⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2018-10-18T07:40:05-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

Alta de juros vai continuar nos EUA, a questão é até quando

Ata do Federal Reserve, banco central americano, indica que política monetária terá de ficar restritiva para conter inflação

17 de outubro de 2018
16:06 - atualizado às 7:40
Federal Reserve
Federal Reserve - Imagem: shutterstock

A maioria dos membros do Federal Reserve (Fed), banco central americano, acredita que a política monetária terá de ficar restritiva por algum tempo. Isso quer dizer que a taxa de juros, atualmente entre 2% e 2,25% ao ano, vai continuar subindo.

Isso não é lá grande novidade, a questão agora é descobrir até que patamar o juro vai subir, pois o Fed está deixando de fazer uma normalização dos juros e parte para um aperto das condições monetárias. E essa pode ser uma fonte de instabilidade para os mercados mundiais. Com a divulgação da ata, os índices acionários nos EUA acentuaram o movimento de baixa e o Dolar Index, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta de moedas, passou a operar em alta.

Depois de quase uma década de juros zero, o Fed vem ajustando o custo do dinheiro buscando evitar um superaquecimento da economia e uma consequente elevação da inflação para cima da sua meta informal de 2% ao ano. Além do estimulo do Fed, a economia tem recebido impulso fiscal dos programas de corte de impostos.

O processo de ajuste, no entanto, tem acontecido de forma gradual e tudo indica que deve continuar sendo dessa forma. Como disse o presidente Jerome Powell, a opção pelo ajuste gradual é para não ir tão rápido a ponto de atrapalhar a economia, nem tão lento que resulte em alta da inflação.

A questão, agora, é que Fed passou a falar abertamente em tornar a política monetária restritiva, ou seja, o juro deixa de contribuir na retomada econômica.

De acordo com a ata divulgada nesta tarde, “alguns” participantes do Fed acreditam que a política monetária terá de ficar “moderadamente” restritiva por algum tempo. Enquanto outros julgam que seria necessário elevar “temporariamente” a taxa básica de juros acima da taxa neutra visando reduzir o risco de a inflação ultrapassar a meta de 2% ou para mitigar algum risco proveniente de desequilíbrios financeiros.

A taxa neutra é uma variável não observável que carrega consigo a ideia de um patamar de juros que não atrapalha nem ajuda a economia mantendo a inflação na meta. Até o momento, o Fed vinha mantendo a taxa básica abaixo do patamar considerado neutro, ou seja, política monetária acomodativa. Em sua última reunião, o Fed retirou essa avaliação do comunicado, e agora fala em levar o juro para cima desse patamar.

A taxa neutra é estimada levando em conta fatores como produtividade e demografia e é alvo de acalorados debates no mercado e na academia. Os membros do Fed apresentam sua estimativa do que seria essa taxa neutra no longo prazo. Atualmente, a projeção do Fed é de juro neutro na casa de 3%.

Apenas “um par” de participantes afirmou que não favoreceria uma política restritiva enquanto não surgirem claros sinais de um superaquecimento da economia e inflação em alta.

Sobre o comportamento dos preços, “muitos” participantes estimam que a inflação vai exceder a meta de 2% ao ano por algum tempo. Mas a visão geral é de que as expectativas continuam orbitando a meta.

No lado da atividade, alguns membros mostram surpresa com ritmo de crescimento, pois ele estaria acima do antecipado.

O Fed também está preocupado com alguma bolha no preço dos ativos. Alguns participantes comentaram sobre o continuo crescimento de empréstimos alavancados, sobre o afrouxamento nos termos e padrões desses empréstimos, e sobre o crescimento dessa atividade fora do setor financeiro. Essas são razões “para permanecer consciente das vulnerabilidades e possíveis riscos à estabilidade financeira”.

Certamente o tom desse comunicado considerado mais duro (hawk, no jargão) vai desagradar o presidente Donald Trump, que vem agredindo Powell e o Fed pela alta de juros.

O próximo encontro do Fed está previsto para os dias 7 e 8 de novembro. Em dezembro, o comitê se encontra nos dias 18 e 19 e se espera mais um ajuste de 0,25 ponto. Para 2019 também são projetadas novas elevações.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa fecha setembro no azul, o potencial da Weg (WEGE3) e a semana do bitcoin; confira os destaques do dia

30 de setembro de 2022 - 19:19

O último pregão do mês foi também o último antes da definição do primeiro turno das eleições presidenciais de 2022. Apesar disso, levou um tempo até que a política fosse o principal gatilho para os negócios.  Isso porque o debate final entre os candidatos à chefia do Executivo não trouxe grandes mudanças no cenário-base, já […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa fecha setembro no azul por um triz após nova onda do ‘efeito Meirelles’; dólar vai a R$ 5,39

30 de setembro de 2022 - 18:53

O Ibovespa deixou a política parcialmente de lado no último pregão antes do pleito de domingo

Balanço do mês

Os melhores investimentos de setembro: dólar tem a maior alta do mês, e Brasil vai na contramão do mundo com valorização de quase todos os ativos

30 de setembro de 2022 - 18:42

Títulos prefixados vêm logo em seguida, beneficiados pelo fim do ciclo de alta da Selic no Brasil. Veja o ranking completo dos melhores e piores investimentos do mês

EFEITO MEIRELLES 2.0

Bolsa amplia alta e Magazine Luiza (MGLU3) dispara com novo rumor sobre Henrique Meirelles no governo em caso de vitória do petista

30 de setembro de 2022 - 16:01

Descolando de seus pares internacionais, a bolsa brasileira opera em forte alta, mas o grande destaque fica com a curva de juros e a disparada de ações do setor de consumo

É HORA DE COMPRAR?

Morgan Stanley altera recomendação da Weg (WEGE3) de venda para compra e papel sobe mais de 6%

30 de setembro de 2022 - 15:51

Na avaliação dos analistas, a Weg (WEGE3) tende a se beneficiar das tendências de automação, eletrificação e descarbonização do mercado e pode subir 29,3%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies