Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-18T07:40:05-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

Alta de juros vai continuar nos EUA, a questão é até quando

Ata do Federal Reserve, banco central americano, indica que política monetária terá de ficar restritiva para conter inflação

17 de outubro de 2018
16:06 - atualizado às 7:40
Federal Reserve
Federal Reserve - Imagem: shutterstock

A maioria dos membros do Federal Reserve (Fed), banco central americano, acredita que a política monetária terá de ficar restritiva por algum tempo. Isso quer dizer que a taxa de juros, atualmente entre 2% e 2,25% ao ano, vai continuar subindo.

Isso não é lá grande novidade, a questão agora é descobrir até que patamar o juro vai subir, pois o Fed está deixando de fazer uma normalização dos juros e parte para um aperto das condições monetárias. E essa pode ser uma fonte de instabilidade para os mercados mundiais. Com a divulgação da ata, os índices acionários nos EUA acentuaram o movimento de baixa e o Dolar Index, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta de moedas, passou a operar em alta.

Depois de quase uma década de juros zero, o Fed vem ajustando o custo do dinheiro buscando evitar um superaquecimento da economia e uma consequente elevação da inflação para cima da sua meta informal de 2% ao ano. Além do estimulo do Fed, a economia tem recebido impulso fiscal dos programas de corte de impostos.

O processo de ajuste, no entanto, tem acontecido de forma gradual e tudo indica que deve continuar sendo dessa forma. Como disse o presidente Jerome Powell, a opção pelo ajuste gradual é para não ir tão rápido a ponto de atrapalhar a economia, nem tão lento que resulte em alta da inflação.

A questão, agora, é que Fed passou a falar abertamente em tornar a política monetária restritiva, ou seja, o juro deixa de contribuir na retomada econômica.

De acordo com a ata divulgada nesta tarde, “alguns” participantes do Fed acreditam que a política monetária terá de ficar “moderadamente” restritiva por algum tempo. Enquanto outros julgam que seria necessário elevar “temporariamente” a taxa básica de juros acima da taxa neutra visando reduzir o risco de a inflação ultrapassar a meta de 2% ou para mitigar algum risco proveniente de desequilíbrios financeiros.

A taxa neutra é uma variável não observável que carrega consigo a ideia de um patamar de juros que não atrapalha nem ajuda a economia mantendo a inflação na meta. Até o momento, o Fed vinha mantendo a taxa básica abaixo do patamar considerado neutro, ou seja, política monetária acomodativa. Em sua última reunião, o Fed retirou essa avaliação do comunicado, e agora fala em levar o juro para cima desse patamar.

A taxa neutra é estimada levando em conta fatores como produtividade e demografia e é alvo de acalorados debates no mercado e na academia. Os membros do Fed apresentam sua estimativa do que seria essa taxa neutra no longo prazo. Atualmente, a projeção do Fed é de juro neutro na casa de 3%.

Apenas “um par” de participantes afirmou que não favoreceria uma política restritiva enquanto não surgirem claros sinais de um superaquecimento da economia e inflação em alta.

Sobre o comportamento dos preços, “muitos” participantes estimam que a inflação vai exceder a meta de 2% ao ano por algum tempo. Mas a visão geral é de que as expectativas continuam orbitando a meta.

No lado da atividade, alguns membros mostram surpresa com ritmo de crescimento, pois ele estaria acima do antecipado.

O Fed também está preocupado com alguma bolha no preço dos ativos. Alguns participantes comentaram sobre o continuo crescimento de empréstimos alavancados, sobre o afrouxamento nos termos e padrões desses empréstimos, e sobre o crescimento dessa atividade fora do setor financeiro. Essas são razões “para permanecer consciente das vulnerabilidades e possíveis riscos à estabilidade financeira”.

Certamente o tom desse comunicado considerado mais duro (hawk, no jargão) vai desagradar o presidente Donald Trump, que vem agredindo Powell e o Fed pela alta de juros.

O próximo encontro do Fed está previsto para os dias 7 e 8 de novembro. Em dezembro, o comitê se encontra nos dias 18 e 19 e se espera mais um ajuste de 0,25 ponto. Para 2019 também são projetadas novas elevações.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Planeje-se!

Fuja do Paulo Guedes! Como pagar menos imposto para o governo e ainda aumentar a sua renda para a aposentadoria

Não fique à mercê das reformas do Ministério da Economia. Utilizada da maneira correta, previdência privada pode te ajudar a pagar menos imposto de renda e a não depender totalmente da Previdência Social

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies