Menu
2018-12-20T13:26:43-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Taxa de Juro

Com reformas, Banco Central pode pensar em reduzir a Selic

Segundo o presidente Ilan Goldfajn, BC se pauta por mudança de tendências. Risco com relação às reformas caiu, mas ainda persiste

20 de dezembro de 2018
13:26
Ilan-Goldfajn-coletiva
Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn. - Imagem: Beto Nociti/BCB

A principal mensagem transmitida pelo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, é que o Comitê de Política Monetária (Copom) se pauta por mudanças de tendências e não embarca em momentos nos quais os cenários para as variáveis econômicas são mais voláteis para a definição da taxa Selic.

Não por acaso, os termos cautela, serenidade e perseverança pautaram toda a sessão de perguntas e respostas da entrevista no Relatório de Inflação, na qual Ilan foi perguntado sobre a possibilidade de redução da Selic, avaliação sobre a agenda de reformas e comportamento do cenário externo.

Segundo Ilan, há um esforço do BC e de outras áreas do governo em reduzir a taxa neutra ou estrutural da economia. Essa taxa é aquela que permite o crescimento máximo da econômica com a inflação nas metas.

Discutimos nas últimas semanas a possibilidade de essa taxa, que não é mensurável, estar menor, o que abriria espaço para uma redução adicional da Selic em um ambiente de inflação e expectativas condizentes com as metas.

Apesar dos avanços, Ilan afirmou que fazer uma afirmação na linha de que essa taxa já caiu seria um pouco prematuro. O que o BC faz é dizer que a taxa atual é estimulativa, ou seja, está abaixo do considerado neutro.

“Não tem número exato de taxa neutra. Comunicamos o que achamos relevante. A taxa básica está menor que a taxa neutra”, disse.

No lado das reformas, Ilan disse que o governo tem mandado sinais positivos, o que ajudou o BC a reduzir a percepção de risco com relação à condução dessa agenda.

“No entanto, o Brasil precisa das reformas e não temos uma consolidação fiscal”, ponderou.

A ideia é que o risco permanece assimétrico, mas a depender do andamento dessa agenda “pode ser que altere nossos recados de política econômica”.

A "cautela" do BC decorre disso, de aguardar a concretização das reformas. A "serenidade" está em não reagir a eventos de curto prazo que não representem uma mudança nas tendências. E a "perseverança" está em seguir não só na agenda de reformas, mas também nos demais ajustes que garantem inflação baixa, crescimento consistente e juros menores para a população.

Ilan também reforçou que o BC se abstém de indicar os próximos passos da política monetária, pois a ideia é manter a flexibilidade de atuação do Copom para reagir a eventuais mudanças de tendência.

Cenário Externo

Segundo Ilan, o cenário global gera muita incerteza e é dentro deste contexto que está a decisão de ontem do Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Ainda de acordo com Ilan, a preocupação era se a normalização da política americana seria mais rápida ou não. Agora, o mundo está começando a ter dúvida com relação à recuperação da atividade na Europa, Japão e também nos Estados Unidos.

Para Ilan, parte do movimento recente dos mercados pode ser creditada à aversão ao risco, busca por proteção em um cenário mais incerto e ao receio de menores rendimentos por parte dos investidores.

Câmbio

Segundo Ilan, as atuações do BC no mercado de câmbio, com os leilões de linha compromisso de recompra, é uma questão sazonal, com leilões ajudando a atender o aumento pontual de demanda por moeda à vista.

Ilan lembrou que no ano passado o BC fez a mesma coisa e que 2018 foi mais lucrativo para as companhias, resultando em remessas um pouco maiores.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements