Menu
2018-12-20T13:26:43-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Taxa de Juro

Com reformas, Banco Central pode pensar em reduzir a Selic

Segundo o presidente Ilan Goldfajn, BC se pauta por mudança de tendências. Risco com relação às reformas caiu, mas ainda persiste

20 de dezembro de 2018
13:26
Ilan-Goldfajn-coletiva
Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn. - Imagem: Beto Nociti/BCB

A principal mensagem transmitida pelo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, é que o Comitê de Política Monetária (Copom) se pauta por mudanças de tendências e não embarca em momentos nos quais os cenários para as variáveis econômicas são mais voláteis para a definição da taxa Selic.

Não por acaso, os termos cautela, serenidade e perseverança pautaram toda a sessão de perguntas e respostas da entrevista no Relatório de Inflação, na qual Ilan foi perguntado sobre a possibilidade de redução da Selic, avaliação sobre a agenda de reformas e comportamento do cenário externo.

Segundo Ilan, há um esforço do BC e de outras áreas do governo em reduzir a taxa neutra ou estrutural da economia. Essa taxa é aquela que permite o crescimento máximo da econômica com a inflação nas metas.

Discutimos nas últimas semanas a possibilidade de essa taxa, que não é mensurável, estar menor, o que abriria espaço para uma redução adicional da Selic em um ambiente de inflação e expectativas condizentes com as metas.

Apesar dos avanços, Ilan afirmou que fazer uma afirmação na linha de que essa taxa já caiu seria um pouco prematuro. O que o BC faz é dizer que a taxa atual é estimulativa, ou seja, está abaixo do considerado neutro.

“Não tem número exato de taxa neutra. Comunicamos o que achamos relevante. A taxa básica está menor que a taxa neutra”, disse.

No lado das reformas, Ilan disse que o governo tem mandado sinais positivos, o que ajudou o BC a reduzir a percepção de risco com relação à condução dessa agenda.

“No entanto, o Brasil precisa das reformas e não temos uma consolidação fiscal”, ponderou.

A ideia é que o risco permanece assimétrico, mas a depender do andamento dessa agenda “pode ser que altere nossos recados de política econômica”.

A "cautela" do BC decorre disso, de aguardar a concretização das reformas. A "serenidade" está em não reagir a eventos de curto prazo que não representem uma mudança nas tendências. E a "perseverança" está em seguir não só na agenda de reformas, mas também nos demais ajustes que garantem inflação baixa, crescimento consistente e juros menores para a população.

Ilan também reforçou que o BC se abstém de indicar os próximos passos da política monetária, pois a ideia é manter a flexibilidade de atuação do Copom para reagir a eventuais mudanças de tendência.

Cenário Externo

Segundo Ilan, o cenário global gera muita incerteza e é dentro deste contexto que está a decisão de ontem do Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Ainda de acordo com Ilan, a preocupação era se a normalização da política americana seria mais rápida ou não. Agora, o mundo está começando a ter dúvida com relação à recuperação da atividade na Europa, Japão e também nos Estados Unidos.

Para Ilan, parte do movimento recente dos mercados pode ser creditada à aversão ao risco, busca por proteção em um cenário mais incerto e ao receio de menores rendimentos por parte dos investidores.

Câmbio

Segundo Ilan, as atuações do BC no mercado de câmbio, com os leilões de linha compromisso de recompra, é uma questão sazonal, com leilões ajudando a atender o aumento pontual de demanda por moeda à vista.

Ilan lembrou que no ano passado o BC fez a mesma coisa e que 2018 foi mais lucrativo para as companhias, resultando em remessas um pouco maiores.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

fique de olho

Petrobras reajusta gasolina em 7,6%; aumento vale a partir da terça-feira, dia 19

Esse é o primeiro aumento do ano; empresa tem sido criticada por um grupo de concorrentes, acusada de praticar valores abaixo da paridade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies