Menu
2018-12-12T14:26:35-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

Dezembro começa com US$ 1,230 bilhão deixando o país

Saída segue concentrada na conta financeira, com remessa líquida de US$ 2 bilhões. No mercado futuro, estrangeiro tem “aposta” de US$ 41 bilhões na alta do dólar

12 de dezembro de 2018
13:06 - atualizado às 14:26
Nota de dólar
Nota de dólar - Imagem: Shutterstock

Segue o movimento de remessa de dólares para fora do país. Depois uma retirada líquida de US$ 6,6 bilhões no mês passado, a maior para meses de novembro desde 2008, o mês de dezembro abriu com uma saída líquida de US$ 1,230 bilhão. Em igual período do ano passado, o resultado tinha sido negativo em US$ 148 milhões.

Segundo os dados do Banco Central (BC), os saques ficaram concentrados, novamente, na conta financeira, com US$ 1,989 bilhão. A contra de comércio internacional foi positiva em US$ 759 milhões. Nesta quarta-feira, o dólar opera em firme baixa de 1,8%, na casa de R$ 3,8438.

Os meses de novembro e principalmente dezembro mostram um aumento sazonal na remessa de dólares para fora do país conforme as empresas fecham seus balanços. Nos últimos anos, as remessas ficaram mais concentradas em dezembro.

Para dar vazão a esse pontual aumento de demanda, o BC vem realizando leilões de linha com compromisso de recompra desde o fim de novembro. Já foram cinco operações dessas que funcionam como um empréstimo dos dólares das reservas internacionais com posterior devolução para o BC.

Na semana passada, ocorreu apenas uma operação de US$ 1 bilhão, e nesta semana, até o momento, o BC também fez um leilão de US$ 1 bilhão na terça-feira. O montante total em aberto é de US$ 6,25 bilhões, sendo US$ 5 bilhões em “dinheiro novo” e US$ 1,25 bilhão em rolagem de linha ofertada em agosto e que venceria no começo de dezembro. Esses dólares devem voltar ao BC entre fevereiro e março de 2019.

No acumulado do ano, no entanto, o fluxo cambial ainda segue positivo em US$ 10,531 bilhões, em comparação com US$ 9,808 bilhões vistos em igual período do ano passado.

Com essa saída na primeira semana do mês, podemos estimar que a posição vendida dos bancos no mercado à vista subiu de US$ 11,827 bilhões para cerda de US$ 13 bilhões. Normalmente, os bancos são os provedores de liquidez ao sistema financeiro, com o BC entrando apenas em momentos atípicos, quando há grande concentração de saída ou quando as condições não permitem que os bancos locais usem suas linhas externas para prover dólares ao mercado local.

Mercado futuro

As movimentações no mercado à vista têm sua importância, mas formação de preço da moeda americana ocorre mesmo no mercado futuro, onde o volume de operações é substancialmente maior.

É na B3 que comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana.

Até o pregão de ontem, os estrangeiros apresentavam posição comprada de US$ 40,972 bilhões em dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar), pouco menor que os US$ 41,728 bilhões da segunda-feira, que marcou novo recorde histórico, mas acima dos US$ 37,711 bilhões do fechamento de novembro.

Na ponta oposta, os bancos estavam vendidos em US$ 16,151 bilhões e os fundos de investimento também tinham posição vendida de US$ 26,118 bilhões. No fim de novembro, a posição dos bancos era de US$ 14 bilhões e a dos fundos de US$ 25,249 bilhões.

A avaliação de ganhadores e perdedores nesse mercado é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço as posições foram montadas e se esses agentes possuem exposição ao dólar no mercado à vista e de balcão.

Mesmo assim, o que se pode inferir é que dificilmente o dólar apresentará um consistente movimento de baixa enquanto o estrangeiro estiver carregando tamanha posição comprada no mercado futuro.

Operações de swap

Além dos leilões à vista, o BC segue com a rolagem dos contratos de swaps que vencem em janeiro, no montante de US$ 10,4 bilhões. O swap é um contrato de troca financeira que relacionada a variação do dólar com uma taxa de juros em determinado período de tempo. A operação equivale a uma venda de dólares no mercado futuro.

De forma simplificada, o BC ganha quando o dólar cai e perde quando a moeda americana se valoriza. Toda a liquidação dos swaps acontece em reais, sem usar diretamente os dólares das reservas internacionais.

Agora em dezembro até o dia 7, a conta de swaps estava negativa para o BC em R$ 1,837 bilhão. No ano, a conta de swaps é negativa em R$ 15,442 bilhões. Esses valores sensibilizam a conta de juros do governo geral.

No lado das reservas internacionais quando convertida para reais, o ganho na semana foi de R$ 13,551 bilhões e chega a R$ 145,330 bilhões no acumulado de 2018.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

agenda para a crise

G-7, FMI e Banco Mundial vão rever pagamento de dívidas de países de baixa renda

Mnuchin disse que o G-7 deve se reunir regularmente para “melhorar a sustentabilidade da dívida desses países”

erros na crise

TCU vê irregularidades no pagamento do auxílio emergencial a 8,1 milhões

Por outro lado, 2,3 milhões de cidadãos que estão no Cadastro Único de programas sociais podem ter sido excluídos mesmo fazendo jus ao benefício

CPI das fake news

Governo anunciou reforma da Previdência até em canal de deputado do PT

Documento, produzido por consultores legislativos, tem como base informações da própria Secom

frente de preocupação do governo

Moraes autoriza a investigados por fake news acesso total a inquérito

Pelo fato do inquérito tramitar sob sigilo, os advogados terão de fazer agendamento junto ao gabinete de Moraes para ter acesso à cópia digitalizada dos autos

diante da crise

Pela primeira vez, UBS recomenda compra dos papéis da Vale

Especialistas do banco avaliam que a empresa deve ser beneficiada pela recuperação nos preços do petróleo, que puxam a curva nos preços do minério de ferro

exile on wall street

Cratera de Chicxulub

Acho que seria o único desastre natural com algum paralelismo pertinente, assumindo, claro, que os dinossauros também se organizassem por meio de um mercado de trabalho formal.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Sem tempo ruim

A festa continua: dólar cai a R$ 5,04 e Ibovespa sobe forte com otimismo se sobrepondo à cautela

O dólar à vista segue em queda firme e já se aproxima dos R$ 5,00, enquanto o Ibovespa sobe e busca os 93 mil pontos. Novamente, os investidores mostram-se otimistas com as perspectivas para a economia global e deixam de lado os fatores de risco

IR 2020

Como a Receita calcula o imposto de renda devido e o valor das restituições

Jeito de calcular o imposto de renda devido e a eventual restituição varia de acordo com o modelo escolhido de declaração, se completo ou simplificado

"Eu voltei..."

Governo brasileiro vai voltar a captar recursos no mercado internacional

O Tesouro Nacional concedeu mandato para a emissão de dois novos papéis. O primeiro com vencimento em cinco anos, o Global 2025, e o outro de dez anos (Global 2030)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements