Menu
2019-04-03T18:07:07-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Balanços

Petrobras tem lucro de R$ 6,64 bilhões no 3º trimestre, abaixo do esperado

Resultados vêm abaixo da expectativa de analistas, que era de R$ 9,63 bilhões, segundo a Bloomberg

6 de novembro de 2018
8:12 - atualizado às 18:07
Petrobras
Imagem: shutterstock

O mercado não gostou dos resultados do terceiro trimestre que a  Petrobras divulgou nesta terça-feira (6). Assim que a bolsa de valores abriu, a ação da empresa passou a cair cerca de 3%. Ao longo do dia, a ação preferencial da Petrobras reduziu as perdas e chegou a ter leve alta no início da tarde.

Os resultados vieram bons, mas abaixo da expectativa do mercado. A companhia teve um lucro líquido de R$ 6,644 bilhões no período, foi 2,4% acima do registado no mesmo período do ano anterior.  A expectativa dos analistas consultados pela Bloomberg era uma alta bem maior e um lucro de R$ 9,63 bilhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da petroleira foi de R$ 29,856 bilhões, alta de 55,3% em relação ao mesmo período de 2017, de R$ 19,223 bilhões. A expectativa do mercado era de 32,569 bilhões, segundo a Bloomberg. Na comparação com o segundo trimestre, houve recuo de 1%, de R$ 30,067 bilhões.

No ano, a estatal acumula lucro líquido de R$ 23,6 bilhões, o melhor para o período desde 2011 e um crescimento de 371% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a companhia.

Acordo para encerrar ação nos EUA

O resultado foi afetado pelos acordos firmados pela companhia, em setembro, com o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) e com a Securities and Exchange Commission (SEC) para encerramento das investigações das autoridades norte-americanas, no valor de R$ 3,5 bilhões. "Excluindo-se esses acordos, bem como os efeitos do acordo da Class Action, o lucro líquido seria de R$ 10,269 bilhões no trimestre e R$ 28,012 bilhões no acumulado do ano", afirma a empresa.

A petroleira também destacou as vendas de derivados no Brasil e as exportações, com aumento na venda de diesel e a expansão da participação de mercado.

Queda na produção

O balanço também mostrou uma queda de 6% na produção, o que, segundo a diretora executiva de Exploração e Produção da petroleira, Solange Guedes, está em linha com o planejado. "O trimestre foi fortemente impactado por desinvestimento e pelo término antecipado de alguns sistemas de produção", disse.

A executiva ainda citou as obras de infraestrutura de escoamento de gás, de adequação da Rota 1, que fechou a operação por dois meses e impactou fortemente nas unidades do pré-sal. Ainda segundo ela, a Petrobras seguiu operando em 28 plataformas e fazendo ajustes para obter melhorias, o que demandou a conciliação da produção com as obras.

Ruim, mas aquém do potencial

Em relatório, o analista Gabriel Franciso, da XP Investimentos, disse que o balanço foi ruim, mas manteve a recomendação de compra da ação da Petrobras. Para ele, a empresa ainda não está no seu potencial.

"Apesar do desapontamento frente às nossas expectativas, destacamos que o 3T18 ainda não reflete um cenário de operações normalizadas para a Petrobras, uma vez que a empresa teve que aumentar sua participação no mercado de importações dado que operadores independentes enfrentam dificuldades sob o atual regime de subsídios ao diesel. Também notamos que a produção de petróleo deve voltar a subir nos próximos trimestre com a conexão de novas unidades de produção no pré-sal", afirmou.

A visão é que, passado o risco eleitoral, as ações da empresa têm potencial de alta, dado que têm um nível de desconto no seu valor em relação às petroleiras globais de cerca de 16%.

A diretoria fica?

Ao comentar os resultados, o presidente da petroleira, Ivan Monteiro, disse que não há sinalização do novo governo Bolsonaro sobre manutenção ou não da diretoria atual. "Naturalmente o novo governo tem total liberdade de promover as mudanças que achar necessárias", disse. Monteiro também disse não cabe a ele decidir se permanecerá no cargo mas que ainda não recebeu convite para ficar. "Não discutiremos cargo com novo governo, vamos falar do desempenho da companhia", disse.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

saídas possíveis

Merkel defende unidade europeia e fundo franco-alemão para vencer crise

Chanceler da Alemanha ressaltou que o bloco precisa fortalecer suas instituições como forma de estimular o investimento e amortecer os impactos econômicos da covid-19

Reflexos da pandemia

Mundo entrou na pior recessão em quase 100 anos, diz presidente de órgão da UE

Von der Leyen também defendeu a unidade europeia e o fundo franco-alemão bilionário para amortecer os impactos da covid-19 sobre a economia

Inimigos do Investidor

Por que os seus erros importam mais do que os acertos

O desafio não é você ter uma caminhada sem erros, algo que não existe. O desafio é que seus erros tenham um custo muito menor do que os ganhos que você vai incorrer.

Otimismo local

É hoje? Ibovespa sobe quase 2% e se aproxima dos 100 mil pontos; dólar cai

A surpresa positiva com o resultado de vendas no varejo no Brasil em maio, somada ao avanço nos estudos para o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19, dão ânimo ao Ibovespa e tiram pressão do dólar à vista

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements