Menu
2019-04-04T13:49:13-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Lava Jato

Petrobras fecha acordo para se livrar de justiça dos EUA

Estatal vai desembolsar R$ 85 milhões ao departamento de justiça americano para encerrar investigações relacionadas à Lava Jato

27 de setembro de 2018
10:49 - atualizado às 13:49
Plataforma P-61 da Petrobras
Plataforma P-61 da Petrobras - Imagem: Shutterstock.com

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira, 27, acordos para o encerramento das investigações relacionadas à operação Lava Jato com o Departamento de Justiça (DOJ) e a Securities & Exchange Commission (SEC) nos Estados Unidos.

As investigações, segundo a companhia, estão relacionadas a problemas de controles internos, registros contábeis e demonstrações financeiras da companhia durante o período de 2003 a 2012. Com o acordo, a Petrobras pagará nos EUA US$ 85,3 milhões ao DOJ e US$ 85,3 milhões à SEC.

Passa a bola

Segundo a estatal, ainda será celebrado um acordo com o Ministério Público Federal (MPF), uma vez que os fatos subjacentes foram desvendados por meio de investigações conduzidas pelas autoridades brasileiras no âmbito da Operação Lava Jato. Isso permitirá que 80% dos valores acordados com a SEC e com o DOJ possam ser investidos no Brasil.

A companhia irá reconhecer, como provisão dos acordos, o valor de US$ 853,2 milhões, estimado em R$ 3,6 bilhões, incluindo tributos, nas demonstrações financeiras do 3º trimestre de 2018.

Além disso, os acordos também reconhecem a destinação de US$ 682,6 milhões às autoridades brasileiras, a serem depositados pela Petrobras em um fundo especial e utilizados conforme instrumento que será assinado com o MPF.

Bem-quista no mercado

De um modo geral, os analistas e consultores receberam de forma positiva esse novo acordo da petroleira. O BB Investimentos, por exemplo, divulgou uma nota elogiando o desfecho do processo, mesmo que ele signifique um rombo nas contas da empresa.

A Moody's também se pronunciou sobre o acordo, mas foi um pouco mais contida nos elogios. Para a agência de classificação de risco, embora o acordo signifique um cenário de melhora para o crédito da empresa, ele não terá impacto no rating da Petrobras, que apresentou melhora nos últimos anos após novas políticas de governança.

Esse mesmo comentário sobre a neutralidade do acordo sobre o rating da empresa foi feito pela Standard&Poor's, que também disse esperar por uma redução nas incertezas sobre os potenciais passivos contingentes.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

medida anticrise

Governo vai prorrogar novamente corte de jornada e salário

Programa foi anunciado em abril como medida para evitar um aumento ainda maior do desemprego diante da pandemia do novo coronavírus

defesas na corte

STF julga ação sobre venda de refinarias da Petrobras; veja o que já foi dito

Corte analisa um pedido de autoria do Senado Federal que alega que o governo federal estaria desmembrando a empresa para vender ativos; julgamento acontece nesta quinta

atenção, acionista

Hypera paga R$ 185,4 milhões em juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, serão de R$0,29290 por ação ordinária, com retenção de imposto de renda na fonte; veja condições

PANDEMIA NO PAÍS

Brasil registra 1.031 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

O último registro acima de mil mortes pela covid-19 havia ocorrido em 15 de setembro

privatizações

‘Paulo Guedes está desequilibrado’, diz Maia após acusação

Ministro falou que há boatos de que o deputado fez um acordo com a esquerda para não pautar as privatizações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements