Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2018-10-31T18:29:36-03:00
Seu mentor de investimentos

O Boeing derrubou a Boeing, que derrubou o Dow, que derrubou o Ibovespa

Desas envolvendo Boeing 737 Max 8 da Lion Air fez as ações da Boeing, uma das 30 que compõem o Dow Jones Industrial, caírem 7% na Bolsa de Valores de Nova York

31 de outubro de 2018
13:44 - atualizado às 18:29
Boeing 737 Max 8
Boeing 737 Max 8 - Imagem: shutterstock

Anteontem, segunda-feira, 29 de outubro, um Boeing 737 Max 8 da Lion Air caiu nas águas do mar de Java, minutos após decolar do Aeroporto Internacional Soekarno-Hatta, de Jacarta, capital da Indonésia. Todas as 189 pessoas a bordo morreram.

Por causa do desastre, as ações da Boeing, uma das 30 que compõem o Dow Jones Industrial, caíram 7% na Bolsa de Valores de Nova York.

Se a aeronave tivesse sido um Boeing 737-700 ou 737-800, a tragédia não teria afetado a cotação das ações da empresa, ou afetado muito pouco, já que se tratam de modelos que voam há bastante tempo e foram mais do que testados e aprovados.

Acontece que o Max 8 é um projeto recente, tendo o primeiro voo regular de passageiros ocorrido em maio de 2017. Nesses casos, sempre fica a desconfiança de que possa ter havido algum erro de concepção.

Isso já aconteceu com diversos tipos de aeronaves, sendo os casos mais emblemáticos o do Comet 2 da De Havilland, em 1953, com dois desastres fatais dos quais, um deles perdeu as asas em pleno voo, e o do Electra 1, da Lockheed, também com dois acidentes causados por panes estruturais, em 1959 e 1960, o que provocou o recolhimento de todos os turboélices da série em operação no mundo até que a falha fosse descoberta e solucionada.

Portanto, nada mais natural do que as ações da Boeing terem sofrido um crash, que contaminou a Bolsa de Valores de Nova York, fazendo com que o Dow Jones perdesse mais de 200 pontos. Tal como vem acontecendo há várias semanas, as perdas da NYSE influenciaram o Ibovespa, que caiu 2,24%.

Só para lembrar, isso foi anteontem.

Mas e a bolsa brasileira?

No que se refere à Bolsa brasileira, essa simetria pode estar com os dias contados. Em algumas semanas, acredito que as expectativas do mercado com relação aos preparativos e aos primeiros meses do governo Bolsonaro deverão prevalecer sobre a influência externa. E não podiam ser mais favoráveis à Bolsa.

Entre as fontes que me enviam notícias de mercado todos os dias estão Thiago Teixeira, da MRJ – Marejo Investimentos. Ontem ele me chamou atenção para a entrevista de Guilherme Aché, da gestora Squadra, ao jornal O Globo.

Aché trabalhou ao lado de Paulo Guedes ao longo de 17 anos no banco Pactual. E revela coisas interessantes sobre seu amigo e ex-parceiro.

Guilherme Aché diz que ainda há muita gente preocupada com o governo Bolsonaro. Isso é “um sinal fantástico”, conclui o entrevistado de O Globo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

fique de olho

Petrobras reajusta gasolina em 7,6%; aumento vale a partir da terça-feira, dia 19

Esse é o primeiro aumento do ano; empresa tem sido criticada por um grupo de concorrentes, acusada de praticar valores abaixo da paridade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies