Menu
2018-10-24T19:13:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Quão feio foi o dia nos mercados americanos hoje?

Os índices Dow Jones e S&P 500 zeraram os ganhos de 2018 e o Nasdaq já cai mais de 10% da máxima recente

24 de outubro de 2018
19:13
Touro congelado WallStreet
Imagem: Shutterstock

Pela segunda vez em duas semanas, os mercados americanos têm um dia de terror e arrastam o restante do mundo junto. Além das preocupações com o ajuste da política monetária e instabilidade na zona do euro, terrorismo também entrou em cena, com a confirmação de envio de explosivos para Barack Obama, Hillary Clinton e para o escritório da CNN em Nova York.

A dúvida que fica é se isso continua e os indicadores, por ora, não seriam favoráveis a uma firme retomada. Algum alívio veio ao fim do pregão com bons resultados corporativos da Tesla e da Microsoft. O risco é o mercado entrar em uma espiral negativa, com a queda nos EUA contaminando a Ásia, que contamina a Europa, que volta a puxar vendas nos EUA.

Movimento do dia

O índice Dow Jones caiu 2,41%, para os 24.583 pontos. E o S&P 500 recuou 3,1%, aos 2.656 pontos, sexta queda seguida. Depois de perder a média móvel de 200 dias no começo do mês, um importante indicador técnico, o índice furou o suporte de 2.700, algo que sinaliza a possibilidade de novas perdas.

A bolsa eletrônica Nasdaq teve o pior dia desde agosto de 2011 ao afundar 4,43%, e encerrar aos 7.108 pontos. Assim, o índice passa a acumular uma queda de mais de 10% da máxima recente e entra no que se chama de “correção”, segundo critério técnico relativamente bem aceito. Quando um papel cai mais de 20% da máxima recente, os especialistas estrangeiros falam que ele entrou em modo “bear market”.

Tanto o Dow Jones quanto o S&P estão próximos de entrar nesse chamado território de correção, pois recuam cerca de 8% e 9%, respectivamente, das máximas recentes.

Em dias de pânico, quem sobe é o VIX, conhecido como índice do medo. O indicador que mede a volatilidade do mercado de opções, teve alta de 21%, subindo para o patamar dos 25 pontos, maior desde fevereiro.

Também subiu o DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moedas. O índice voltou para cima dos 96 pontos, algo que não acontecia desde agosto.

No mercado de títulos, aumentou a demanda pelos papéis americanos, o que derruba as taxas de juros. A taxa do papel de 10 anos, caiu a 3,1%, depois de assustar os investidores ao ir acima de 3,20% no começo do mês.

Os contratos futuros também passaram a embutir menos altas de juros pelo Federal Reserve (Fed), banco central americano, em 2019. O projetado está em pouco menos de 0,5% de alta, e para 2020 e 2021 a curva já sugere corte de juro.

Falando em Fed, Loretta Mester, da regional de Cleveland, disse que uma queda prolongada nas bolsas poderia impactar a economia, mas que não vê sinais de uma inevitável recessão, já que a atividade segue forte.

Ontem, o presidente Donald Trump voltou a criticar o presidente do Fed, Jerome Powell, dizendo que Powell se sente “quase feliz” ao subir os juros. Na mesma entrevista ao “Wall Street Journal”, Trump também disse que ainda é cedo, mas que talvez se arrependa da indicação de Powell. No entanto, não pensa em demitir o indicado. Trump já fez diversos outros ataques ao Fed, pois quer juro baixo para estimular uma economia já aquecida.

Até o momento, Trump vinha classificando a queda nos mercados como algo “saudável”, mas se as perdas se aprofundarem poderá achar um “culpado”, apontando o dedo para Powell, mesmo que a queda tenha outros elementos, como balanços corporativos mostrando algum estrago proveniente da guerra comercial.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements