alavancagem, medida pela relação dívida líquida e Ebitda, da Suzano Papel e Celulose recuou de 1,7 vez em junho para 1,6 vez em setembro de 2018. Em setembro do ano passado, o nível de alavancagem da companhia estava em 2,3 vezes.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies