Menu
2018-10-31T20:47:09-03:00
Balanço da varejista

Mesmo com forte alta, lucro da Lojas Americanas no 3º trimestre decepciona e fica abaixo do esperado

Lucro líquido da companhia cresceu 165,8% na comparação com o mesmo período do ano passado

31 de outubro de 2018
20:45 - atualizado às 20:47

No 3º trimestre de 2018, a Lojas Americanas registrou um lucro líquido de R$ 61,4 milhões. Apesar de representar uma alta de 165,8% em relação ao mesmo período do ano passado, o número ficou abaixo das estimativas de analistas consultados pela Bloomberg, que projetavam um lucro líquido de R$ 96,5 milhões.

Nos primeiros nove meses do ano, a empresa soma lucro de R$ 107,7 milhões, comparável a um prejuízo de R$ 47,1 milhões do mesmo período do ano passado.

Apesar do lucro decepcionante, a geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado ficou em R$ 630,5 milhões no critério ajustado no terceiro trimestre. O resultado veio acima dos R$ 530,4 milhões esperados pelos analistas e marcou uma alta de 9,4% sobre o mesmo intervalo do ano anterior.

Na visão controladora (que reflete os dados do varejo físico), o Ebitda ajustado foi de R$ 514,1 milhões no terceiro trimestre, 9,1% de alta na comparação anual.

Já a receita líquida consolidada da Lojas Americanas foi de R$ 3,934 bilhões, aumento de 6,2% sobre os mesmos três meses de 2017 e mais de R$ 1 bilhão acima do que esperava o mercado (R$ 2,9 bilhões). A controladora por sua vez registrou receita de R$ 2,424 bilhões, aumento de 10% na mesma comparação. Em nove meses, a receita líquida consolidada subiu 7,5% para R$ 11,771 bilhões e a da controladora aumentou 12%, para R$ 7,359 bilhões.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mercado aquecido

Cury, da Cyrela, tem preço por ação a R$ 9,35 em IPO

Com a emissão de 18,1 milhões de novas ações, a empresa teve um aumento de capital social de R$ 169,9 milhões

fora do Executivo

Bolsonaro diz que BB, Caixa e Casa da Moeda não serão privatizados em seu governo

Ele afirmou que não está “segurando privatizações” e que qualquer processo é “demorado”

mudança

BC altera assinatura no câmbio e permite conta pré-paga em compra internacional

No caso da assinatura eletrônica em contratos de câmbio, será permitido usar soluções como a gravação de imagem ou de voz, o registro de sinalização gráfica de concordância e o envio ou recebimento de e-mail

Sextou com o Ruy

Como investir bem em um país que insiste em não dar certo

Para não depender do sucesso do Brasil nem da boa vontade dos governantes, o Felipe Miranda decidiu procurar por um ativo que desse grandes lucros e não estivesse ligado a nenhum desdobramento macroeconômico

projeções da corretora

XP Investimentos amplia cobertura e recomenda compra para dois FIIs de lajes corporativas

Cotas dos fundos PVBI11 e RECT11 têm potencial de alta de no mínimo 12% e oferecem rendimento de dividendo de até 8,4%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements