Menu
2018-10-24T19:13:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Quão feio foi o dia nos mercados americanos hoje?

Os índices Dow Jones e S&P 500 zeraram os ganhos de 2018 e o Nasdaq já cai mais de 10% da máxima recente

24 de outubro de 2018
19:13
Touro congelado WallStreet
Imagem: Shutterstock

Pela segunda vez em duas semanas, os mercados americanos têm um dia de terror e arrastam o restante do mundo junto. Além das preocupações com o ajuste da política monetária e instabilidade na zona do euro, terrorismo também entrou em cena, com a confirmação de envio de explosivos para Barack Obama, Hillary Clinton e para o escritório da CNN em Nova York.

A dúvida que fica é se isso continua e os indicadores, por ora, não seriam favoráveis a uma firme retomada. Algum alívio veio ao fim do pregão com bons resultados corporativos da Tesla e da Microsoft. O risco é o mercado entrar em uma espiral negativa, com a queda nos EUA contaminando a Ásia, que contamina a Europa, que volta a puxar vendas nos EUA.

Movimento do dia

O índice Dow Jones caiu 2,41%, para os 24.583 pontos. E o S&P 500 recuou 3,1%, aos 2.656 pontos, sexta queda seguida. Depois de perder a média móvel de 200 dias no começo do mês, um importante indicador técnico, o índice furou o suporte de 2.700, algo que sinaliza a possibilidade de novas perdas.

A bolsa eletrônica Nasdaq teve o pior dia desde agosto de 2011 ao afundar 4,43%, e encerrar aos 7.108 pontos. Assim, o índice passa a acumular uma queda de mais de 10% da máxima recente e entra no que se chama de “correção”, segundo critério técnico relativamente bem aceito. Quando um papel cai mais de 20% da máxima recente, os especialistas estrangeiros falam que ele entrou em modo “bear market”.

Tanto o Dow Jones quanto o S&P estão próximos de entrar nesse chamado território de correção, pois recuam cerca de 8% e 9%, respectivamente, das máximas recentes.

Em dias de pânico, quem sobe é o VIX, conhecido como índice do medo. O indicador que mede a volatilidade do mercado de opções, teve alta de 21%, subindo para o patamar dos 25 pontos, maior desde fevereiro.

Também subiu o DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moedas. O índice voltou para cima dos 96 pontos, algo que não acontecia desde agosto.

No mercado de títulos, aumentou a demanda pelos papéis americanos, o que derruba as taxas de juros. A taxa do papel de 10 anos, caiu a 3,1%, depois de assustar os investidores ao ir acima de 3,20% no começo do mês.

Os contratos futuros também passaram a embutir menos altas de juros pelo Federal Reserve (Fed), banco central americano, em 2019. O projetado está em pouco menos de 0,5% de alta, e para 2020 e 2021 a curva já sugere corte de juro.

Falando em Fed, Loretta Mester, da regional de Cleveland, disse que uma queda prolongada nas bolsas poderia impactar a economia, mas que não vê sinais de uma inevitável recessão, já que a atividade segue forte.

Ontem, o presidente Donald Trump voltou a criticar o presidente do Fed, Jerome Powell, dizendo que Powell se sente “quase feliz” ao subir os juros. Na mesma entrevista ao “Wall Street Journal”, Trump também disse que ainda é cedo, mas que talvez se arrependa da indicação de Powell. No entanto, não pensa em demitir o indicado. Trump já fez diversos outros ataques ao Fed, pois quer juro baixo para estimular uma economia já aquecida.

Até o momento, Trump vinha classificando a queda nos mercados como algo “saudável”, mas se as perdas se aprofundarem poderá achar um “culpado”, apontando o dedo para Powell, mesmo que a queda tenha outros elementos, como balanços corporativos mostrando algum estrago proveniente da guerra comercial.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MUDANÇA DE CARGO

Marinho anuncia que secretário Leonardo Rolim será novo presidente do INSS

Atualmente, 1,3 milhão de solicitações de benefício estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para que o INSS dê uma resposta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que fazer diante do coronavírus

Caro leitor, A essa altura, você talvez já saiba que o coronavírus causa infecções do trato respiratório superior, cujos sintomas principais são coriza, dor de garganta e febre. A doença pode chegar ao trato respiratório inferior, o que é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos. Você também já […]

De volta aos 116 mil pontos

Dia de correção: Ibovespa se recupera e fecha em alta de mais de 1,5%; dólar cai a R$ 4,19

Após amargar perdas de mais de 3% na segunda-feira, o Ibovespa teve um dia de alívio e encerrou com ganhos firmes, acompanhando o tom de maior calmaria no exterior. O coronavírus, no entanto, segue trazendo cautela às negociações

VEM, CHINESES

Doria diz que continua estimulando chineses a comprar instalações da Ford

No ano passado, Doria tentou ajudar o grupo brasileiro Caoa a comprar a planta da Ford e chegou a convocar uma coletiva de imprensa para anunciar um acerto entre as duas empresas. No entanto, as negociações não prosperam

DÍVIDA

Dívida pública federal sobe 1,03% em dezembro, e fecha 2019 em R$ 4,248 trilhões

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,22% em dezembro fechou o ano em R$ 4,033 trilhões

DE OLHO NOS GASTOS

Gasto de estrangeiro fica estagnado

Apesar do aumento no volume de pessoas de países com isenção de visto que vieram ao Brasil, isso não se refletiu no montante total de gastos dos turistas de fora

AVALIAÇÃO NEGATIVA

Após aumento de custos e queda nos lucros, Credit Suisse corta preço-alvo para ações da Cielo

Entre os pontos de atenção citados pelos analistas no relatório está a queda de margens, que alcançaram os menores níveis já vistos

as queridinhas dos jovens

Apple, Amazon e Tesla estão entre as ações preferidas dos millennials; confira ranking

Empresa diz ter analisado 734 mil contas de investimento de americanos com idade média de 31 anos

Azul, JBS, Cielo e Petrobras: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O mercado reagiu positivamente às novidades anunciadas pela Azul em sua gestão de frota — e, como resultado, as ações da companhia aérea dispararam. Já a Cielo teve um dia intenso na bolsa, em meio à divulgação do balanço trimestral da companhia

motivo de preocupação dos mercados

Brasil investiga caso suspeito de coronavírus

Caso a infecção por coronavírus seja confirmada, o nível de alerta no país sobe para de Emergência de Saúde Pública Nacional, quando há a possibilidade de o vírus já estar em circulação no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements