Menu
2018-12-05T16:15:13-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Novembro marca maior saída de dólares do país em 10 anos

Fluxo cambial foi negativo em US$ 6,6 bilhões no mês passado, embasando atuações do Banco Central no mercado à vista. No mercado futuro, estrangeiro tem “aposta” recorde de US$ 41 bilhões contra o real

5 de dezembro de 2018
14:58 - atualizado às 16:15
Dólares
Imagem: Shutterstock

Os dados do Banco Central (BC) sobre o fluxo cambial confirmam o que se falava nas mesas de operação no fim do mês passado. A saída de dólares superou a entrada em expressivos US$ 6,614 bilhões. As retiradas se concentram na conta financeira, com saque de US$ 12,987 bilhões, enquanto a conta comercial registrou ingresso de US$ 6,373 bilhões.

Tal resultado negativo para o fluxo cambial é o maior do ano e se considerarmos apenas meses de novembro, essa foi a maior saída líquida desde 2008, quando US$ 7,159 bilhões deixaram o país.

Nos meses de novembro e principalmente dezembro há um aumento na remessa de dólares para fora do país conforme as empresas fecham seus balanços. Normalmente o grosso do dinheiro é remetido em dezembro, mas parece ter acontecido uma antecipação agora em 2018, percepção que poderá ser confirmada ao longo das próximas semanas. Outra sazonalidade também atinge o mercado, a redução dos embarques de exportação, principalmente da área agrícola. Já os meses de janeiro, por exemplo, são de fluxo positivo.

Em novembro do ano passado, o fluxo tinha sido negativo em apenas US$ 636 milhões, mas em dezembro a saída tinha aumentando para US$ 9,331 bilhões. No acumulado de 2018, no entanto, o fluxo cambial ainda é positivo em US$ 11,761 bilhões.

Atuação do BC

Diante desse aumento de demanda, o Banco Central (BC) realizou atuações no mercado à vista, provendo liquidez via leilões de linha com compromisso de recompra. Nessa modalidade há uma espécie de empréstimos dos dólares que retornam ao BC em data definida.

O primeiro leilão ocorreu na terça-feira da semana passada, depois que o dólar tinha dado um salto de 2,6% na segunda-feira, indo a R$ 3,92. No mesmo dia da atuação, terça-feira, o fluxo foi negativo em US$ 2,675 bilhões, quase que exclusivamente pela conta financeira. Mas no dia da disparada do dólar, de 2,6%, o fluxo foi negativo em apenas US$ 573 milhões, evidenciando que expectativas e outros vetores são mais relevantes que o movimento efetivo de capital para ditar o preço.

 "O leilão de linha é para prover liquidez ao mercado de câmbio, como é normal nesta época do ano", disse o BC, por meio de sua assessoria, quando retomou os leilões.

Da semana passada até ontem, o BC somava três leilões de linha, totalizando US$ 4 bilhões, e uma rolagem de linhas que tinham sido ofertadas em agosto, no montante de US$ 1,25 bilhão. Esse dinheiro deve retornar ao BC entre fevereiro e março de 2019.

Esse fluxo negativo de recursos se refletiu na posição dos bancos no mercado à vista de câmbio. A posição vendida subiu de US$ 5,659 bilhões no fim de outubro para US$ 11,827 bilhões no fim do mês passado. Normalmente, os bancos são os provedores de liquidez ao sistema financeiro, com o BC entrando apenas em momentos atípicos, quando há grande concentração de saída ou quando as condições não permitem que os bancos locais usem suas linhas externas para prover dólares ao mercado local.

Mercado futuro

Normalmente, a formação de preço da moeda ocorre no mercado futuro, onde o volume de operações é substancialmente maior. É lá que comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana.

No fim de novembro, os estrangeiros apresentavam posição comprada de US$ 37,711 bilhões em dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar). Os bancos estavam vendidos em US$ 14 bilhões e os fundos de investimento também tinham posição vendida de US$ 25,25 bilhões.

Neste começo de dezembro, os estrangeiros ampliaram essa posição comprada. No fechamento do pregão de terça-feira, o estoque comprado estava em US$ 41,111 bilhões, novo recorde. Na ponta oposta, estavam os fundos, com US$ 26 bilhões e os bancos com outros US$ 16,5 bilhões.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,70

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies